sexta-feira, 27 de janeiro de 2023

O livro de Chico Xavier que se tornou um clássico da literatura espírita brasileira


Nosso Lar
é uma obra psicografada, uma narrativa vibrante que conquistou milhares de leitores. Este livro é o mais popular de Chico Xavier, médium, filantropo e um dos expoentes máximos do espiritismo brasileiro. A obra já vendeu mais de 2 milhões de exemplares e teve adaptações para filme e telenovela.

Nosso Lar, o primeiro dos treze livros da série espírita 'A Vida no Mundo Espiritual', também conhecida como série 'Nosso Lar', é publicado hoje pela Albatroz, uma chancela do grupo Porto Editora.

Sinopse
Após desencarnar, o médico André Luiz desperta num ambiente sombrio e desconhecido. Algum tempo depois é transportado até à colónia espiritual Nosso Lar, um lugar que nunca pensou que existisse e que, ao mesmo tempo, lhe parece tão semelhante à Terra. É nesta região de cura, aprendizagem e constante movimento que André Luiz compreende que há uma realidade à nossa espera após a morte, uma nova forma de viver que representa apenas o início da jornada.

Outro livro que pode interessar: O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2023

Livro de gestão «Investe no que te faz feliz» já està à venda

Derek Sivers
, nascido na Califórnia e actualmente a viver na Nova Zelândia, fundou uma empresa do zero, a CD Baby, tornou-a na maior distribuidora online de música independente, vendeu-a por 22 milhões de dólares e doou-os por completo a um fundo que financia educação musical a jovens desfavorecidos. Em Investe no que te faz feliz explora a sua jornada, os erros que cometeu e as lições aprendidas ao longo do processo. O livro -
cujos direitos serão integralmente doados à Refood Portugal - chega hoje às livrarias numa edição da Ideias de Ler.


«Derek partilha alguns dos princípios (e antiprincípios) que aprendeu e aplicou no seu trajeto enquanto empreendedor acidental, em que fez crescer um negócio sem vender a alma.» Todd Henry, autor de Die Empty

quarta-feira, 25 de janeiro de 2023

Alguns lançamentos de Janeiro a cargo das Edições Sílabo

As Outras Razões
Como a evolução dá sentido àquilo que fazemos
de Paulo Finuras

Em As Outras Razões confrontam-se alguns dos «motivos ocultos» do comportamento humano, nomeadamente, por que razão há mais homens humoristas e mais escritores do que escritoras? Porque é que os olhos não servem só para ver? Porque é que os homens dominam as posições de Liderança e de Poder? Porque é que a corrupção é tão persistente e difícil de combater nas sociedades? Por que razão amamos e fazemos guerras? Quem é mais infiel, os homens ou as mulheres? O que é que os homens e os pavões têm em comum? Depois de conhecer As Outras Razões, o leitor poderá não olhar para si próprio ou para o mundo da mesma forma. Porém, não ficará dececionado com a natureza humana. É que as razões que as pessoas invocam para justificar o que fazem, e porque o fazem, sejam (mesmo) essas ou «as outras», importam menos do que aquilo que resulta delas. Um livro provocador, e invulgar de sociobiologia e psicologia evolucionista que procura desvendar e interpretar aquilo de que não se fala habitualmente e se desconhece, mas que dá sentido aos nossos comportamentos.

Do mesmo autor: Primatas Culturais: Evolução e Natureza Humana; Bioliderança: porque seguimos quem seguimos?; Da Natureza das Causas – Psicologia Evolucionista e Biopolítica; Human Affairs – Evolution & Behaviour.


