domingo, 3 de junho de 2012

Sem título (poema)

 
Acordei nesta manhã
Sobre um manto branco
Que sobre o mar ondulava
À mercê do além
E do caminho obscuro
Tão longínquo…

Senti que estava acordando
Para uma nova vida
Para um mundo recente
Onde só os raios solares
Poderiam alimentar-me

Quis voltar ao sono
Porque nesse mundo novo
Queria não estar

De súbito
As nuvens chocaram
E deram fruto
Relâmpagos e trovões faiscaram

As ondas subiram
E o manto desapareceu…

Fizera-se noite
E um branco no mar
Luziu ao encontro das estrelas


Miguel Pestana 
(2003) 

4 comentários:

OutrosEncantos disse...

não te sabia poeta.
lindissimo.

beijo.

MARILENE disse...

Belíssimo! Se o mundo novo nos abre as portas, tão intensamente, só nos resta para ele acordar.
Bjs.

tonsdeazul disse...

Gostei muito!

Miguel Pestana disse...

Obrigado.

Apeteceu-me tirá-lo da gaveta!