terça-feira, 15 de janeiro de 2019

O mistério do ano já está à venda!

Atreve-te a descobrir o mistério do ano sem perder a cabeça

Lê o texto sinóptico e alguns elogios da imprensa internacional 
sobre O Dia em que Perdemos a Cabeça, aqui

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

Novo romance de Chloé Esposito chega em Fevereiro

Depois do seu romance de estreia, Louca, a escritora Chloé Esposito está de volta com , a sequela do primeiro livro que a 9 de Fevereiro fica disponível nas livrarias com o selo da Bertrand Editora.

Quem já leu, o que diz:
“Alvina é uma personagem que os leitores não esquecerão em breve - engraçada, feroz e fabulosa.” - Booklist 

" é deliciosamente extravagante, com uma protagonista que o leitor nunca vai esquecer e um final que promete mais caos para vir." - Bookpage 

“Entretenimento puro e não adulterado. Não há nada que a Alvie de Chloé Esposito não faça. Prenda-se para uma leitura divertida, rápida e fresca.” - Ali Land, autora de Menina Boa, Menina Má

"Multifacetada, engraçada ... Os leitores vão voar com este livro e ansiosamente aguardar pela conclusão da trilogia." - Booklist
Sinopse
Alvie Knightly até pode acordar no Ritz, mas a sua vida não é um mar de rosas.
Para começar, tem a maior ressaca de sempre. E depois, a sua gémea mimada, Beth, foi encontrada morta na Sicília, e agora a polícia quer interrogá-la.
E ainda por cima, o namorado sexy de Alvie desapareceu com o dinheiro todo que roubaram a Beth.
Mas ele meteu-se com a miúda errada.
Alvie vai perseguir o seu ex em Roma num jogo de gato e rato em que só um pode sobreviver.
Não há fúria no inferno como a de uma mulher enganada… Mas será que Alvie conseguirá vingança antes de ser apanhada pelos seus crimes?

Novos livros de Teolinda Gersão e Germano Almeida


Atrás da Porta e outras Histórias, de Teolinda Gersão (Prémio Literário Vergílio Ferreira 2017)
Atrás da porta há segredos. De beleza ou de horror, porque o mundo e a vida não são o que parecem.
Por vezes a literatura consegue espreitar por uma frincha da porta, ou mesmo forçá-la a abrir-se.
Essa tentativa, sempre renovada, é o objectivo da escrita.

Estórias de Dentro de Casa, de Germano Almeida (Prémio Camões 2018)
Inclui três novelas: «In memoriam», «As mulheres de João Nuno» e «Agravos de um artista». Em todas elas está presente uma particular visão dos homens (e das mulheres) – uma visão filtrada pelo sentido de humor próprio de Germano Almeida. Vícios, ambições desmedidas, agravos, necessidades comezinhas, vaidades feridas, convenções sociais obsoletas mas pertinazes, constituem um modo muito próprio do autor. Um mundo em que se reconhece, pelo exterior, o cabo-verdiano, e onde nos descobrimos, bem no fundo da alma de cada personagem, todos nós.

Romance de Somerset Maugham entre as novidades da LeYa

São alguns dos livros que algumas chancelas do Grupo LeYa estão a preparar publicar ainda durante este mês de Janeiro.
As Paixões de Julia, de Somerset Maugham (ASA)
Amor. Obsessão. Vingança. A atuação de uma vida.
Julia Lambert está no auge do sucesso: é considerada a maior atriz inglesa do seu tempo. No palco, domina totalmente as emoções e as suas atuações são arrebatadoras. Na vida real, está cansada do marido e é bastante menos disciplinada. Quando um jovem fã a cobre de atenções, Julia fica inicialmente divertida; mais tarde, entusiasmada pela sua persistência; e, por fim, louca e perigosamente apaixonada. A sua vida, aparentemente perfeita e imperturbável, vai sofrer uma viragem irreversível.
De execução magistral, As Paixões de Julia retrata as tensões e os triunfos das artes performativas: quer em palco, quer fora dele.
Foi adaptado ao cinema, com Annette Bening e Jeremy Irons nos principais papéis.

Carta à Minha Filha, de Maya Angelou (Lua de Papel)
Um legado inspirador para todas as mulheres que amam, sofrem e lutam pela vida.
Maya Angelou tinha 17 anos quando, de uma relação fortuita e infeliz, nasceu o seu primeiro e único filho. Foi a maior dádiva de uma relação sem amor, mas teria muitas outras ao longo de uma vida extraordinária. E teria muitas “filhas” também: as milhares de mulheres de todo o mundo que nela encontraram uma referência, uma permanente fonte de inspiração.
Uma delas chamava-se Oprah Winfrey. E foi a pensar nela, nos recados e mensagens que lhe enviou ao longo de décadas, que Maya Angelou decidiu fazer este livro. Reuniu aqui, em 28 textos, que sintetizam décadas de experiência – e a sabedoria acumulada ao longo delas.
Numa voz sempre poética, terna e calorosa, a autora fala de si, da sua infância e adolescência, e de um caminho onde todos os obstáculos foram sendo superados. Nesta pequena obra, onde cada palavra conta, devolve-nos as suas memórias, a sua relação com o mundo, discute o papel da raça e do racismo, do medo, do amor, do papel da mulher.
Carta à Minha Filha é um livro que não se explica, que não se resume. É uma voz vertida no papel, que nos envolve, aquece e guia.