Redes Sociais

Ilusão, obsessão e manipulação

de Joaquim Fialho

As redes sociais tornaram-se salas de convívio global. A amizade subjugou-se a relações algorítmicas e a vida em sociedade passou a ser mediada pela tecnologia. O corpo mercantilizou-se. O Instagram é uma montra de corpos perfeitos e esculpidos, sem espaço para rugas ou estrias. Os influencers tornaram-se arautos da propagação do consumo e da felicidade. Nas redes sociais, não há espaço para a tristeza. Os bancos do jardim, outrora espaços privilegiados para as relações amorosas, foram substituídos pelo Tinder. Os sites de encontros são o expoente de uma banalização e superficialidade de valores essenciais às relações humanas. As nudes são um sinal da promoção do corpo e da vulgarização do espaço privado.
Este livro convida o leitor para uma viagem pelas transformações nas relações de sociabilidade provocadas pela penetração das redes sociais nas nossas vidas. O autor analisa e foca-se nos novos padrões de comportamento que daí emergem: a ilusão da felicidade, a obsessão por estar ligado e a ligeireza como somos manipulados pelos gigantes tecnológicos.
Nas páginas do livro que tem nas mãos é-lhe apresentada uma visão crítica sobre a ilusão, obsessão e manipulação que ocorre no mundo das redes sociais.

Do mesmo autor: Redes Sociais. Como compreendê-las?; Diagnóstico Social. Teoria, metodologia e casos práticos; Prospetiva estratégica. Teoria, métodos e casos reais; Redes sociais - Para uma compreensão multidisciplinar da sociedade.

Biografia do fundador do Opus Dei é uma das novas publicações da Paulus Editora


Além de A Catedral, de Manuel Ribeiro, é uma das novidades da Paulus Editora para este mês
O Santo do dia a dia, a biografia do fundador do Opus Dei.

Sinopse
Esta terceira edição da biografia de São Josemaria Escrivá, do padre Hugo de Azevedo, é de uma riqueza ímpar. Em comparação com outras obras, é breve, mas sem dúvida alguma de uma profundidade e relevância únicas, pois permite ao leitor a apreensão rápida da personalidade humana e espiritual do Fundador do Opus Dei, bem como o conhecimento da sua mensagem e herança carismática para a Igreja. Além desta riqueza, O Santo do dia a dia tem uma particular atenção às estadias de São Josemaria em Portugal.

«Poder-se-ia dizer que São Josemaria foi o santo do dia a dia. Com efeito, ele estava convencido de que, para quem vive segundo uma perspetiva de fé, tudo é ocasião de encontro com Deus, tudo se torna estímulo à oração. Considerada assim, a vida quotidiana revela uma grandeza insuspeitável. A santidade coloca- -se verdadeiramente ao alcance de todos».
São João Paulo II, aos peregrinos vindos a Roma para a canonização de São Josemaria Escrivá, 7 de outubro de 2002

Os livros de Fevereiro do Grupo Almedina

Conhece as novidades do Grupo Almedina - Edições 70, Minotauro e Actual - que serão editadas ao longo do mês de Fevereiro.

Como Organizar uma Biblioteca, de Roberto Calasso
Aqueles que tentam pôr os seus livros em ordem devem ao mesmo tempo reconhecer e modificar uma boa parte da sua paisagem mental. Esta é uma tarefa delicada, cheia de surpresas e descobertas, mas sem uma solução (trata-se, como sublinhado nesta obra, de «um tema altamente metafísico»). Vários tentativas são aqui relatadas, misturadas com fragmentos de uma autobiografia involuntária do autor, mítico editor da Adelphi.

Alguns Problemas de Filosofia, de William James
Única obra filosófica que William James elaborou em forma de ensaio monográfico.
Autor fundamental do pensamento norte-americano, introdutor da Psicologia nos EUA.

História do Japão, de Kenneth G. Henshall
Um livro extraordinário e apelativo para académicos, especialistas e simples curiosos sobre um país que viveu isolado durante séculos, foi praticamente aniquilado e é hoje uma potência planetária.

Os Desertores, de Augusto Abelaira
Neste segundo romance, Abelaira mostra-nos as vidas e aventuras de um grupo de jovens amigos que entre as preocupações quotidianas e a inquietação da procura da felicidade e do amor acabam por desertar, isto é, por se render à rotina, desistir das suas expectativas iniciais ou conformar-se com o status quo.

Como Vivemos e Porque Morremos, de Lewis Wolpert
Uma obra incontornável, é simultaneamente um guia acessível para compreender o corpo humano e uma meditação profundamente reverente sobre a própria vida.

