quarta-feira, 12 de junho de 2024

O novo livro de Peter Wohlleben, autor do best-seller «A Vida Secreta das Árvores»


O fascinante novo livro do silvicultor e ecologista alemão Peter Wohlleben, autor de A Vida Secreta das Árvores e de A Vida Secreta dos Animais, chega a 20 deste mês às livrarias, numa tradução assinada por Margarida Pacheco Nunes.


Sinopse
Seremos nós a controlar as nossas vidas - ou será que, como todos os outros animais, somos guiados pelos nossos instintos? Esta parece ser a hipótese mais válida, pois, incapazes de projetar o futuro a longo prazo, tratamos apenas das nossas necessidades mais imediatas, saqueando os recursos do planeta e avançando a passos largos para a extinção.
Peter Wohlleben oferece-nos uma perspetiva única sobre a verdadeira natureza humana. Através de surpreendentes comparações com os mundos da flora e da fauna, demonstra que o homem não é de todo o ápice da evolução, mas que temos ainda muito que evoluir. Só compreendendo a natureza humana e aceitando a influência tremenda que tem em nós, poderemos abrir novos caminhos, em direção a um futuro que valha a pena viver.

Excerto
«As questões relacionadas com a nossa natureza animal são cruciais na luta contra as alterações climáticas e a destruição do ambiente. Atualmente, estamos a tentar resolver todos os problemas prementes como se fôssemos superiores às outras espécies devido às nossas capacidades intelectuais. No entanto, quando nos apercebemos de que, em última análise, continuamos todos no mesmo barco, devemos pensar urgentemente noutras estratégias de solução.»

Também a 20 de Junho, será publicado, pela Temas e Debates, o livro Os Mentirosos da Natureza e a Natureza dos Mentirosos.

Como deixar de pensar demasiado (overthinking)?

Desatar o Nó é um livro indispensável para mergulharmos na nossa cabeça e voltarmos a viver em paz e harmonia. Este livro editado pela Manuscrito, foi escrito pela psicóloga Rita Selas, que diz que o overthinking é um padrão de preocupações excessivas acerca de uma ou várias situações, que nos transporta para uma prisão de pen­samentos repetitivos.
O livro inclui técnicas para os leitores colocarem em prática.


É o ato de pensar que nos torna humanos. Mas… há momentos em que já não aguentamos os nossos próprios pensamentos. Entramos em círculos viciosos de preocupações excessivas, que nos causam angústia, mal-estar e tristeza. Nós bem tentamos travar o ciclo, mas parece que as coisas só pioram! No final do dia, o nosso cérebro parece uma papa, e só queríamos que a nossa cabeça tivesse um botão para finalmente descansarmos um bocadinho.

Com a ajuda de divertidas ilustrações e uma linguagem descomplicada, a psicóloga Rita Selas mostra-nos, neste livro, como travar os pensamentos excessivos - sem chegar ao ponto de arrancar a cabeça. Depois de compreendermos o que é isso, afinal, de pensar, vamos perceber que os pensamentos não são pragmáticos e estão intimamente relacionados com as emoções. Assimilada a parte mais teórica, passamos para a prática, em que vamos, literalmente, pôr a mão nos pensamentos.

Outra obra publicada recentemente pela editora: As Sete Carruagens, de André Fernandes.

«Sunny 3», o novo título da novela gráfica de Taiyo Matsumoto

O novo volume da série de livros Sunny, de Taiyo Matsumoto, acaba de ser publicado pela editora Devir. Sunny 3 promete surpreender os fãs desta novela gráfica.

Sinopse
Na casa de Acolhimento Hoshinoko, um grupo heterogéneo de crianças enfrenta as inseguranças inerentes ao crescimento e ao facto de serem abandonadas ou órfãs.

A sua via de escape é a imaginação e Sunny, um carro velho que não funciona, mas consegue transportá-los para longe ou simplesmente proporcionar refúgio das dificuldades do dia a dia.
Conhece aqui os volumes anteriores.

terça-feira, 11 de junho de 2024

O autor de «A Paciente Silenciosa» regressa com um novo tríler de cortar a respiração

Sete amigos presos numa ilha. Um homicídio. Quem, de entre eles, será o assassino? Esta é a premissa do novo tríler de Alex Michaelides, a publicar a 19 de Junho.
Para Sophie Hannah (a escritora escolhida para dar nova vida a Hercule Poirot) este livro é «audacioso, sinuoso, convincente» e o melhor do autor.

Lembrar que o primeiro romance de Alex Michaelides, o sucesso de vendas internacional A Paciente Silenciosa (2019), cujos direitos foram comprados para 50 países, vendeu mais de 6 milhões de exemplares em todo o mundo e está a ser adaptado ao cinema, numa grande produção. O autor nascido no Chipre em 1977, que vive actualmente em Londres, publicou também, na Editorial Presença, As Musas (2022).
A Fúria (traduzido de The Fury por Maria Ferro) é tido como um dos tríleres mais viciantes do ano!

Texto sinóptico
Estamos numa pequena ilha grega, de acesso exclusivo. Uma das mulheres mais conhecidas do planeta, a ex-estrela de cinema Lana Farrar, convida um grupo de amigos para partilhar umas férias paradisíacas. Dias soalheiros, mar azul a perder de vista e a oportunidade perfeita para relaxar e estar com os amigos de sempre. Este plano tem tudo para correr bem, mas há segredos que teimam em vir à tona.
Longe das luzes da ribalta, fora das redes sociais, nada é o que parece. Quem é Lana? E os outros seis amigos? Mais importante: quem é o assassino? Seja quem for, uma coisa é­ certa: está neste grupo.