Guerra e Terebintina, de Stefan Hertmans (Dom Quixote)
Um romance maravilhoso sobre memórias, arte, guerra e amor.
Urbain Martien – um soldado flamengo que sobreviveu à Primeira Guerra Mundial – deixou ao neto dois cadernos contando a sua vida desde criança. Depois de muito tempo sem conseguir abri-los, o escritor Stefan Hertmans decidiu prestar-lhe homenagem reescrevendo essas memórias. E, à medida que lia as palavras do avô, encontrou a chave de muitos quartos que até então tinham permanecido fechados.
Da infância miserável nas igrejas a ver o pai pintar às trincheiras geladas da Flandres onde combateu; do casamento com a irmã da rapariga que amava à luta entre o que desejava ser e o que foi obrigado a tornar-se, Guerra e Terebintina é um livro com reminiscências de Sebald que cruza a biografia, o romance e a história e nos oferece o retrato de um herói anónimo pintado com a beleza de um fresco renascentista.

O Colecionador de Pecados, de Daria Desombre (Casa das Letras)
Em Moscovo, na Praça Vermelha, é descoberto um cadáver, numa das manhãs mais frias de que Vera, uma vagabunda que deambula pela zona, tem memória.
Do outro lado da cidade, uma brilhante e obstinada recém-formada estudante de Direito, Masha Karavai, de 22 anos, está obcecada em descobrir o assassino do pai. Inicia um estágio na esquadra da polícia da Petrovka, a sede da Diretoria Central da Polícia.
Masha investiga uma série de assassinatos enigmáticos e grotescos que, aparentemente, não têm relação entre si. Mas quando descobre uma ligação entre as vítimas e o mundo simbólico da ortodoxia russa medieval, ela e o seu chefe, Andrey, começam a investigar os crimes com maior profundidade. Masha recorre à ajuda de um amigo de infância, Innokenty, um historiador e negociante de antiguidades, que lhe revela uma planta antiga de Moscovo e a potencial relação desta com a lendária cidade sagrada no céu, Nova Jerusalém, descrita minuciosamente no livro do Apocalipse. Ao examinarem a cena dos crimes e os métodos medievais de execução utilizados, aproximam-se da teia que liga os misteriosos assassínios. Mas o implacável serial killer inicia um jogo com Masha que coloca em perigo a sua vida e as daqueles que lhe são próximos.
Masha e Andrey, enfrentarão, cara a cara, um assassino frio, de uma inteligência pouco comum, obcecado pelo simbolismo medieval, que pune publicamente as suas vítimas através das formas mais cruéis, para que a sua mensagem a todos os pecadores seja tão clara e marcante quanto possível.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Em Janeiro, mais dois novos livros sobre meditação são lançados

O Poder da Meditação
de Rute Caldeira
Depois do sucesso de Liberta-te de Pensamentos Tóxicos e Simplifica a Tua Vida, Rute Caldeira convida-te a fazer uma caminhada até à tua verdadeira natureza. Como? Através de uma ferramenta poderosa: a meditação.
Partilhando todo o seu conhecimento em anos de formação e prática, a autora, ao longo destas páginas, ensina-te a parar e a respirar, guia-te com a sua voz doce e tranquila em meditações de 5 minutos para todos os dias da semana, convida-te a libertares o corpo em meditações ativas e partilha contigo a sua história e outras histórias inspiradoras.

O Grande Livro da Meditação
de James Allen
O Grande Livro da Meditação, de James Allen, é um autêntico guia no caminho da alma avançada. Numa era de discórdia, pressa, controvérsia religiosa, discussões acaloradas, rituais e cerimónias, surgiu com a sua mensagem de meditação, chamando os homens para longe do ruído e da querela das línguas e para os caminhos pacíficos da tranquilidade no seio das suas próprias almas, onde a luz que ilumina cada homem que vem ao mundo arde sempre firme e seguramente para todos os que viram os seus olhos cansados do conflito exterior para a quietude interior.
O livro deve ser sempre uma fortaleza de verdade espiritual e uma bênção para todos os que o lerem e, principalmente, para aqueles que o utilizarem para meditação diária. O seu grande poder jaz no facto de ser o coração de um homem bom que viveu cada palavra que escreveu.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Novo livro da psicoterapeuta Rossana Appolloni

Despertar. Libertar. Crescer. é o título do novo livro de Rossana Appolloni, e será publicado no próximo dia 15 com a chancela da editora SELF.