O Fogo da Liberdade, de Wolfram Eilenberger
Filosofia perante a catástrofe. - A história de quatro filósofas singulares - quatro mulheres indomáveis que eram, ao mesmo tempo, refugiadas e combatentes da resistência -, cada um apresentando uma visão particular de uma sociedade livre e aberta numa época de autoritarismo e guerra. Simone de Beauvoir, Hannah Arendt, Simone Weil e Ayn Rand - lançam as bases para uma sociedade verdadeiramente livre e emancipada.


Os Gregos - Uma História Global, de Roderick Beaton
Como o historiador Roderick Beaton demonstra, ao longo de três milénios, os falantes de grego produziram uma série de civilizações com raízes no sudeste da Europa mas que, invariavelmente, se espalharam por todo o globo. Esta é a história dos Gregos e do seu impacto global como nunca antes foi contada.

Do Contrato Social, de Jean-Jacques Rousseau
Um dos textos mais importantes da teoria política. Nesta obra, Rousseau examina as relações complexas entre os indivíduos e o Estado, e defende que o povo deve formar uma sociedade baseada num acordo mútuo no que respeita aos direitos e responsabilidades dos cidadãos. Só assim seria possível criar uma sociedade em que todos os indivíduos fossem livres e iguais.

Tsunami - Trump, Trumpismo e a Europa, de Vasco Rato
Numa reflexão sobre a figura e a presidência que desempenhou, Vasco Rato traça os meandros republicanos, e os temores democratas, na vertigem de mais uma campanha Trump para a Presidência dos Estados Unidos, não descurando as implicações que terá na Europa e na China.


Beleza Negra, de Anna Sewell
Clássico da literatura juvenil. Uma das primeiras obras de sempre a denunciar os maus tratos a animais. Foi originalmente escrita para incutir compreensão e bondade às pessoas que lidam com cavalos.

A História dos Caçadores de Tesouros, de Edith Nesbit
Os seis filhos dos Bastable são aventureiros ambiciosos, detetives, exploradores e caçadores de tesouros intrépidos por natureza. Infelizmente, a família Bastable enfrenta um futuro financeiro incerto. Quando o pai fica doente e os negócios vão de mal a pior, os seis filhos unem-se para restaurar a riqueza da família. Embora planeiem algumas escapadas engenhosas, os seus esforços geralmente são infrutíferos, mas divertidos - e às vezes francamente perigosos. Mas um dia a aventura leva-os a resultados completamente inesperados.

Clássico da Literatura Espiritual Portuguesa, «A Catedral», regressa de novo às livrarias


Paulus Editora publica A Catedral, o primeiro livro, editado em 1920, da denominada trilogia social que o escritor e poeta Manuel Ribeiro (1878-1941) escreveu depois da sua alteração radical de percurso pessoal e literário.
Manuel Ribeiro foi uma figura política de relevo na Primeira República Portuguesa. Ficou conhecido na história de Portugal pelo seu papel enquanto fundador da primeira organização bolchevista em Portugal (Federação Maximalista Portuguesa), assim como, enquanto dinamizador da fundação do PCP.

Sinopse
A acção passa-se em 1919, ano em que se restaura e renova a Sé de Lisboa, representando, com o autor, um movimento de «construtores» de catedrais simbólicas. Teve várias edições, sendo Manuel Ribeiro considerado o autor mais vendido nos anos 20 do século passado em Portugal. Terão sido, ao longo das décadas, e num Portugal marcado pelo analfabetismo, mais de 20.000 exemplares vendidos, entre edições para livraria ou edições especiais.
Manuel Ribeiro foi uma figura política de relevo, mas abraçou a partir do fim da segunda década do século XX o ideário católico, afastando-se totalmente das ideias revolucionárias. Foi editor (na Guimarães) e conservador da Torre do Tombo, onde se dedicou ao estudo da Soror Mariana Alcoforado.

