sábado, 24 de julho de 2021

«Peter Camenzind», de Hermann Hesse

Editora: Dom Quixote
Data de publicação (4.ª edição): Maio de 2021
N.º de páginas: 208

«No princípio, era o mito. E assim como o grande Deus fazia poesia na alma dos hindus, gregos e germanos, procurando expressar-se, assim de novo ele faz poesia, dia após dia, na alma de cada criança.» Este é o incipit do primeiro romance, publicado há 117 anos, do alemão Hermann Hesse. Nesta obra, traduzida para o nosso idioma por Isabel de Almeida e Sousa, o autor aborda alguns dos temas que estariam presentes nos seus romances posteriores (como Demian, Siddartha e O Lobo das Estepes).
O protagonista da história, que é também o narrador da mesma, é um jovem camponês que cresce numa pequena povoação alpina, onde «montanhas, lago, tempestade e sol» eram os seus únicos amigos, que lhe falavam e educavam – pois a mãe morre cedo e o pai deixa-o por sua conta. É na observação dos pequenos detalhes e esplendores da natureza, que Peter se sente em paz: «não conhecia nada de mais belo que vaguear ociosamente por sobre as rochas e veigas, ou junto ao mar.» Todavia, com o findar dos anos de maturação juvenil, uma ânsia incomensurável começa a brotar no íntimo deste rapaz solitário, forte e sensível.

«o dia chegou e eu parti…»

Assim tem início a primeira das suas jornadas intelectuais, físicas e espirituais. No decurso dessas viagens e experiências mundanas, o protagonista conhece artistas, literatos, músicos, pintores, percorre maus caminhos e no entremeio, aprende o que significa amar outros seres humanos e depara-se com vicissitudes e adversidades. Muitos anos volvidos, o protagonista diz que «o sofrimento, as desilusões e a melancolia não existem para nos deixar contrariados e fazer-nos perder o valor e a dignidade, mas para amadurecer e transformar.»
Peter Camenzind é um romance escrito de uma forma poética, rico em vocabulário esmerado e cujo enredo está pleno de dualidades e antagonismos. Impressiona saber que num primeiro trabalho, Hesse, então com 27 anos, já apresentava uma compreensão madura sobre a complexidade do ser humano.
Há alguns anos esgotado, a Dom Quixote teve a excelente decisão de reeditar Peter Camenzind, uma obra que mantêm-se, mais de 100 anos depois, intemporal.

Excertos
«Mais severa e profundamente, impressionava-me a visão das árvores. Via cada uma delas fazer a sua vida, criar a sua forma e copa particulares, e lançar a sua sombra própria. Pareciam-me eremitas e combatentes… tratava a sua silenciosa e tenaz batalha pela existência e crescimento, contra ventos, tempestades e rochas.»

«O espelho alegre e límpido da minha alma era de vez em quando ensombrado por uma espécie de melancolia.»

«…eu olhava sempre com maior avidez a profundeza das coisas. Escutava o vento a ressoar em acordes nas copas das árvores, ouvia ribeiros bramando nas gargantas e correntes plácidas e silenciosas espraiarem-se por planícies, e sabia que estes sons eram a voz de Deus e que compreender esta linguagem obscura e primordialmente bela seria reencontrar o paraíso.»

sexta-feira, 23 de julho de 2021

A História dos Jogos Olímpicos

Repleto de imagens extraordinárias das provas, dos atletas e dos símbolos olímpicos, o livro A História dos Jogos Olímpicos convida a descobrir a história do maior acontecimento desportivo do mundo.

• Conhece tudo sobre as 28 edições dos Jogos, desde Atenas 1896 até ao Rio 2016.
• Descobre as estrelas que brilharam nas Olimpíadas.
• Inclui uma antevisão dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

quinta-feira, 22 de julho de 2021

Nova edição do livro que junta haikus e mandalas para inspirar e colorir


O livro
Colorir mandalas, além de ser relaxante e terapêutico, potencia a concentração e as capacidades artísticas. Não espanta, por isso, que haja cada vez mais pessoas rendidas aos benefícios desta atividade simples e económica.
Em Mandalas e Haikus para colorir e meditar encontrará 40 mandalas desenhadas à mão para serenar a mente e relaxar, tudo isto apenas com uma caixa de lápis.
A autora
Inês de Barros Baptista é autora de Há Vozes na Ilha, Pede Um Desejo, Os Dias da Luz, Quem Era Eu Antes de Mim?, O Tesouro da Moura Encantada, Índigo – O Mistério do Rapaz de Luz, O Cromossoma do Amor, Não Faz Diferença Nenhuma e Mães como Nós. Actualmente, dedica a maior parte do seu tempo ao projeto Mandal’Arte, realizando mandalas com elementos naturais para decoração de eventos e dinamizando a construção de mandalas coletivas em espaços públicos. 

De Espanha e da Noruega chegam os tríleres «Os Rituais da Água» e «A Coruja Caça Sempre à Noite»


Da autoria da escritora espanhola Eva García Sáenz de Urturi, é publicado em Portugal
Os Rituais da Água, o segundo volume da trilogia 'O Silêncio da Cidade Branca' que já vendeu um milhão de exemplares em todo o mundo e está publicada em mais de 20 países.
Em 2020, esta autora recebeu o Prémio Planeta pelo romance histórico Aquitânia, que a Lua de Papel publicará no próximo mês de Outubro.