Um livro para quem procura compreender as dinâmicas subjacentes aos processos de transformação e de crescimento emocional. A viagem que fazemos ao longo deste livro vai no sentido de clarificarmos o rumo do nosso crescimento. O que é que nos leva a despertar para a nossa realidade interior, libertar-nos do que já não nos serve e crescer no sentido de encontrarmos a melhor versão de nós próprios? Para isso há que olhar para a nossa criança interior: resgatar a alegria, a espontaneidade e a leveza, mas também cuidar das feridas e dos traumas, ou seja, da parte emocional que nos faz entrar em fúria ou numa espiral de ansiedade desgastante.

«A felicidade é um processo em constante risco de desequilíbrio, pelo que a atenção às nossas dinâmicas internas e externas deverá ser igualmente constante. E não para. A vida é este processo de exploração e descoberta, não é uma meta a alcançar.», refere a autora.

Rossana Appolloni, psicoterapeuta e autora dos livros Ousar Ser Feliz e Do Sofrimento à Felicidade, aborda questões inerentes às dinâmicas do nosso Self, como por exemplo: que feridas emocionais existem e como surgem; como se formam padrões de comportamento e como os mudamos; o papel do vínculo na infância e de que modo influencia as nossas relações em adulto; o processo de mudança; a Jornada do Herói enquanto percurso simbólico que todos podemos fazer, tornando possível o chamado crescimento pós-traumático; como ser uma pessoa emocionalmente adulta, capaz de cuidar de si; a importância da caminhada, mais do que a chegada ao destino.

Um livro onde em cada capítulo encontrará exercícios práticos para fazer, histórias inspiradoras de pessoas que também elas vivenciaram este processo de descoberta, e referências a episódios que poderá ouvir no Podcast Ousar Ser.

Novos livros que este mês chegam às livrarias pela Bertrand Editora

Antonio Dikele Distefano é um dos autores sensação da atualidade. Lá Fora Chove, Cá Dentro Também. Passo Aí a Apanhar-te? é o seu romance de estreia e ainda antes de ter sido publicado em livro formato papel já era um verdadeiro fenómeno na Internet. Este livro é muito mais do que a história de um jovem negro que se apaixona por uma jovem branca. É um conjunto de ideias e reflexões sobre os temas da vida vistos por um jovem de vinte anos.
Esta é a história, meio autobiográfica, meio ficcionada, de um primeiro amor e do seu fim. Uma história que durou um ano e que desagradou a toda a gente. Porquê? Porque Antonio é negro, e a família da namorada não gosta dele por isso. Tem também de se confrontar com questões relacionadas com a sua própria família, os amigos, a escola e milhões de outros desafios relacionados com a adolescência. Namoros, amizades, amor, crescer…
Esta é a história de um jovem contada em fragmentos. É uma história de momentos

Imortalidade, de Rachel Heng, é um romance que se desenrola no futuro próximo, em Nova Iorque, onde a esperança de vida ronda os 300 anos e a imortalidade é o único valor que verdadeiramente importa. Neste mundo futuro, a morte não é só um tabu, mas também altamente ilegal, e Lea tem de escolher entre uma existência imortal asséptica e um tempo curto e agridoce com um homem que é a sua única família no mundo…

A guerra do Vietname continua muito presente na memória dos norte-americanos e as suas feridas também. Além das cicatrizes dos veteranos de guerra, há outras mazelas não visíveis que se escondem em zonas mais profundas do corpo: no cérebro. Tendo como ponto de partida a perturbação de stresse pós-traumático, a escritora californiana Kristin Hannah apresenta A Grande Solidão, um romance que é um retrato fiel da fragilidade e da resiliência humana.

Dunbar e as Suas Filhas é o livro que recria uma das tragédias mais lidas de Shakespeare, O Rei Lear. Edward St Aubyn é um dos mais aclamados romancistas britânicos contemporâneos, autor de diversos romances, todos altamente elogiados e premiados pela crítica e pelo público.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