«A obra de Manuel Ribeiro é o testemunho literário de um percurso pessoal que parte de uma posição anarco-sindicalista até chegar ao cristianismo.» José Alberto Ribeiro

Outra novidade da editora: O Santo do dia a dia, de Pe. Hugo de Azevedo.

terça-feira, 24 de janeiro de 2023

Clube do Autor publica «Retrato de Uma Senhora», o majestoso romance de Henry James

«Uma obra magistral que vinga, através da protagonista, todas as mulheres do mundo. (…) Nada falta a este romance.» Rita Ferro

Da coleção 'Os Livros da Minha Vida', é editado pelo Clube do Autor Retrato de Uma Senhora, «um romance inesquecível sobre a independência feminina que integra as grandes seleções de obras a não perder.» Esta obra, «o romance que mudou a literatura», segundo o The Guardian, publicada originalmente em 1881, já foi adaptada para filme várias vezes, sendo o mais conhecido o filme homónimo de 1996, com realização de Jane Campion e interpretação de Nicole Kidman (como Isabel Archer).
Desta coleção fazem parte obras intemporais da Literatura como Terra Abençoada, de Pearl S. Buck, e Madame Bovary, de Gustave Flaubert.

Texto sinóptico
Henry James revela magistralmente nesta obra a subtil tragédia da inocência perdida e dos sonhos desfeitos. O autor constrói sua história como um jogo em que cada coisa se converte no seu oposto: liberdade em destino, afeto em traição, pureza em astúcia e vice versa.
Isabel Archer é uma jovem independente que renuncia ao casamento para experimentar tudo o que a vida tem para lhe oferecer. No entanto, acaba por se casar com com um homem cujas manipulações quase lhe destroem a vida e o espírito de Isabel. A sua esperança é escapar se antes que seja tarde demais.

Henry James (1843-1916) foi um dos mais reconhecidos autores de finais do século XIX e princípios do século XX. Das suas inúmeras obras constam Retrato de Uma Senhora, Fera na Selva, Daisy Miller, Washington Square, O Aperto do Parafuso, Diário de um homem de 50 anos, entre muitas outras.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2023

Presença lança «Entender a China», da autoria de Giada Messetti

Que país é a China?
Todos temos uma ideia formada sobre o papel que desempenha na geopolítica e na economia global. Mas estará essa imagem realmente assente na realidade?
Quanto do que pensamos saber estará deturpado ou condicionado pela nossa visão ocidental?
No livro Entender a China, a jornalista e sinóloga italiana Giada Messetti dá-nos um retrato real do país e dos seus traços fundamentais, desenhando um mapa - político, cultural, económico e social, em amplo sentido - da China atual.

Outro livro, de fição, que pode interessar: A Mulher do Dragão Vermelho.

Livro para colorir, acompanhado de inspiradoras frases sobre mindfulness

Um Ano de Mindfulness, com ilustrações de Manel Cruz, foi pensado para a prática de mindfulness ao longo das 52 semanas, como forma de combater o stresse. Publicado pela Arteplural, este livro chega às livrarias no dia 2 de Fevereiro. Contém ilustrações originais para colorir, acompanhadas de inspiradoras frases sobre mindfulness.

Há quanto tempo não faz uma pausa a sério?

O nosso dia a dia é marcado pelo stresse e pela falta de tempo. Temos dias de trabalho cada vez mais longos e, mesmo no tempo livre, estamos constantemente a olhar para ecrãs - por exemplo, a verificar emails de trabalho ou embrenhados nas redes sociais. Ao mesmo tempo, a vida familiar é cada vez mais desgastante: as crianças têm jornadas escolares cada vez mais intensas, com atividades extracurriculares que exigem aos pais uma logística desgastante. Até em viagem ou de férias, quantas vezes não vamos só ver o email? Ou, mesmo num cenário paradisíaco, quem não fica de olhos presos no feed de notícias? E quando é que nos conseguimos desligar de todo esse ruído mental?
O grande problema de estarmos constantemente atarefados é que a nossa capacidade de atenção e de concentração é forçada até ao limite - e, muitas vezes, para além dele. Estudos recentes nas áreas da psicologia e da neurociência sugerem que o uso constante das tecnologias digitais provoca alterações estruturais e funcionais nas regiões do cérebro relacionadas com o processamento da informação emocional, da atenção executiva, da capacidade de decisão e do controlo cognitivo.

sábado, 21 de janeiro de 2023

«Os Meus Dias na Livraria Morisaki», o novo fenómeno literário japonês


Satoshi Yagisawa nasceu no Japão, em 1977. O seu romance de estreia ganhou o Prémio Literário Chiyoda, tornou-se um bestseller e foi adaptado ao cinema. Agora,
Os Meus Dias na Livraria Morisaki é também um dos títulos mais vendidos fora do Japão, estando a sua publicação já confirmada em mais de 20 países. O livro chega a Portugal através da Editorial Presença.

