segunda-feira, 18 de junho de 2012

Vamos falar com Saramago

Decorreu esta tarde no Funchal um encontro dinamizado pela Universidade da Madeira, intitulado "Vamos Falar com Saramago", onde foi relembrado José Saramago, a pessoa e a obra, no dia que regista o segundo ano da morte do escritor. 
Entre outros marcaram presença Violante Saramago, a filha do Nobel.
Alguns excertos de Discursos de Estocolmo (Ed. Caminho, 1999) proferidos por José Saramago na ocasião da entrega do Prémio Nobel de Literatura em 1998 foram declamados por duas actrizes madeirenses, na abertura.
No texto Saramago referencia 11 obras suas, e concisamente dá a conhecer ao público o “centro” dessas suas obras. Como referiu Violante «No texto de Estocolmo ele ensina-nos a lê-lo.»
Abordada pelo público a filha confessou que era difícil falar de livros com o pai, porque ele discorria facilmente do tema e quando dava por si, estava a falar de assuntos díspares.


Todos os Nomes foi o último livro que li do Nobel e foi uma obra que muito prazer me deu ler. Foi com grande satisfação que soube a origem da escrita desse livro. Um irmão dele tinha falecido e o seu registo de óbito simplesmente desaparecido, o que levou Saramago a percorrer Cartórios atrás de Cartórios, para saber a data exata do falecimento.
Violante Saramago confessou não gostar de festejar efemérides «Eu não quero o dia de Saramago. Eu não quero o dia da morte de Saramago. Sou contra datas.»
Foi um final de tarde bem passado, que passou depressa. 

2 comentários:

tonsdeazul disse...

Grande oportunidade, Miguel Pestana! Momentos que falem de livros, de autores, de escrita, ... são sempre horas bem passadas.

Gostei imenso desse livro, «Todos os Nomes». Achei a ideia muito original, mas não fazia ideia como tinha surgido.

Boas leituras!

Miguel Pestana disse...

Sem dúvida que foi uma boa oportunidade.
Conhecer melhor a obra de qualquer escritor é sempre um acrescento.