«Mistério em Branco - Um crime no Natal», de J. Jefferson Farjeon

Editora: Livros do Brasil
Data de publicação: 08-11-2018
N.º de páginas: 264

Devido a uma terrível tempestade de neve, um comboio que partiu de uma grande estação ferroviária ao norte do centro de Londres, é obrigado a parar a viagem em plena véspera de Natal. Vendo que o nevão vai-se intensificando de hora para hora, e com receio de passarem o dia de Natal com desconhecidos, um grupo de seis ocupantes de um compartimento do comboio decidem ir a pé até à estação mais próxima, mas perdem-se. Ao vislumbrarem uma casa, decidem pedir acomodação ao dono, enquanto a neve não dá tréguas. Todavia, na moradia (que tem a porta destrancada) David e Lydia Carrington (irmãos), Jessie Noyes (uma corista), Mr. Maltby (um espírita da Royal Psychical Society), Sr. Thomson (um funcionário de escritório) e Mr. Hopkins não encontram vivalma, mas a lareira está acesa, a chaleira está ao lume e a mesa posta para o chá. E na cozinha encontram uma faca no chão…
O tempo vai passando, a neve vai intensificando-se e este grupo de pessoas desconhecidas fica enclausurado nesta casa (Valley House) que irá causar arrepios em alguns dos elementos mais sensíveis deste grupo heterogéneo de indivíduos.
Este romance policial — um dos mais recentes volumes da nova coleção Vampiro, traduzido para português por Artur Lopes Cardoso — tem os ingredientes necessários para satisfazer os fãs deste género literário: personagens muito ecléticos que escondem segredos, uma mansão assustadora como cenário de fundo, voltas e reviravoltas na acção, e uma tríade incomum mas que funciona bem nesta história: um leve toque de humor britânico, espiritismo e horror.
Embora a história seja passada na véspera de Natal, na trama não encontramos muitas menções sobre esta quadra festiva. Portanto, este policial poderá ser lido em qualquer outra época do ano.
Mistério em Branco - Um crime no Natal foi originalmente publicado (sob o título Mystery in White) em 1937 e em 2014 foi reeditado pela The British Library, voltando a afirmar-se como um bestseller internacional, para pasmo dos editores, que justificaram o sucesso de vendas devido a existirem leitores ansiando por mistérios genuínos, da velha guarda, em vez de thrillers mais sombrios e modernos.
Tendo publicado entre o hiato de 1924 a 1955 mais de sessenta histórias de mistério, o escritor londrino Joseph Jefferson Farjeon (1883-1955) é tido como um dos mais aclamados escritores de policiais do seu tempo.

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Alguns livros que o Grupo 20|20 irá publicar até Junho

Já são conhecidos alguns títulos que chegarão às livrarias no primeiro semestre de 2019, pelas sete chancelas do Grupo 20|20.

Pela Elsinore:
O Mel do Leão – o mito de Sansão, de David Grossman
A Dor, de Zeruya Shalev
A Noiva do Tradutor, de João Reis 
A Sexta Extinção, de Elizabeth Kolbert
Ragnarök – O Fim dos Deuses, de A.S. Byatt
Vernon Subutex, vol. 1, de Virginie Despentes
Kentukis, de Samanta Schweblin
Lanny, de Max Porter
Girl Meets Boy (título original), de Ali Smith

Pela Cavalo de Ferro:
Coração Duplo, de Marcel Schwob
Pequenas Cadeiras Vermelhas, de Edna O'Brien
Viagens, de Olga Tokarczuk
O Instinto Supremo, de Ferreira de Castro
Zama, de Antonio di Benedetti
Romance 11, Livro 18, de Dag Solstad
A Minha Intenção, de Czeslaw Milosz
A Lotaria e Outras Histórias, de Shirley Jackson
Orlando Furioso contado por Italo Calvino, de Italo Calvino
Um Bárbaro no Jardim, de Zbigniew Herbert
Death is a Lonely Business (título original), de Ray Bradbury

Pela Topseller (Ficção):
Flores sobre o Inferno, de Ilaria Tuti
VOX, de Christina Dalcher
A Deusa da Vingança, de Sara Blaedel
28 Livros para Te Encontrar, de Ali Berg e Michelle Kalus
The Kingfisher Secret, autor anónimo
Down to the Woods (título original), de M. J. Arlidge
The Doll Factory (título original), de Elizabeth Macneal

Pela Vogais (Não-ficção):
Estrada Leste-Oeste, de Philippe Sands
Quanto Pesam as Nuvens, de David Calle
Game Changers (título original), de João Medeiros
1983: The World at the Brink (título original), de Taylor Downing

Pela Nascente (Lifestyle | Mente|Corpo | Espírito):
Ser Humano: Manual de Instruções, de Ruby Wax
Wabi Sabi: Sabedoria Japonesa para uma Vida Perfeitamente Imperfeita, de Beth Kempton
A Solução para o Alzheimer, de Dr. Dean Sherzai e Dra. Ayesha Sherzai
Superervas, de Rachel Landon
Guia para uma Barriga Feliz, de Wendy Green
Ayurveda: Sabedoria Antiga para o Bem-Estar Moderno, de Geeta Vara
Dieta Cetogénica para Todos, de Olivia Charlet

Pela Fábula (Infanto-juvenil literário):
O André Semeão NÃO Tem Um Cavalo, de Marcy Campbell e Corinna Luyken
Robot em Fuga, de Peter Brown
Depois, de Morris Gleitzman
O Duende Que Caiu da Lua, de Rita Mira
Eu e o Meu Medo, de Francesca Sanna
O Esperto e Outras Histórias, de Ana de Castro Osório
As Aventuras de Sherlock Holmes, de Arthur Conan Doyle

Pela Booksmile (Infanto-juvenil):
50 Ideias para Te Livrares do Plástico, de Isabel Thomas
Como Aqui Chegámos?, de Philip Bunting
O Meu Amigo Extraterrestre, de Rocio Bonilla
Max and the Millions, de Ross Montgomery e David Litchfield
A Menina Furacão e o Menino Esponja, de Ilan Brenman
A Rapariga com Coração de Dragão, de Stephanie Burgis
Wonderland, de Barbara O'Connor
Aru Shah 1: O Fim dos Tempos, de Roshani Chokshi