Texto sinóptico
Uma mulher é encontrada queimada e pendurada numa corda pelos pés, com a cabeça imersa dentro de um antigo caldeirão de bronze, cheio de água. A autópsia revela a primeira surpresa: a vítima estava grávida. E a investigação que se segue aponta para outra conclusão surpreendente: o crime tem todos os contornos de um macabro ritual celta. O profiler Unai “Kraken” acaba por se ver envolvido no caso, mesmo sem querer. Afinal, a mulher morta, como rapidamente será informado, foi a sua primeira namorada, com quem se tinha envolvido décadas antes. Nessa mesma altura, ele e o seu grupo de amigos participaram numa escavação arqueológica em que descobriram segredos há muito enterrados. Poderiam os dois episódios estar relacionados?
Quando surge uma nova vítima, a conclusão é óbvia: é o trabalho de um psicopata, e ele (ou ela) tem um interesse particular na vida pessoal do protagonista. Começa aqui um sufocante jogo de gato e rato, tendo como cenário a cidade basca de Vitoria. A ação desenrola-se em dois tempos distintos, o presente e o passado de Kraken – sendo que a chave que une os dois momentos da sua vida poderá ser um ritual cuja origem se perde nos tempos.


A emocionante sequela do bestseller internacional Viajo Sozinha, que o The Wall Street Journal classificou como «tenso e habilmente construído» e que está publicado em mais de 30 países, ficará disponível nas livrarias na próxima terça-feira. Com o cunho da Dom Quixote, A Coruja Caça Sempre à Noite
(traduzido do castelhano por Eurico Monchique), é um tríler emocionante do escritor norueguês Samuel Bjørk, muitas vezes comparado com autores como Stieg Larsson ou Jo Nesbø.

Texto sinóptico
Quando uma adolescente problemática desaparece de um orfanato e é encontrada assassinada e o seu corpo deitado numa cama de penas, o experiente Holger Munch e a sua equipa são chamados para resolver o caso. A investigadora estrela Mia Krüger, que está de licença temporária, enquanto continua a lutar com seus próprios demónios, volta abruptamente para a ribalta e mergulha neste caso, a tempo de descodificar as pistas sobre um vídeo perturbador que retrata a vítima minutos antes ser morta e onde surge aprisionada como um animal enjaulado.
Enquanto isso, a filha de Munch, Miriam, conhece um atraente estranho numa festa – um apaixonado ativista defensor dos direitos dos animais – que começa a seduzi-la para o seu mundo e para longe da sua família.

quarta-feira, 21 de julho de 2021

«Rodeado de Psicopatas», de Thomas Erikson

Editora: Lua de Papel
Data de publicação: Abril de 2021
N.º de páginas: 288

Todos nós, em algum momento, já estivemos ou iremos estar, em contacto com pessoas com atitudes de dominância e manipulação desmedidas. O perigo que estes indivíduos com comportamento duplo representam pode não ser imediatamente aparente devido à sua hábil capacidade de ludibriar, destabilizar e encantar.
Em Rodeado de Psicopatas, o especialista em comunicação Thomas Erikson, adverte: «Quando ler este livro, pode ter dificuldade em adormecer.» Não querendo ser alarmista, este autor sueco refere que existem mais pessoas com traços psicopáticos do que pensamos: em cada 100 pessoas, no mínimo, duas são psicopata
s, segundo estudos e investigações de Robert D. Hare, um dos mais respeitados investigadores sobre o tema. Mas como é que os podemos identificar? Quais as características mais acentuadas destes indivíduos tóxicos? Quais as estratégias mais eficazes para combater essas pessoas egocêntricas, sem escrúpulos e pobres a nível emocional? Quais as profissões mais comuns entre os psicopatas? Este transtorno de personalidade tem cura? Com a ajuda deste livro, o leitor terá acesso às respostas para estas questões, ficando assim capaz de descobrir quem é genuíno e quem não é.
Todo o conteúdo deste livro baseia-se na linguagem DISC (uma sigla para Dominância, Influência, Estabilidade (Stability) e Conformidade), um método de explicação do comportamento difundido num livro publicado em 1928 pelo psicólogo americano William Moulton Marston. Este sistema psicométrico (já dado a conhecer no livro anterior do autor, Rodeado de Idiotas) que enumera 4 tipos de personalidades-base, atribui uma cor a cada uma: vermelho (pessoas egocêntricas, narcisistas, determinadas…), amarelo (quem é bem-humorado e sorridente, que inspira e influencia os outros…), verde (indivíduos que possuem um carácter fleumático: reagem com lentidão, ponderação e tranquilidade…) e azul (pessoas analíticas, precisas, que dão atenção aos pormenores, falam e sorriem apenas quando necessário…).
Rodeado de Psicopatas é um livro destinado a quem se interessa por conhecer mais sobre a complexidade humana e para todos aqueles que são ou já foram vítimas, no meio familiar, profissional ou social, de um psicopata. O livro fala sobre pessoas com transtorno de personalidade psicopata, mas é muito mais abrangente, pois aborda diversos tipos de comportamento, incluindo o não-verbal. Para quem se interessa por Psicologia, este é um livro indicado.
Há que referir um pormenor importante, que o autor conscientemente ou inconscientemente não mencionou no livro: o modelo DISC, embora tenha por base estudos minuciosos, não é considerado um teste psicológico aprovado pelo Conselho Federal de Psicologia, significando que não possui validade científica. Não encontrámos também neste livro a explicação sobre as diferenças entre psicopatia e sociopatia, o que poderia ser útil para muitos leitores.