Texto sinóptico
Esta é uma história em que a magia dos livros, a paixão pelas coisas simples e belas e a elegância japonesa se unem para nos tocar a alma e o coração.
Estamos em Jimbocho, o bairro das livrarias de Tóquio, um paraíso para leitores. Aqui, o tempo não se mede da mesma maneira e a tranquilidade contrasta com o bulício do metro, ali ao lado, e com os desmesurados prédios modernos que traçam linhas retas no céu.
Mas há quem não conheça este bairro. Takako, uma rapariga de 25 anos, com uma existência um pouco cinzenta, sabe onde fica, mas raramente vem aqui. Porém, é em Jimbocho que fica a livraria Morisaki, que está na família há três gerações: um espaço pequenino, num antigo prédio de madeira. Estamos assim apresentados ao reino de Satoru, o excêntrico tio de Takako. Satoru é o oposto de Takako, que, desde que o rapaz por quem estava apaixonada lhe disse que iria casar com outra pessoa, não sai de casa.
É então que o tio lhe oferece o primeiro andar da Morisaki para morar. Takako, que lê tão pouco, vê-se de repente a viver entre periclitantes pilhas de livros, a ter de falar com clientes que lhe fazem perguntas insólitas. Entre conversas cada vez mais apaixonadas sobre literatura, um encontro num café com um rapaz tão estranho quanto tímido e inesperadas revelações sobre a história de amor de Satoru, aos poucos, Takako descobre uma forma de falar e de estar com os outros que começa nos livros para chegar ao coração. Uma forma de viver mais pura, autêntica e profundamente íntima, que deixa para trás os medos do confronto e da desilusão.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2023

Quetzal publica romance «Espanto e Encantamento», de Pablo d’Ors

Do mesmo autor de Sendino Está a Morrer, A Biografia do Silêncio e O Amigo do Deserto, chega a Portugal a 2 de Fevereiro, com tradução de Cristina Rodriguez e Artur Guerra, o romance Espanto e Encantamento, uma obra que nos convoca para apreciar «o poder do diminuto, do pequeno, do pormenor, na busca da plenitude e da iluminação.»

Sinopse
Alois Vogel trabalha como vigilante do Museu dos Expressionistas de Coblença, a cidade em que nasceu. Depois de 25 anos como funcionário, começa a escrever as suas memórias: o relato de uma vida aparentemente monótona e insignificante, mas de uma intensidade assombrosa. Nessas memórias fala sobre os visitantes do museu e as vidas que lhes inventa, sobre os colegas, os mestres do expressionismo, a cerveja - e a solidão.
As confissões de Alois Vogel - tão maníaco quanto terno, e cujo olhar é de uma candura desarmante - levam-nos a descobrir o poder do diminuto, do pequeno, do pormenor e da observação. Através de uma personagem singular e anónima, Pablo d’Ors fala da busca da plenitude e do simples, e dos labirintos da mente que procura iluminação.

João Luís Barreto Guimarães e Ivo Machado têm novos livros de Poesia

Aberto Todos os Dias
é o título do novo livro de uma das mais aclamadas vozes da poesia portuguesa, agora distinguido com o Prémio Pessoa 2022. Publicada em várias línguas (do espanhol ao inglês, do croata ao polaco e ao italiano), a obra de João Luís Barreto Guimarães oscila, de um lado sobre a melancolia; do outro, com a ironia - como os grandes poetas da tradição europeia, sem ficar preso às fronteiras de uma lírica confessional. Edição Quetzal Editores.