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

«O Urso, o Piano, o Cão e o Violino», de David Litchfield

Editora: Fábula
Data de publicação: Novembro 2019
N.º de páginas: 40
Depois do estrondoso sucesso que foi O Urso e o Piano, obra já traduzida para mais de 20 idiomas, e do também contagiante O Gigante Secreto do Avô, o escritor e ilustrador inglês David Litchfield está de volta com uma nova história, que vai cativar crianças e adultos. O Urso, o Piano, o Cão e o Violino é uma sequela do primeiro livro, mas com um personagem central novo.
O canino Hugo é o melhor amigo de Heitor, um velhinho violinista que durante a vida toda tocou nas ruas e que agora, cansado pela idade, decidiu retirar-se da azáfama citadina e descansar o seu também velho violino. Desolado por nunca ter concretizado o seu sonho de vir a ser um dia um músico mundialmente famoso, o senhor anoso passa os dias em letargia, dormitando em frente à televisão. Um dia, o seu amigo de quarto patas, para dar ânimo ao ambiente funesto da casa, pega no instrumento de corda abandonado e começa a tocar o instrumento com uma destreza espantosa, fazendo ressoar do violino melodias e sensações vibrantes, que despertam a atenção da vizinhança, e depois, de um urso pianista. Perante uma inesperada mudança no rumo de vida de Hugo, a amizade entre o velhinho e o seu cão será posta à prova. Será que «uma amizade, tal como uma boa música, dura uma vida inteira»?
The Bear, The Piano, The Dog & The Fiddle (tradução portuguesa a cargo de Luísa Costa Gomes) é um livro que tem como temas centrais a amizade e a música. A história convida-nos a reflectir sobre a importância de se valorizar quem está connosco não só nos bons momentos mas, e principalmente, também nos mais difíceis. É meritória a sensibilidade de David Litchfield nesta obra, pois através de um texto cuidado ele consegue transmitir de forma subtil aos mais pequenos, que o ciúme e a inveja são sentimentos que podem estar presentes em algumas circunstâncias de uma amizade.
A narrativa visual de O Urso, o Piano, o Cão e o Violino é um dos aspectos a destacar também: as ilustrações pormenorizadas captam de forma perfeita as emoções que os personagens vão tendo ao longo da história. As expressões dos personagens e de todo o ambiente nocturno citadino que estão em pano de fundo, são contrastantes: plenos de luz e sombra.
David Litchfield prova com este seu terceiro livro que é um autor promissor, cujo duplo talento de escritor e de ilustrador infantil merece ser continuadamente dado a conhecer aos leitores.

Novo tríler histórico: «O Sabotador», de Andrew Gross


Dina Antunes traduziu para português um novo tríler histórico que a Editora Clube do Autor lançará a 9 deste mês. Inspirado nos heróis de guerra que boicotaram a pesquisa nuclear dos nazis, O Sabotador, de Andrew Gross (autor de 72 horas – O último resgate de Auschwitz), debruça-se sobre a épica missão que destruiu um dos planos mais perigosos de Hitler.

Texto sinóptico
Fevereiro de 1943. Os Aliados descobrem que os nazis estão perigosamente perto de construir uma arma decisiva para o desfecho da guerra. E têm de fazer tudo para os impedir.
Kurt Nordstrum é um engenheiro que faz parte da resistência que quer livrar a Noruega da influência de Hitler. Após perder a noiva, foge para Inglaterra, levando provas secretas sobre o progresso dos nazis na construção da bomba atómica. Determinado a prejudicar os planos dos alemães, junta uma equipa de resistentes e treina-os para a incursão mais ousada da guerra.
Avançando num dos terrenos mais inóspitos da Europa, lutando contra tempestades e desafiando o destino, a equipa de Nordstrum tem como alvo uma fábrica isolada, altamente vigiada pelos alemães, construída numa plataforma que se acredita ser impenetrável e de onde outros soldados não conseguiram voltar.
Com o destino da guerra em mãos, e em nome da lealdade e do dever, ele coloca em risco a pessoa que mais quer proteger. No final, o que estará disposto a sacrificar?
Inspirado na sabotagem à fábrica em que os alemães produziam a água deuterada, fundamental para o desenvolvimento da bomba atómica, O Sabotador recria uma das mais arriscadas missões da guerra. O último sobrevivente do ataque, Joachim Rønneberg, morreu em outubro de 2018.

Elogios da imprensa
«São páginas repletas de tensão até para quem conhece o desfecho histórico. Uma história formidável e cheia de surpresas. Gross escreveu outro livro notável sobre a Segunda Guerra.» Kirkus

«O Sabotador é o melhor e mais emocionante romance publicado este ano. Ação, suspense, heroísmo e sacrifício são temas que fazem dele o exemplo de um verdadeiro thriller.» New York Journal of Books

«Andrew Gross é um grande contador de histórias.» Nelson DeMille

Novos livros que estão quase a ser publicados: «Alternativas Naturais aos Antibióticos» e «Os Segredos da Aromaterapia»

Alternativas Naturais aos Antibióticos
de Christopher Vasey

Como combater as infecções sem comprometer o seu sistema imunitário e a sua saúde
da sinopse
Christopher Vasey, valendo-se das propriedades antibióticas de recursos naturais como a equinácea, o mel, o jasmim e o gengibre, entre dezenas de outros, explica concisamente como usar cada um para curar diversas doenças e maleitas de origem infecciosa, da amigdalite aos abcessos dentários, do herpes à angina.