Elogios da imprensa internacional
«O narrador deste thriller é extraordinário: sinistro, e talvez não possamos confiar no que nos conta… , diferente de tudo o que já lemos.»
The Guardian

«Eletrizante, este livro deixa-nos em suspenso até ao fim. Imperdível.»
Daily Mail

«Com reviravoltas inesperadas e de uma inteligência perversa, este thriller agarra-nos logo na primeira página.»
The Observer

«A tensão que sentimos é gigante e só desaparece no grande momento da revelação final.»
Publishers Weekly

«A manipulação e a obsessão são quase palpáveis. Prepare-se para cair nas garras de um dos melhores autores de thrillers da atualidade.»
Booklist

domingo, 9 de junho de 2024

«A Morte de Ivan Ilitch», de Lev Tostói

Editora: Presença
Data de Publicação: Abril de 2024
N.º de Páginas: 112

Rússia. Década de 1880. Ivan Ilitch é um juiz conceituado que chega ao patamar cimeiro da hierarquia jurídica. A sua índole está em concordância com o que é esperado pela alta sociedade russa: inteligente, agradável e correcto. Tivera uma infância feliz, estudara Direito com dedicação e os seus colegas o denominavam um ser sociável e alegre. Depois que casara e tivera filhos, contudo, o seu ânimo desfalece pouco a pouco.
No plano profissional, era um homem ambicioso, todavia competente. Na esfera pessoal, com o desenrolar dos anos perdera a proximidade com os seus familiares; mesmo sendo uma figura prezada pela elite social, os seus consanguíneos não só evitavam encontrá-lo como nem se lembravam da sua existência.
Ivan era um esposo e pai respeitado, um juiz eficiente e um cidadão com um status quo invejável. Visto de fora era um exemplo a seguir e a idolatrar. Mas seria ele uma boa pessoa? Ao longo da sua vida, deixara-se levar de acordo com os padrões de uma sociedade sustentada pelas aparências. Este homem teve que ficar doente para perceber que toda a sua vida fora desperdiçada. Será perante a enfermidade e a mais voraz das solidões que este homem de 45 anos percebe que foram poucos os momentos da sua vida que tiveram realmente significado. Será ao mesmo tempo que sente dores no corpo que lhe pesa a dor mais profunda: a que lhe corrói a alma…
A Morte de Ivan Ilitch, obra publicada em 1886, quatro anos depois de Tolstói escrever Confissão, é uma novela que testemunha os últimos meses de vida do personagem-título. Curiosamente e inteligentemente, logo no primeiro capítulo, o escritor russo informa o leitor sobre os primeiros momentos após a morte do protagonista, para nas páginas seguintes contar o percurso de Ivan Ilitch até esse ‘destino’, que é o de todos nós.
Um texto ímpar sobre a temática da morte, condensado em pouquíssimas páginas, escrito por um dos maiores nomes da literatura universal, que deixa o leitor a reflectir sobre o que faz e leva nesta e desta vida.
Obra traduzida directamente do russo por Natália Vakhmistrova e José Augusto.

sexta-feira, 7 de junho de 2024

Novo livro da humorista «extremamente desagradável» Joana Marques

Depois do sucesso de Apontar é Feio, a Contraponto publica um novo livro da humorista Joana Marques, que lançou-se como coach desmotivacional em 2024, com o espetáculo Desconfia, no qual tentou ensinar as pessoas a não vencer na vida.
Elefante na Sala é uma espécie de resumo dos últimos dois anos, em Portugal e no mundo, dando destaque às ocorrências irrelevantes. Um compêndio de acontecimentos que não seriam memoráveis se não ficassem aqui eternizados.

quinta-feira, 6 de junho de 2024

O novo livro do psiquiatra João Carlos Melo


O psiquiatra e psicoterapeuta João Carlos Melo escreveu um novo livro, que será publicado no próximo dia 27. Lugares Escondidos da Mente é o quarto livro do especialista em Saúde Mental, após ter lançado em 2019 Nascemos Frágeis e Recebemos Ordens para Sermos Fortes, dois anos depois foi dado à estampa Reféns das Próprias Emoções (que António Coimbra de Matos elogiou como sendo «um vigoroso ensaio em busca do entendimento do amor-próprio.») e em 2022, o ensaio que aborda a solidão e a capacidade de estar só, Uma Luz na Noite Escura - todos chancelados pela Bertrand Editora.

Texto sinóptico
Todas as coisas, todos os comportamentos, todas as pessoas têm um outro lado. A outra face da moeda mostra-nos o que à primeira vista não se revela.

Não há masoquismo sem sadismo. Não existe uma mente desencarnada de um corpo. Por detrás dos nossos comportamentos, pensamentos e vontade, há uma força que nos comanda: o nosso Inconsciente.

Há outros lados, lugares escondidos da mente, que não vemos e dos quais não se costuma falar, como, por exemplo: numa psicoterapia, o que acontece na cabeça do terapeuta? De que modo os sentimentos, medos, angústias e inseguranças dos terapeutas condicionam a relação com os seus pacientes?

E também há a bondade e a maldade. Ninguém é completamente bom nem completamente mau. A nossa espécie contém em si a bondade e a maldade. Não é Deus nem o Diabo - somos nós; está tudo dentro de nós. Somos capazes do melhor e do pior. É esta a nossa natureza.

Na sua linguagem acessível e próxima do leitor, o psiquiatra João Carlos Melo aborda neste seu novo trabalho todos estes aspetos.

