domingo, 23 de fevereiro de 2014

«O Crime de Lorde Arthur Savile e outras histórias», de Oscar Wilde

Editora: Europa-América
Ano de Publicação: 2007
N.º de Páginas: 128

O Fantasma de Canterville é um dos cinco contos coligidos neste livro. Nele, Oscar Wilde narra-nos a história de um atormentado fantasma que há mais de trezentos anos aterroriza sucessivas gerações da família Canterville, em sua mansão, numa Londres mil-oitocentista. Os últimos descendentes dos Canterville decidem pôr a casa à venda e assim, passarem o testemunho fantasmagórico a outros hóspedes. Os Otis, uma família americana compra a mansão mesmo advertida das histórias de assombrações. Mr. e Mrs Otis são republicanos e educaram os quatro filhos baseando-se no dogma de um mundo materialista, maquinal e sem floreados líricos nem sentimentalistas. Portanto, o medo desenfreado que os antigos habitantes sentiam em relação ao fantasma («(…) um velho com um aspecto terrível. Os olhos de carvão em brasa, o cabelo grisalho; as roupas, de corte antigo, sujas e rasgadas (…)») para esta família é inexistente e isso comprova-se logo na primeira noite, em que o fantasma se revela aos novos inquilinos, mas nenhum membro da família se sente abalado pela sua aparição e até ridicularizam-no. O fantasma — que até aprecia a poesia — passa, então, a temer os vivos quando todas as suas tentativas de assustá-los passam incólumes. Virgínia é a única dos filhos que deixa o seu sangue-frio de lado e aborda-o, tentando compreender o seu historial de vida e sentimentos. Sim, sentimentos. A temática gótica do conto está dispersa quanto baste, tornando O Fantasma de Canterville uma leitura prazerosa, regada de ironia e sátira entre as sociedades americana versus britânica.
As outras histórias de mistério, comicidade e sagacidade aqui incluídas são: O Crime de Lorde Arthur Savile, A Esfinge sem Segredos, O Milionário Modelo e O Retrato do Sr. W.H.


4 comentários:

João Mira disse...

O nome Oscar Wilde foi o suficiente para despertar o meu interesse

Passarinho disse...

Apesar de eu não ser propriamente fã das edições da Europa-América, estas edições de bolso têm um formato muito simpático para levar para qualquer lado sem ter que carregar um "tijolo". Não há desculpa para não ler!

The fond reader disse...

Esta capa é fenomenal :)

celia silva disse...

O Mestre Oscar Wild impõe que se leia este livro. Embora este me tenha escapado estou ansiosa por le-lo