Os Segredos da Aromaterapia
de Sandra Ramos

Um guia completo de óleos essenciais para a sua saúde, beleza e bem-estar
da sinopse
Utilizada desde a Antiguidade, a aromaterapia é um método natural que tem vindo a ganhar cada vez mais adeptos.
A aromaterapia cuida da nossa saúde física e emocional, promovendo o nosso bem-estar e equilíbrio, através da aplicação de óleos essenciais, obtidos de plantas, raízes, flores, frutos e troncos.
Neste livro, um guia essencial para descobrir os segredos da aromaterapia, encontra um glossário dos óleos essenciais, as suas características, os seus diferentes métodos de aplicação e as suas principais utilizações terapêuticas.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

Livros que a Pergaminho e a Temas e Debates irão lançar no primeiro trimestre deste ano

A Pergaminho já apresentou alguns dos livros que irá publicar até final de Março.
Janeiro inicia-se com o lançamento de 6 Minutos para Mudar a Sua Vida, o bestseller internacional no qual o autor Dominik Spenst desafia o leitor a dedicar, diariamente, a si mesmo o tempo ideal para se conhecer verdadeiramente. Neste mês será publicado também A Cura Pós-Parto, o Dr. Oscar Serrallach oferece ao leitor conselhos sobre os cuidados específicos que os pais, e em especial as mães, devem ter para consigo, de forma a equilibrar o tempo e a energia que dedicam aos seus filhos e a si próprios.
No início de Fevereiro chega às livrarias portuguesas Mude de Horário, Mude de Vida. Suhas Kshirsagar revela neste livro os segredos da cronobiologia, ajudando o leitor a conhecer melhor o seu perfil cronobiológico, ou seja, o seu «relógio genético».Também durante o segundo mês do ano ficará disponível o livro Tenho Alergia Alimentar, E Agora?, de Inês Pádua.
No mês de Março será publicado o novo livro de Pedro Siqueira, Senhora das Águas, o primeiro livro da trilogia de ficção que o autor dedica a Nossa Senhora. Ainda em Março, será lançada aquela que é considerada a obra-prima de Robin Sharma: O Clube das 5 da Manhã, livro que tem o objetivo principal de ajudar o leitor a compreender como restaurar o equilíbrio necessário para uma vida feliz e produtiva, incluindo métodos desenvolvidos pelo próprio autor e testados nos seus workshops. Os leitores de Augusto Cury, um dos autores de maior sucesso da Língua Portuguesa, poderão encontrar nas livrarias mais um título seu: Ciúme, no qual o escritor apresenta, de forma simples e direta, quais os agentes perturbadores da ansiedade, bem como as técnicas de tratamento dos mesmos, ajudando a fazer a distinção entre relações emocionantes e aquelas em que o ciúme se afirma, conduzindo a relações doentias.

Outra das editoras pertencentes ao Grupo BertrandCírculo, a Temas e Debates, no primeiro trimestre de 2019, irá ter o selo em vários livros de temáticas tão ricas quanto distintas, que vão desde a filosofia à economia, à sociologia, à psicologia, desde a história até à literatura, levando até aos seus leitores tanto sucessos internacionais como obras de autores de renome da língua portuguesa. 

O primeiro livro da Temas e Debates a chegar às livrarias este ano é o Os Leitores Perguntam, Padre António Vieira Responde. Com este livro está compilado o essencial do seu pensamento universalista, que as ajudará a responderem aos desafios da atualidade. Ainda em Janeiro sai Carlota Joaquina e Leopoldina de Habsburgo: Rainhas de Portugal no Novo Mundo, da autoria de António Ventura e Maria de Lourdes Viana Lyra.
O mês de Fevereiro não podia começar de forma melhor: Nélida Piñon, uma das mais importantes escritoras da língua portuguesa, traz-nos Uma Furtiva Lágrima, um livro de memórias com uma escrita luminosa. Factfulness é outra das novidades do início do mês. O livro, da autoria de Hans Rosling, explica as dez razões pelas quais estamos enganados acerca do mundo - e porque é que o mundo está melhor do que pensamos. Para Bill Gates, este é um dos livros mais importantes que já leu. Na mesma altura chega às livrarias Para Que Serve a Filosofia?, um livro de Mary Midgley, que responde a esta e outras perguntas provocadoras, nas suas mais variadas formas de ansiedades intelectuais e confusões, ensinando-nos como lidar com elas. O segundo mês do ano encerra com Talento Rebelde, de Francesca Gino, um livro imprescindível para as lideranças, onde a autora apresenta no livro diferentes estratégias para o uso dos mencionados ingredientes, não sendo necessário começar tudo de novo, é importante introduzir mudanças simples e deixar que a curiosidade seja um motor de mudança.
Já em Março, a grande especialista e super-estrela da economia Mariana Mazzucato traz-nos o livro O Valor de Tudo. No ano em que se celebra o quinto centenário da viagem de circum-navegação e a chegada do Homem à Lua, eis que chega às livrarias portuguesas Diário de Fernão de Magalhães, do antropólogo e historiador José Manuel de la Fuente. Em Breve História da Ideologia Ocidental, Rolf Petri criou um variado registo temático de assuntos que incluem religião, colonialismo, raça e género, essenciais à compreensão do mundo contemporâneo. Neste livro revela aos leitores como a linguagem política do quotidiano está carregada de representações ideológicas do mundo e explica isso numa abordagem narrativa de grande simplicidade.
Para encerrar o terceiro mês do ano, o historiador Diogo Ramada Curto traz-nos História, Arte e Literatura, um livro composto por uma seleção de notas e ensaios de história cultural escritos na última meia dúzia de anos. 