Um novo título integra a coleção de Poesia da editora Guerra & Paz. O que é essencial ao ser humano? É esta inquietante interrogação que nos traz Miseriae, o novo livro de Ivo Machado, poeta açoriano traduzido para espanhol, italiano, bósnio, alemão, inglês, húngaro, letão e eslovaco. Escrita numa linguagem do quotidiano que tem como selo a origem do autor, esta obra apresenta-nos um olhar sobre a vida, o presente e o confronto entre a palavra e o silêncio. Prefaciada pelo escritor Mário Cláudio, Miseriae contém quarenta e um poemas.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2023

Gradiva publica a 24 deste mês a obra «Galileu em Pádua»

O professor de Física Experimental em Pádua e em Lisboa, Alessandro De Angelis, projetou e realizou algumas das experiências mais importantes para o estudo dos raios cósmicos. É autor de vários ensaios. Um novo livro seu será publicado pela Gradiva no final deste mês: Galileu em Pádua.


Quando, aos 28 anos, Galileu Galilei obtém a prestigiante cátedra de Matemática da Universidade de Pádua, tem tanta fama de cientista genial como de pessoa conflituosa. Não se licenciou, bebe demasiado, frequenta bordéis; um pequeno poema grosseiro contra os professores custou-lhe a renovação do contrato em Pisa, enquanto em Bolonha mentiu sobre o seu currículo. E, no entanto - sem descuidar os prazeres da vida, que adorará partilhar com o amigo Sagredo -, em Pádua, Galileu fará a sua entrada no
milieu da cultura e da política mundial; verá nascer os seus três filhos; e apontará o cannocchiale para o céu nas suas primeiras observações, que mudarão a história do mundo.
Alessandro De Angelis revela um Galileu pouco conhecido, imperfeito, memorável, num livro que, assentando numa rigorosa pesquisa história, joga com os mundos da ficção e da não ficção e narra os dezoito anos desregrados e tempestuosos que Galileu definirá como «os melhores da minha vida».

terça-feira, 17 de janeiro de 2023

Os novos tríleres de Javier Castillo e Robert Bryndza


O Dia em Que Perdemos a Cabeça marcou a estreia auspiciosa do espanhol Javier Castillo na literatura de suspense. O segundo livro, O dia em Que Perdemos o Amor foi igualmente bem recebido pelo público e pela crítica. O autor regressa agora com A Menina de Neve, um jogo de espelhos obscuro, cuja adaptação para série estreia na Netflix no próximo dia 27.

Texto sinóptico
Nova Iorque, 1998. Kiera Templeton, de apenas 3 anos, desaparece no meio da multidão que se juntara para assistir ao desfile de Ação de Graças do Macy’s. Depois de uma frenética busca pela cidade, alguém encontra a roupa que usava, bem como algumas madeixas de cabelo.
Em 2003, no dia em que Kiera faria 8 anos, os seus pais, Aaron e Grace Templeton, recebem em casa uma encomenda com algo inesperado: uma cassete de vídeo VHS com uma gravação de apenas um minuto em que se pode ver Kiera a brincar num quarto desconhecido.
Miren Triggs, uma estudante de jornalismo da Universidade de Columbia, sente-se intrigada pelo caso e inicia uma investigação paralela que a leva a desenterrar aspetos do seu passado que já julgava esquecidos, e apercebe-se que a sua própria história, tal como a de Kiera, está repleta de incógnitas.



Robert Bryndza, o autor conhecido pelos seus tríleres atmosféricos e viciantes está de regresso com Silêncio Mortal. Este livro é o novo título da série de policiais baseada na protagonista Kate Marshall, uma ex-agente da polícia que agora trabalha como detetive privada.

Texto sinóptico
Uma criança de três anos foi deixada sozinha numa tenda.
Quando a mãe aparece, minutos depois, descobre que ela desapareceu.
O inferno começa. o que terá acontecido?
Kate Marshall é levada para as urgências do hospital depois de ser arrastada por uma corrente no mar. Durante a recuperação, Kate faz amizade com Jean, que lhe conta a história angustiante de como o neto de três anos desapareceu sem deixar rasto, durante um acampamento há onze anos.
Assim que se recompõe, Kate reabre aquele caso e depara-se com uma série de contradições nos relatos. Inicia então uma busca vertiginosa para perceber o que realmente aconteceu, numa luta definitiva contra todas as probabilidades.
Ao ler o processo, verifica que Jean tem um passado sombrio, que pode ter colocado Charlie em perigo. Além disso, descobre que a assistente social que investigava a criança foi encontrada brutalmente assassinada dias depois do desaparecimento de Charlie e que a filha de Jean - mãe da criança - acabou também por morrer.
O mistério adensa-se. A verdade esconde-se nas sombras. Kate questiona tudo o que pensava saber sobre aquela família. Conseguirá ela desvendar o caso e descobrir o que realmente se passou naquela noite? Conseguirá descobrir o que aconteceu à criança, tantos anos depois?