Com exemplos tomados da sua experiência clínica e de histórias de vida de figuras conhecidas, o autor fala-nos das motivações «invisíveis», escondidas por detrás de muitos comportamentos, abordando, por exemplo, a dicotomia entre a aparência tranquila e socialmente aceite dos psicopatas e as motivações por detrás da agressividade, do ódio ou de atitudes monstruosas.
Mas fala-nos também dos aspetos mais luminosos, e por vezes menos visíveis, como a bondade, a gratidão e o amor, que motivam muita da mais bela ação humana.

quarta-feira, 5 de junho de 2024

«À Descoberta das Ilhas Selvagens» é o título do novo livro de José Pedro Castanheira

Do autor do diário de bordo Volta aos Açores em 15 Dias (obra vencedora, em 2022, do Grande Prémio de Literatura de Viagens Maria Ondina Braga), chega agora às livrarias À Descoberta das Ilhas Selvagens. Esta obra chancelada pela Tinta-da-china, chega às livrarias a 20 deste mês.

Texto de apresentação
Os cinco marinheiros amadores, que já tinham ensaiado uma volta aos Açores em duas semanas, voltaram ao mar. Já não no veleiro Avanti, que se ficou pela marina da Horta, choroso de saudade e roído de inveja, mas num barco ainda mais pequeno, São Jorge de seu nome. Destino escolhido: a ilha da Madeira e territórios adjacentes. Objetivo último: alcançar as longínquas ilhas Selvagens, uma reserva natural que se situa muito mais próxima das Canárias do que da Madeira e que suscitou uma histórica disputa entre Portugal e Espanha. Uma viagem planeada ao milímetro para tentar escapar das arremetidas violentas das orcas que ao longo da costa ibérica brincam perigosamente com os lemes dos veleiros pequenos, mas que sucessivas e inesperadas intempéries obrigaram a reprogramar várias vezes. Este é o Diário de Bordo da incursão às quase desconhecidas Selvagens.

José Pedro Castanheira (n. 1952) é jornalista profissional desde 1974. Tem-se dedicado à grande reportagem e ao jornalismo de investigação, e ganhou alguns dos mais prestigiados galardões atribuídos em Portugal. É autor de diversos livros, entre os quais Jorge Sampaio: Uma biografia (2 vols., 2012/2017), A Queda de Salazar (com António Caeiro e Natal Vaz, 2018) e Olhe Que Não, Olhe Que Não! (com José Maria Brandão de Brito, 2020).

'Pela Sua Saúde - Atividade Física e Bem-Estar' é o título de uma nova série de livros

Nova coleção da Fundação Francisco Manuel dos Santos: Pela Sua Saúde - Atividade Física e Bem-Estar.

Esta coleção oferece informação acessível, objetiva e com bases científicas sobre o papel da atividade física, exercício e desporto na promoção da saúde física e mental e do desenvolvimento humano, ao longo do ciclo de vida. Aborda e contextualiza métodos e técnicas pare ser mais ativo e fornece dicas práticas, aplicadas a vários escalões etários, para um maior e melhor entendimento da importância da adoção de um estilo de vida mais ativo para a saúde individual e a saúde pública. A mensagem clara para cada leitor é que todos os passos contam e podem fazer a diferença na saúde, bem-estar e fruição plena da vida.


Movimento e Brincadeira nos Primeiros Anos de Vida
, de Rita Cordovil

Este livro destaca a importância de brincadeiras ativas e desafiantes para a saúde, o bem-estar, a aprendizagem e o desenvolvimento das crianças.
Destina-se a pais e educadores, mas também a responsáveis pelas cidades e espaços públicos, alertando para a diminuição drástica, nas últimas gerações, do movimento ao ar livre, bem como do tempo, espaço e autonomia das brincadeiras. Aponta causas e sugere intervenções possíveis, com bases científicas. Porque brincar é explorar, errar e aprender; em suma, crescer.


O Que É um Estilo de Vida Ativo?
, de Helena Santa Clara

Hoje tida como uma pandemia global, a inatividade física está entre as quatro principais causas de mortalidade prematura. Em contraponto, a evidência científica diz-nos que o aumento da prática regular de atividade física representa ganhos concretos para a saúde. Este livro repleto de informação, recomendações e dicas práticas explica-lhe o que se entende por estilo de vida ativo e convida-o a adotá-lo, como fonte quotidiana de saúde e felicidade.


Atividade Física na Pessoa Idosa
, de Fátima Baptista

Este livro irá permitir-lhe repensar o envelhecimento, desafiando estereótipos e celebrando a resiliência do corpo e da mente. A partir da exposição de conceitos, de uma abordagem holística, de exemplos reais e conselhos práticos, convida-o a verificar de que forma a atividade física pode ser vital para a transformação dos desafios da idade em oportunidades de crescimento e plenitude. Afinal, longevidade não significa apenas viver uma vida mais longa, mas também mais saudável, com um propósito, paixão e um vigor renovado.


Atividade Física e Saúde Mental
, de Adilson Marques

Este livro explica-lhe a relação entre saúde mental e atividade física, destacando os benefícios desta última enquanto prática gratuita e, em geral, sem efeitos secundários e sem provocar dependência. Contextualiza a atividade física entre outras formas preventivas e curativas e especifica os efeitos possíveis sobre várias perturbações mentais. Por fim, esclarece como é possível chegar a uma dose ótima de atividade física quando cada minuto e cada passo contam para a promoção da sua saúde mental.


Motivações Para uma Vida Ativa
, de Pedro Teixeira

Este é um manual imprescindível para que passe das intenções à ação quando se trata de incorporar qualquer tipo de atividade física no seu dia-a-dia. Com base nas ciências comportamentais, explica o papel, e as implicações, de vários tipos de motivação, apresenta em detalhe estratégicas e técnicas de mudança comportamental e sugere aplicações e dispositivos de monitorização.
Isto é: equipa-o para estabelecer um compromisso duradouro e gratificante com um estilo de vida ativo e saudável.