Novas biografias de rainhas portuguesas

D. Beatriz de Portugal (1504-1538) - A Infanta esquecida
de Ana Isabel Buescu

Quem foi Beatriz de Sabóia, a infanta esquecida?
A historiadora Ana Isabel Buescu traça o retrato da terceira filha do rei D. Manuel I e de D. Maria, nascida em 31 de Dezembro de 1504, em Lisboa. Cresceu na opulência da corte do pai. o seu nome rapidamente entra no mercado de casamentos das cortes europeias. a proposta de união com Beatriz partiu do duque de Sabóia, Carlos II, que vivendo sob a ameaça francesa e com graves dificuldades financeiras pretendia, com esta aliança matrimonial, o apoio do rico e prestigiado rei português.

Carlota Joaquina e Leopoldina de Habsburgo
de António Ventura e Maria de Lourdes Viana Lyra

Em 1807, perante a invasão de Portugal pelas tropas napoleónicas, a corte transferiu-se para o Brasil. D. Carlota Joaquina, mulher do príncipe regente, o futuro D. João VI, tornar-se-ia rainha de Portugal já no Novo Mundo, destino que seria partilhado com a sua futura nora, D. Leopoldina de Habsburgo, mulher de D. Pedro IV, imperatriz do Brasil e rainha de Portugal.
Carlota Joaquina (1775-1830) é talvez a mais controversa rainha de Portugal. A imagem negativa que dela ficou construiu-se em torno do seu aspeto físico, longe da harmonia e da beleza desejáveis numa princesa, e das suas características morais, sendo acusada de ambição política desmedida, de dissimulação e de traição. Carlota Joaquina manobrou habilmente nos meandros políticos peninsulares e americanos, sempre descontente com a sua situação de consorte. Acompanhou a corte na deslocação para o Brasil, onde foi motivo de embaraços diplomáticos, e, de regresso a Lisboa em 1821, assumiu posições polémicas ao rejeitar a Constituição, convertendo-se num polo aglutinador das forças antiliberais.
Leopoldina de Habsburgo nasceu em Viena, em 1797. Aos 20 anos atravessou o oceano para viver no Brasil, então sede do Reino Unido luso-brasileiro, consciente da missão que lhe cabia ao casar com o príncipe herdeiro do trono português, D. Pedro, seguindo a estratégia traçada pelas casas de Bragança e de Habsburgo, com vista à consolidação do governo monárquico absolutista na América e o seu consequente revigoramento na Europa. Cultivadora das artes e do conhecimento científico, mulher erudita e apaixonada, agente expoente na criação do Império do Brasil, faleceu ainda jovem, aos 29 anos, deixando cinco filhos pequenos, entre eles: a rainha de Portugal, D. Maria II, e o segundo imperador do Brasil, D. Pedro II.

domingo, 30 de dezembro de 2018

Próximos lançamentos da Saída de Emergência

Os Julgamentos de Nuremberga, de Michal Bernard
O mais importante processo penal da História.
Os Julgamentos de Nuremberga foram o mais importante processo internacional de todos os tempos. Tiveram início a 20 de novembro de 1945 e marcaram definitivamente o fim da Segunda Guerra Mundial. Os «crimes contra a Humanidade» ganharam novos contornos ao responsabilizar‑se não só quem os praticou mas também aqueles que, pelos seus conselhos e influência, contribuíram para o deflagrar da guerra. Os alvos eram as mais altas personalidades do Terceiro Reich, civis e militares: Goering, Hess, Ribbentrop, Keitel ou Rosenberg. Hitler foi o grande ausente.
Como se chegou a semelhante processo? Teriam os Aliados o direito de se arvorarem em juízes e carrascos de um país e de um regime vencidos? Seria o processo legítimo? E se a guerra tivesse sido ganha pelos nazis, teria o mundo assistido a um «Nuremberga» ao contrário? Estas são algumas das questões a que este livro procura dar resposta.
Speer, um dos réus, declarará, ao reconhecer a culpabilidade do regime de Hitler: «Este processo é necessário. Mesmo sob uma ditadura, crimes tão abomináveis exigem uma responsabilidade comum. Seria uma desculpa inadmissível pretender escondermo‑nos por detrás da obediência às ordens.»