Estão quase a sair dois novíssimos romances de suspense


Lucy Foley estudou literatura inglesa e trabalhou durante anos no mercado editorial como editora de ficção, até se dedicar à escrita em tempo integral. A Última Festa é sua estreia na literatura de suspense, após a publicação de três romances históricos, que foram traduzidos para dezasseis idiomas. O seu novo livro, O Apartamento em Paris, chega às livrarias a 24 deste mês, com a chancela Planeta de Livros.

Sinopse
Um bonito prédio de apartamentos, nas ruelas de Montmartre. Um lugar de escadas sinuosas, portas fechadas e olhares atentos que espreitam de todas as janelas. Um lugar de morte. Um residente está desaparecido. E outro detém a chave do seu desaparecimento.
Jess precisa de começar do zero. Está sem dinheiro, sozinha, acabou de deixar o emprego, em circunstâncias pouco claras. Ben, o seu meio-irmão, não ficou muito contente quando ela lhe perguntou se podia ficar em sua casa por uns tempos, mas não foi capaz de lhe dizer que não. De certeza de que tudo ia correr bem.
Quando ela chega a Paris, descobre que o meio-irmão mora num apartamento, que ela nunca imaginaria que ele tivesse dinheiro para pagar. E, mais intrigante ainda: as chaves e a carteira de Ben estão lá, mas ele não.
Os dias passam, Ben continua desaparecido e as questões acerca da sua vida começam a surgir na cabeça de Jess. Os vizinhos são um grupo eclético e não muito simpático. A socialite, o tipo porreiro, o alcoólico, a porteira. Jess não sabe em quem confiar. Todos são vizinhos. Todos são suspeitos. E todos sabem algo que não estão a contar.


Alex Finlay estreou-se com O Pior dos Nossos Medos, um dos livros mais aguardados do ano. O autor é advogado em Washington. O Pior dos Nossos Medos -  a publicar pela Editorial Presença na primeira semana de Fevereiro - está sendo adaptado, estreando brevemente em série de televisão.

Sinopse
Se a família deve estar perto de nós… Os inimigos devem estar ainda mais.
A noite foi de festa para Matt, um estudante universitário, mas, quando regressa ao seu quarto, dão-lhe a pior notícia da sua vida: quase toda a sua família - mãe, pai, irmão mais novo e irmã - foi encontrada morta no apartamento em que passava férias, no México.
A causa da morte parece ter sido uma fuga de gás e a polícia mexicana determina que se tratou de um acidente, mas o FBI e o Ministério dos Negócios Estrangeiros norte-americano não têm assim tanta certeza… e não dizem a Matt porque acham isso.
A tragédia é notícia em todo o lado, e não é a primeira vez que a família Pine faz manchetes. O irmão mais velho de Matt, Danny - a cumprir pena de prisão perpétua por ter matado a namorada adolescente, Charlotte -, tinha sido o protagonista de um documentário que se tornou viral, defendendo a tese de que Danny teria sido condenado injustamente.
Apesar de o país inteiro ter ficado ao lado de Danny, Matt guarda um segredo que nunca contou a ninguém: na noite em que Charlotte foi morta, Matt viu algo que o leva a acreditar que Danny é mesmo culpado.
À medida que a morte da família parece mais e mais suspeita e surge ligada ao caso de Danny, Matt sente que tem de desvendar a verdade por detrás de tudo aquilo, mesmo que, para isso, tenha de pôr a sua própria vida em risco. Mesmo que, para isso, tenha de enfrentar o pior dos seus medos.