«O Eterno Marido», de Fiódor Dostoiévski

Editora: Presença
Data de publicação: Agosto de 2021
N.º de páginas: 168

O ponto de partida da presente narrativa que Dostoiévski viu publicada em 1870, ambientada em São Petersburgo, é o reencontro entre dois amigos, volvidos quase dez anos. Em O Eterno Marido, Dostoiévski explora a fundo as consequências trágicas que uma traição pode deixar perpetuadas.
Veltchanínov tem perto de quarenta anos, e até há pouco tempo era um homem alegre, de bem com a vida. Assim que a hipocondria começou a fazer parte do seu quotidiano, ele torna-se uma pessoa ociosa, triste e misantrópica (abandona os amigos e conhecidos). Embora não sinta orgulho da sua solidão, depende dela, em boa percentagem porque esta concede o tempo suficiente para ele lutar com os demónios que lhe atormentam e pesam a consciência. É durante as intermináveis noites brancas que Veltchanínov tem sonhos febris e deambula entre dois mundos; um deles submerso há nove anos.
Com a chegada de Pávlovitch, um antigo amigo e marido de uma sua ex-amante, uma mulher «passional, cruel e sensual», as emoções que despertam neste homem entram definitivamente em choque. Este ex-amigo, um homem alcoólatra e instável psicologicamente, acaba de ficar viúvo e com uma filha de oito anos por continuar a criar; uma filha com muita debilidade física, que sabe que não é sua. Para Veltchanínov, Lisa, a sua filha, será agora a sua finalidade de vida, o que faltava para a sua tristeza cessar, para dar paz à sua consciência pesada. Mas algo trágico acontece. E a desgraça satura-lhe de novo a alma de dor.
Este é um romance curto mas povoado por personagens psicologicamente densas envoltas numa trama onde os diálogos são bem construídos e inteligentes. A história começa in medias res, uma técnica literária que o autor de Crime e Castigo é mestre em tecer, criando pouco a pouco suspense no leitor, assim que os detalhes sobre o passado adúltero do protagonista são revelados.
Ciúme, humilhação, raiva, vingança, arrependimento, auto-punição, abnegação, de tudo isto fala O Eterno Marido, que é tido como um dos trabalhos mais refinados do autor russo, que a tradução de Nina Guerra e Filipe Guerra soube tão bem captar.

segunda-feira, 3 de junho de 2024

Junho é mês de publicação de duas biografias de Luís de Camões

Neste mês, para assinalar os 500 anos do seu nascimento, chegam às livrarias duas biografias de Camões, considerado uma das maiores figuras da literatura lusófona e um dos grandes poetas da tradição ocidental.

Da autoria de Carlos Maria Bobone, sai pela Dom Quixote no dia 9, Camões  Vida e Obra. Esta é «uma visão geral da vida do autor de Os Lusíadas que faz interpretação provocadora da poesia e conclui: "Camões não é só um poeta, mas uma cultura e tornou-se na gramática literária e histórica de um país".»

A Contraponto publica a 20 de Junho, Fortuna, Caso, Tempo e Sorte – Biografia de Luís Vaz de Camões, da autoria de uma das mais reconhecidas romancistas portuguesas da actualidade, Isabel Rio Novo (que também assinou a biografia de Agustina Bessa-Luís, em 2019). Fruto de um trabalho de cinco anos, que obrigou a autora a mergulhar a fundo em todas as biografias antigas e recentes, na pesquisa de fontes conhecidas e na reunião de informação que estava dispersa, a biógrafa aventurou-se a navegar pela vida do poeta e dá a conhecer o homem por detrás do mito.

sexta-feira, 31 de maio de 2024

Chega a Portugal o romance de cowboys que ficou viral no TikTok

Feita e Desfeita
ficou viral no TikTok e tornou-se num best-seller instantâneo, com mais de 12 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo. Agora, este romance de cowboys chega a Portugal, a 4 de Junho, numa grande aposta da Euforia - uma chancela da Guerra & Paz Editores.

Lyla Sage, a autora, é uma romântica incurável de vinte e poucos anos que vive na parte selvagem do Oeste dos Estados Unidos.

Texto sinóptico
Pela primeira vez na sua vida, Clementine Emmy Ryder não faz ideia do está a fazer. Cumpriu tudo o que havia para cumprir: deixou a sua cidade natal, Meadowlark, Wyoming, foi para a faculdade e fez carreira a fazer o que mais gostava, montar cavalos. Mas depois de um acidente que não a deixa voltar à sela, não tem outra opção senão regressar ao lugar de onde sempre quis fugir.
Luke Brooks é o dono do bar local, um bad boy - o solteiro preferido da cidade. É também o quinto membro não oficial da família Ryder. Como melhor amigo do irmão mais velho de Emmy, Luke passou a maior parte da sua infância a infernizá-la. Há anos que não a vê, mas quando ela entra no bar e regressa à sua vida, é incapaz de lhe tirar os olhos de cima. Sabe que devia ter juízo, mas não consegue parar de pensar nela e em todas as coisas que lhe quer fazer.
Emmy tem a cabeça demasiado ocupada para pensar em romances. E Luke sabe que deve manter-se afastado da irmã mais nova do seu melhor amigo. Mas e se Luke for exatamente o que Emmy precisa para recuperar a sua chama? Será que os dois vão pegar fogo?

quinta-feira, 30 de maio de 2024

Cláudio Ramos e Fátima Lopes apresentam os seus novos romances

Será uma vida suficiente para se viver um grande amor? Esta é a premissa do novo livro de Cláudio Ramos, que tem vários livros publicados, mas O Rapaz marca uma viragem na sua escrita e vida, que se despe neste romance como nunca o havia feito, deixando no ar a questão sobre as histórias de ficção que se cruzam com a realidade. Segundo o autor, «a história deste livro é a de uma paixão vivida fora de tempo, talvez fora de horas, por duas pessoas que se encontram no lugar certo, mas no tempo errado.»