Sangue de Portugal, de António da Costa Neves
Romance que retrata a Guerra Civil que marcou a História de Portugal.
Em 1828 teve início um dos conflitos mais sanguinários da História de Portugal. Opondo os absolutistas de D. Miguel aos liberais de D. Pedro, esta guerra civil arrastou-se por seis anos e dividiu o país, virando pais contra filhos e irmãos contra irmãos.
Sangue de Portugal é uma saga complexa e vibrante que acompanha o percurso sinuoso de Carlos Boavida, um jovem liberal que aspira a um Portugal mais moderno, e cujos companheiros de batalha incluem nomes como Almeida Garrett e Alexandre Herculano. No campo oposto acompanha uma galeria impressionante de miguelistas, como o capitão- -mor Tomás Alcaide, homem de ambição desmedida e crueldade ímpar.
António da Costa Neves oferece-nos um verdadeiro épico sobre a História de Portugal, onde vivemos todos os momentos fulcrais da guerra e seguimos muitas outras personagens extraídas do povo miserável, da aristocracia corrupta e da poderosa burguesia, enquanto enfrentam os problemas próprios da sua condição e da realidade de um Portugal dividido, falido e em guerra.


A Odisseia do Espírito Santo, de António Breda Carvalho
Em 1758, João Pinto, lavrador letrado e curandeiro de S. Martinho de Vale de Bouro, concelho de Mondim de Basto, viajou para Vilarinho, lugar do mesmo concelho. Aí, a pedido de um seu moço de lavoura, deslocou-se a casa de Maria José, mulher que dizia estar possuída por um espírito.
É este o ponto de partida para a criação de uma heterodoxa congregação do Espírito Santo. O apostolado do lavrador João Pinto foi protagonista de ações heréticas que abalaram o concelho de Mondim de Basto. Terminou em 1759, com a intervenção do Santo Ofício.
A Odisseia do Espírito Santo foi a obra vencedora do V Prémio Literário Carlos de Oliveira e o júri fundamenta a sua decisão no facto de o livro possuir «um original dispositivo narrativo que faz com que a história seja contada na primeira pessoa alternadamente por todas as personagens, pela capacidade de efabulação e pela riqueza da linguagem, que oscila entre a reconstituição do léxico do século XVIII e o dos nossos dias».

«A Última Ceia», o novo tríler de Nuno Nepomuceno

A Cultura Editora publica na terceira semana de Janeiro A Última Ceia, o novo livro de Nuno Nepomuceno.

Sinopse
Uma nota enigmática é encontrada junto à moldura vazia de um quadro famoso. O ladrão deixou um recado. Promete repetir a façanha um ano depois.
De visita à igreja de Santa Maria delle Grazie em Milão, uma jovem mulher apaixona-se por um carismático milionário. Mas, quando alguns meses depois, é abordada por um antigo professor, Sofia é colocada inesperadamente perante um dilema. Deverá denunciar o homem com quem vai casar-se, ou permitir tornar-se cúmplice deste ladrão de arte irresistível?
Enquanto a intimidade entre o casal aumenta, um jogo de morte, do gato e do rato, começa. E aquilo que ao início aparentava ser um conto de fadas, transforma-se rapidamente num pesadelo, ao mesmo tempo que um plano ousado e meticuloso é urdido para roubar a obra-prima de Leonardo da Vinci.

Requintado, intimista, inspirado em acontecimentos verídicos, A Última Ceia transporta-nos até ao enigmático mundo da arte. Passado entre Londres e Milão, habitado por uma coleção extraordinária de personagens, para as quais a ambição e fama se sobrepõem a qualquer outro valor, este é um thriller sofisticado de leitura compulsiva.

Excerto
«O incidente ocorreu a meio da noite. A escuridão há muito que abraçara a vila, deslizando suavemente do cume das montanhas, tingindo-a com pinceladas lúgubres, como um quadro soturno. Uma chuva ténue caía amiúde, humedecendo as ruas e os telhados. Eram as derradeiras carícias antes da chegada do mal, um último adeus pleno de ternura de uma mãe que se despedia de um filho a quem fora vaticinado o infortúnio de ir combater para a guerra. E foi então que aconteceu. O som.
A signora Benedetta estremeceu e sentou-se na cama. O coração corria em sobressalto, aprisionado no peito, algo que ela não compreendeu. Sonhava o mais belo dos sonhos. Um campo amplo estendia-se até ao horizonte. Um manto cor de índigo rodeava-a.
As coroas azuis resplandeciam, luminosas, sob o Sol ardente. Eram flores da paixão, as suas preferidas. Jacopo, o marido, acordou, abanado pelas mãos trémulas da mulher. Estremunhado, voltou-se. O rosto preocupado de Benedetta fitava-o, colado ao seu, emoldurado pelo cabelo grisalho em desalinho.
— Cosa sta sucedendo?
— Il telefono!
Era esse o motivo de tamanha comoção. A campainha do telefone tocava sem parar como um fantasma imóvel no meio do quarto que urgia por atenção.»