Houve um rapaz que apareceu na minha vida e me fez voltar a acreditar, e perceber que, além de estar vivo, devo gostar de viver, devo valorizar o que sou, que não me devo render e que, se em algum momento deste meu caminho, alguém me disse que eu não valia a pena, essa pessoa estava enganada.

Esse rapaz foi, acima de tudo, uma luz bonita que me voltou a fazer sentir vivo e me resgatou de um lugar escuro onde estava depositado há demasiado tempo, e isso é tudo.
Quando alguém nos volta a ensinar a respirar devagar e, ao mesmo tempo, de forma acelerada, é porque pode ser a pessoa certa, e eu percebi logo que podia ser.
Na vida, as histórias, além de amor, têm verdade, sim, porque nem sempre o amor consegue sobreviver só de amor.


Fátima Lopes apresenta o seu décimo livro. O amor mora no andar de cima, um romance surpreendente, onde aborda temas como a solidão, violência doméstica, o impacto dos traumas do passado, a beleza da vida e a esperança do renascimento.


Ana é uma escritora de sucesso. Os seus livros, campeões de vendas, fazem sonhar (e suspirar) as suas leitoras, com ingredientes infalíveis: homens de sonho, paisagens maravilhosas, frases motivadoras e histórias de amor apaixonantes. Mas a sua vida é bem diferente das páginas dos seus livros. E Ana está cansada de a viver.

Mora num prédio antigo em Lisboa. Trabalha, cumpre todos os seus deveres e obrigações e não se permite divertir. Porque carrega no coração um trauma do passado que não a deixa ser feliz. Tem como vizinhos um casal de velhotes a quem faz as compras semanais, que acompanha nos passeios de fim de semana. Foram o seu pilar há anos quando se mudou sozinha, com a filha pequena, para aquele prédio, com uma mala cheia de dor e incerteza.
Amigos tem poucos e não é dada a saídas, nem convívios, para além dos encontros com as suas leitoras. Mas a sua vida está prestes a sofrer uma mudança. Tem um livro que não consegue acabar; conhece uma leitora misteriosa cuja história a intriga; o charmoso diretor da sua editora não desiste de a conquistar e um novo vizinho que, de sorriso nos lábios, música no sotaque e simpatia natural, lhe desperta curiosidade.

Alguns livros da autora
Viver a Vida a Amar, Fátima - O meu caminho, a minha fé, Encontrei o Amor Onde Menos Esperava, Faz o que o Teu Coração Pede.

quarta-feira, 29 de maio de 2024

«Ponham-nos a Ler!» é o título do novo livro do neurocientista Michel Desmurget


Depois do prestigiado e premiado livro A Fábrica de Cretinos Digitais (lançado em 2021 e actualmente na 4.ª edição), Michel Desmurget, um dos mais prestigiados neurocientistas do mundo, revela-nos agora, em Ponham-nos a Ler!, qual é o grande antídoto contra o surgimento do «cretino digital»: ler «por prazer». A obra será publicada a 20 de Junho pela Contraponto Editores.

A começar pela linguagem, os benefícios da leitura são enormes, conforme comprovam centenas de estudos realizados nos últimos cinquenta anos. Além disso, ler tem também um impacto tremendo na cultura geral, nos resultados escolares (incluindo na matemática), no sucesso profissional, na mobilidade social, na atenção, empatia e saúde física e mental.
Neste livro, a leitura surge como a base que permite à criança desenvolver os três pilares da sua essência humana: aptidões intelectuais, competências emocionais e habilidades sociais. Michel Desmurget mostra-nos ainda que, apesar dos esforços dos media para nos convencer do contrário, os jovens não só leem cada vez menos, como leem cada vez pior. Segundo ele, saber ler é mais do que decifrar o alfabeto e juntar letras e sílabas - é preciso que a criança compreenda e interprete o que está escrito. Só assim poderá aprender a compreender o meio em que está inserida. O papel dos pais é, por isso, fundamental, cabendo a estes estimular nos filhos o gosto pela leitura mediante as estratégias apontadas pelo autor.
Face à sedução crescente dos ecrãs que tanto prejudicam o desenvolvimento dos nossos filhos, tanto a nível intelectual e cognitivo como físico-motor, Michel Desmurget apresenta-nos a leitura como a única forma de resistência possível ao avanço incontrolável do digital, num livro absolutamente imprescindível para pais e educadores.

terça-feira, 28 de maio de 2024

O romance que venceu o Prémio LeYa em 2023


Entre as publicações de ficção e não-ficção que serão lançadas em Junho pela Dom Quixote/LeYa, constam as obras A Palavra Que Resta (de Stênio Gardel), Cenas Portuguesas (de António Carlos Cortez), Os Rostos (de Tove Ditlevsen), A Mão Que Cura (de Lina María Parra Ochoa), O Segredo de Lourenço Marques (de Eduardo Pires Coelho), Vencer Contra a Corrente (de Tomás Appleton) e
um romance de estreia profundamente actual que venceu o Prémio LeYa em 2023, da autoria do brasileiro Victor Vidal.

Sinopse
Ana recebe um telefonema de uma vizinha da mãe informando que Andrea desapareceu na sequência de uma série de escândalos no bairro, entre os quais o suposto sequestro de uma criança. Apesar de ter jurado a si mesma que não voltaria à casa da mulher que lhe infligiu todo o tipo de violência, Ana não consegue ficar indiferente à situação; e o que encontra no apartamento é bastante intrigante: lixo por toda a parte, pegadas de lama, móveis destruídos, garrafas vazias amontoadas no caixote.

Enquanto se interroga sobre o que terá sido a vida de Andrea desde o dramático acontecimento que marcou as duas para sempre, Ana empreende uma dolorosa viagem às memórias da infância, que incluem não só uma mãe desequilibrada e alcoólica que tem um relacionamento conturbado com um homem perigoso, mas também um rapaz frágil que a faz cúmplice dos seus traumas e, por via das afinidades, se torna o seu único amigo. E, apesar de não se verem há muitos anos e de Ana o ter desiludido, é justamente a este amigo que resolve agora pedir ajuda.

Com personagens inesquecíveis e desconcertantes, Não Há Pássaros Aqui é uma reflexão madura sobre o modo como aquilo que vivemos na infância determina a nossa vida adulta e como tendemos a reproduzir comportamentos a que assistimos, mesmo quando friamente os condenamos.

segunda-feira, 27 de maio de 2024

Livro de Professor de Ciência Política aborda o pós-25 de Abril, de 1974 a 1975

Revolução, Contrarrevolução e Democracia
analisa o pós-25 de abril, de 1974 a 1975. Este novo livro com a chancela da Fundação Francisco Manuel dos Santos, inclui uma introdução com cerca de 30 páginas e os capítulos seguintes:

1. A crise do Estado Novo
2. A revolução e a derrota da direita autoritária
3. O fracasso do radicalismo esquerdista e o caminho para a democracia

Texto sinóptico

Duas dúvidas subsistem sobre o pós-25 de Abril: por que razão Portugal não sofreu um golpe militar de direita apoiado por segmentos da elite do anterior regime ou porque não sucumbiu à ascensão de um regime de partido único revolucionário, apoiado por segmentos dos militares e que gradualmente marginalizasse todos os outros partidos?
Este livro responde a estas duas questões, a partir de um estudo comparado da revolução portuguesa de 1974-1975 com outros processos revolucionários europeus do séc. XX.
Esta análise procura demonstrar como o predomínio das forças moderadas na coligação revolucionária é possível quando estas têm aliados no Estado, capacidade de organização cívica, enfrentam forças radicais divididas entre si e quando os conflitos militares terminam com o eclodir da própria revolução. E esclarece uma pergunta mais vasta: quais as razões pelas quais as revoluções (raramente) originam regimes democráticos?

Tiago Fernandes é professor de Ciência Política e Políticas Públicas e investigador do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE-IUL. Doutorou-se no Instituto Universitário Europeu, em Florença. A sua última publicação é Democratic Quality in Southern Europe: France, Greece, Italy, Portugal, and Spain, publicada pela University of Notre Dame Press, em 2024. Sociedade Civil é o título de outro livro que escreveu, em 2014, com o selo da FFMS.

quinta-feira, 23 de maio de 2024

Agustina Bessa-Luís é evocada no novo livro de Joana Bértholo

Augusta B. ou as Jovens Instruídas 80 Anos Depois
é o título do novo livro da escritora e dramaturga Joana Bértholo.
Em 2023, no Festival Corrente D’Escritas, na Póvoa de Varzim, foi desafiada a escrever sobre a Póvoa de Agustina Bessa-Luís, do qual nasceu esta novela de 100 páginas, que chega às livrarias no próximo dia 4.
A trama acompanha a experiência de duas jovens de 22 anos, a mesma idade que tinha Agustina quando publicou o famoso anúncio à procura de correspondência «inteligente e culta». As duas jovens propõem-se replicar esse gesto 80 anos depois, e as dificuldades e peripécias que enfrentam, em paralelo com as suas reflexões sobre as aplicações de encontros e as modalidades contemporâneas de procura do outro, tornam-se na substância desta obra.
Relembrar que a autora venceu o Prémio Literário Fundação Eça de Queiroz (2023) com a obra A História de Roma (e-book disponível aqui), editada em 2022, pela Caminho.

Excerto
«— Lês demasiados livros, Raquel. São só rapazes!
Aí residia o problema, serem só rapazes. Será que Augusta não percebia? Ou fazia-se desentendida?
— Sabes que mais? Devíamos fazer como a Agustina! — exclamou.
E foi aí que tudo começou. Foi nesta frase que tudo teve início, quando Raquel desafiou Augusta a seguirem o exemplo de Agustina. Os olhos de Augusta abriram-se como se ouvisse este nome pela primeira vez. A sua atenção cativa: o que fez Agustina?, foi a questão nunca formulada mas de imediato respondida. Raquel detalhou então a ousadia de um gesto que celebrava naquele ano — 2024 — oitenta anos. Tudo naquela história soava obsoleto: o veículo, os modos e o contexto. Mas talvez não o impulso, sentiram elas; talvez não o anseio, talvez não a carência, a volúpia ou a intensidade. Porventura nada do que realmente importa teria mudado.» (pp. 28-29)

Alguns outros livros da autora
O Meu Treinador (FFMS, 2023); Ecologia (Caminho, 2018); O Museu do Pensamento (Caminho, 2018); Diálogos para o Fim do Mundo (Caminho, 2009).

Outra novidade do Grupo LeYa

Não Há Pássaros Aqui, de Victor Vidal (Prémio LeYa 2023)

terça-feira, 21 de maio de 2024

Autor madeirense Luís Costa publica livro de contos sobre Machico

Depois das obras poéticas Ecos de Mim (2019) e Poética(Mente) (2022), o autor madeirense Luís Costa (n. 1971) apresenta o seu novo livro. Composto por 15 contos, Vale Profundo... Contos Históricos de Machico nos leva a conhecer monumentos históricos e histórias sobre gentes e costumes de Machico, cidade e concelho onde o autor nasceu e vive. Nas palavras de Luís Costa - que exerce a profissão de Técnico de B.A.D (Biblioteca, Arquivo e Documentação) e também é actor -, os machiquenses são um «povo simples e humilde, mas de uma sapiência sem igual, cuja cultura e tradições correm-lhes nas veias.»
O primeiro conto, “Nas Ondas da História”, fala-nos sobre 'A Lenda de Machim e de Ana d'Arfet', dois amantes que desembarcaram em Machico muito antes da chegada de João Gonçalves Zarco.

O livro, fruto de longa pesquisa histórica, será apresentado no próximo dia 25, às 16h00, na Feira do Livro de Machico, onde exemplares desta obra, cuja edição é de Autor, estarão à venda. Os três livros do autor podem também ser adquiridos através do seu Facebook e no Núcleo Museológico de Machico - Solar do Ribeirinho.

Do Prefácio, da autoria de Virgínia Nóia:
«O autor criou umas personagens que querem ser esclarecidas sobre a história de Machico, outras que integram a ação. Os diálogos têm uma carga dramática e enternecedora, o que torna a leitura um exercício tocante.»

«Numa linguagem simples e despretensiosa, Luís Costa discorre, com emoção, sobre situações nas quais os machiquenses não ficarão indiferentes e os restantes apreciarão a leitura. Trata-se de um livro transversal. Os contos têm laivos autobiográficos que revelam a vivência do autor em Machico.»

Os mais recentes livros lançados pela Idioteque

Eis as publicações mais recentes da Idioteque.

Mentes Tóxicas destroem homens bons, de Sofia Torgal Brás
Este livro fornece um suporte empático e estratégico para pessoas que precisam de lidar com questões na área das relações interpessoais, contribuindo para que possam deixar a toxicidade, quebrar o ciclo da dor e encontrar uma paz interior mais profunda, ao mesmo tempo que melhoram o autoconhecimento e constroem relacionamentos mais saudáveis.
A sua leitura apresenta ferramentas práticas e aplicáveis à realidade do dia a dia, muito úteis para alcançar resultados positivos e concretos, sendo ao mesmo tempo uma viagem de autodescoberta, superação e amor, onde homens e mulheres podem encontrar um abrigo seguro para as suas dores e dificuldades, libertando a sua força interior e descobrindo uma felicidade mais genuína.

Tratar o cancro por tu
, de Luísa Melo, Nuno Ribeiro e Nuno Teixeira Marcos

Agora em livro, o essencial das conferências que têm percorrido o país e que visam contribuir para a literacia em cancro e colocar os doentes no centro da discussão. Simplifica conceitos sobre diagnóstico precoce, prevenção, avanços científicos e terapias mais recentes. Junta alguns dos melhores especialistas e reflete sobre o cancro do pulmão, mama, cólon, próstata, pele, tumores pediátricos, leucemia e linfomas.

Coordenação do Prof. Doutor Manuel Sobrinho Simões
Patologista Oncológico e investigador, fundou e preside o Ipatimup - Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto. Co-autor de cerca de 330 artigos científicos e de livros como O Cancro (FFMS, 2014) e Gene, Célula, Ciência, Homem (Verbo, 2009). Realiza anualmente 200 a 300 casos de consulta diagnóstica (tumores da tiróide, sobretudo) para instituições da Europa, Estados Unidos da América, América do Sul e África. Actualmente é professor catedrático e director do Departamento de Patologia e Oncologia da FMUP, chefe de serviço no Hospital de São João e vice-presidente do Health Cluster Portugal.

Comer para evoluir
, de André Amorim

Este livro não apresenta um tipo de alimentação adequado para desportistas, outro para empresários, outro para reverter doenças, outro mais sustentável a pensar no planeta ou ainda outro para promover uma maior longevidade. Uma abordagem holística da alimentação para o ser humano do século XXI deve ser capaz de dar resposta a todas estas questões e, simultaneamente, promover a sua evolução mental e espiritual.
Ao longo do livro, o autor destaca a profunda interconexão que existe entre o ser humano e o mundo natural que nos rodeia, sublinhando a importância de uma abordagem que transcenda os modelos alimentares do homem primitivo, para quem a sobrevivência era a principal preocupação. Para além de um regime alimentar terapêutico, o livro promove também princípios de um estilo de vida adequados aos desafios e complexidades da vida moderna.

André Amorim é autor de O Poder Transformador do Jejum, publicado em 2021 pela Idioteque.

O que pensa cada Prémio Nobel sobre o futuro da humanidade?

Poucas pessoas mudaram o mundo como os vencedores do Prémio Nobel. Prova disso são os inspiradores relatos de 9 Prémios Nobel da Química, 4 da Física, 8 da Medicina e 3 da Economia, que o neurocientista italiano Stefano Sandrone reuniu no livro Vida de Nobel. Esta obra chancelada pela Guerra & Paz Editores chega hoje às livrarias, numa tradução assinada por Carolina Mendes e Cláudia Aurélio.

A gama de temas discutidos em Vida de Nobel, o livro em que Stefano Sandrone entrevista 24 cientistas vencedores do Prémio Nobel é variadíssima.

Cada um dos intervenientes – 9 nobéis da Química, 4 nobéis da Física, 8 nobéis da Medicina e 3 nobéis da Economia – conta, nestas entrevistas intimistas, a sua história única, combinando conselhos e inspiração, desafios e descobertas, momentos eureca, mas também fracassos.
Este livro é o apelo de cientistas galardoados às próximas gerações em todo o mundo e um incentivo para que os jovens procurem o que ainda está por descobrir.

quinta-feira, 16 de maio de 2024

«Mulheres refugiadas em Portugal» entre os novos livros da Fundação

No início deste mês, a Fundação Francisco Manuel dos Santos publicou os ensaios O Sono dos Portugueses, Água em Portugal e Património Alimentar de Portugal. Agora, já no dia 22, serão lançados três novos títulos da colecção 'Retratos'.

Mulheres refugiadas em Portugal
de Francisca Gorjão Henriques
A chamada “crise dos refugiados” de 2015 transformou a realidade do acolhimento em Portugal. Mas, se o processo de inclusão social é um desafio para todos, o grupo bastante heterogéneo das mulheres migrantes enfrenta barreiras ainda mais difíceis de ultrapassar.


Eles que nos levam

de Raquel Albuquerque
Todos os dias e noites, por ruas citadinas, estradas secundárias ou caminhos de terra, milhares de motoristas de transportes públicos levam alguém até um destino. Passam anos ao volante de um autocarro ou de um elétrico, a verem as paisagens a mudar e, se forem efetivos num par de carreiras, a acompanharem passageiros ao longo de várias etapas da vida.

A morrer ou a viver?

de Sofia Teixeira
Diz-se, muitas vezes, de alguém com uma doença grave e incurável: «Está a morrer.» Todavia, essa pessoa está, ainda e sobretudo, a viver. Para que o faça com o mínimo sofrimento e o máximo apoio possíveis, existe o suporte de Cuidados Paliativos, ao qual têm acesso apenas 30% dos portugueses que dele precisam.
Colhe mais informações sobre estes livros e autores, em https://ffms.pt/pt-pt/livraria

Nova série policial da dupla sueca Lars Kepler, que tem novo pseudónimo

A Singular, uma recente chancela do Grupo Porto Editora, publica Vou Encontrar a Chave, o primeiro livro de Alex Ahndoril, o pseudónimo de uma dupla de escritores de enorme sucesso mundial: Alexander Ahndoril e Alexandra Coelho Ahndoril. Conhecidos até aqui pelo pseudónimo Lars Kepler, com o qual têm assinado os livros da série Joona Linna (como O Hipnotista e A Vidente), dão agora início a uma nova série policial, protagonizada pela investigadora privada Julia Stark.

O livro, com tradução a partir do sueco por Ivan Figueiras, chega hoje às livrarias.

terça-feira, 14 de maio de 2024

Nova edição de «Brand Sense», de um dos maiores especialistas mundiais em branding

Já está disponível novamente nas livrarias o livro Brand Sense – Os segredos sensoriais que nos levam a comprar, editado pelo Grupo BertrandCírculo. Nesta obra, traduzida para português por Rita Figueiredo, o guru do branding e marketing Martin Lindstrom revela como as empresas e os produtos mais bem sucedidos do planeta integram o tacto, o sabor, o cheiro, a visão e o som para criar marcas que os consumidores não conseguem esquecer!
Com uma abordagem inovadora e surpreendente, o autor de O Ministério do Bom Senso e Small Data, demonstra a importância da ligação multissensorial no comportamento consciente e subconsciente do consumidor. E dá exemplos que sustentam as suas teorias.

«A Kellogg´s passou anos a explorar esta ligação entre a textura e o sabor. A empresa contratou um laboratório dinamarquês especializado em criar o som preciso de um floco de cereais a estalar». O que aconteceu? No dia em que a marca lançou no mercado a sensação única de trincar os seus cereais, as suas vendas disparararam.

Elogios da imprensa
«Um livro notável que nos estimula, que nos deixa intrigados e que enriquece a nossa compreensão acerca do modo com os consumidores percecionam as marcas.» The Marketeer
«Há imensos livros que tentam destilar a essência desta magia tão especial. Brand Sense destaca-se dos restantes.» The Economist

segunda-feira, 13 de maio de 2024

Duas novidades com o selo Clube do Autor

As próximas décadas serão caracterizadas por uma onda inevitável de inovações que afetarão setores tão diversos como a biologia sintética, a inteligência artificial e a ciência da computação. Estes avanços, impulsionados por fortes incentivos estratégicos e financeiros, resolverão muitos desafios e trarão riqueza. Mas também acarretam muitas ameaças à nossa sociedade.
A Próxima Vaga, livro da autoria de Mustafa Suleyman com Michael Bhaskar é um alerta fundamental sobre os riscos associados às tecnologias em rápido desenvolvimento e o que é possível fazer para os evitar enquanto ainda há tempo.

Minúscula
é um romance revelador, com uma escrita irrepreensível, sobre o dia a dia de uma pessoa com ansiedade e, simultaneamente, uma história terna e envolvente sobre as palavras, os sonhos e o amor.

Marta Coelho é argumentista para televisão, estreou-se na escrita com A ilha das quatros estações e publicou três livros infantis. Agora, traz-nos uma história cativante, fresca e surpreendente em que aborda uma questão particularmente pertinente nos dias de hoje: como é que uma pessoa que enfrenta todos os dias o peso da ansiedade consegue escolher o melhor caminho? Como se encontra no meio das dúvidas e das indecisões? Como se perdoa pelos erros e mentiras em que, irremediavelmente, recai?