Excertos
«(…) se ele [o psicopata] conseguir farejar as suas fraquezas, vai pressionar todos os botões que conseguir para o destruir. Não por o odiar, ou por ter necessariamente alguma coisa contra si. Mas porque é isso que os psicopatas fazem. Tiram o que querem dos outros.»

«Quanto mais ele [o leitor] souber sobre como a psicopatia se manifesta, melhor se defenderá contra a manipulação.»

Bazarov Edições publicam livro de ensaios de Lydia Davis

De uma das mais aclamadas escritoras norte-americanas, foi publicado este mês, pela Bazarov - editora independente fundada em 2020, que publica ficção literária e ensaios de longo formato -, Ensaios Um, «um conjunto de ensaios comprometidos a estimular o debate entre os leitores da literatura global» (Kirkus Review). A tradução portuguesa é assinada por José Mário Silva.

Neste primeiro de dois volumes, os temas de Davis viajam entre as suas influências iniciais até aos seus contos favoritos, da tradução de Rimbaud por John Ashbery à pintura de Alan Cote, do Salmo do Bom Pastor a fotografias antigas enquanto turista. Em exibição neste livro está o desenvolvimento e e capacidade de uma das mais claras e capazes mentes a escrever nestes dias.

"Lydia Davis é a nossa Vermeer, observando pacientemente e reportando a vida quotidiana desde os mais estranhos ângulos."
The New York Times

"Davis, uma inovadora autora de ficção, é também uma erudita ensaísta, crítica e tradutora, com uma mente inquisitória evidente nestes 33 ensaios... Uma companhia literária essencial."
BBC

terça-feira, 20 de julho de 2021

«A Escrava Isaura», o conceituado romance de Bernardo Guimarães, ganha uma nova edição


A Escrava Isaura
representa um símbolo na luta pelo fim da escravatura no Brasil, ao mostrar, em plena campanha abolicionista, «quanto é vã e ridícula toda a distinção que provém do nascimento e da riqueza».

Escrito em plena campanha pelo fim da escravatura, este romance, um marco na literatura contra a escravatura, tornou-se rapidamente num êxito editorial, dando ao autor, Bernardo Guimarães (1825-1884), o reconhecimento que até aí não granjeara na proporção merecida.

Sinopse
Isaura é uma escrava lindíssima, criada como filha pela mulher do comendador Almeida, numa magnífica fazenda do século xix, em Campos de Goitacases, no Rio de Janeiro. A sua beleza desperta múltiplas paixões e desejos libidinosos, dos quais Isaura tenta escapar, particularmente dos avanços de Leôncio, o filho do comendador, um fazendeiro autoritário que não admite ser contrariado. A fuga com a ajuda do pai, o feitor português Miguel, parece ser a única solução. Serão eles bem-sucedidos nos seus planos? Poderá Isaura encontrar a liberdade e o amor? 

Novo livro sobre Numerologia, de Clara de Almeida

A Numerologia Da Nova Era é o título do novo livro de Clara de Almeida, autora de vários best-sellers sobre Numerologia, Tarot e vidas passadas (são exemplos Jesus Não Se Vestia de Branco, Histórias Reais de Reencarnações, Manual de Numerologia e Tarot Kármico).

O que é a Numerologia?
«É uma linguagem simbólica, que usa os números como representantes de energias e não como simples medidas do mundo da matéria, sendo deste modo utilizados para descrever e não para contar», explica a autora que dedica-se há mais de duas décadas ao estudo das matérias ditas esotéricas.

Este livro, editado pela Pergaminho, é destinado a todos os leitores que têm curiosidade em explorar os domínios do conhecimento fora dos ramos científicos convencionais.

segunda-feira, 19 de julho de 2021

Chegou às livrarias uma nova edição de «Voo na Noite», de Antoine de Saint-Exupéry

A Clássica Editora publica Voo na Noite - obra há muito esgotada em Portugal -, um dos primeiros livros escritos pelo piloto de aviação e escritor francês Antoine de Saint-Exupéry. Datado de 1931, Vol de nuit tornou-se um best-seller internacional e deu origem a um filme estreado dois anos depois. Terra dos Homens foi o livro que se seguiu a este.

Texto sinóptico
Assim regressavam do sul, do oeste e do norte, os três aviões da Patagónia, do Chile e do Paraguai, dirigindo-se a Buenos Aires. Esperava-se a sua carga para dar a partida, por volta da meia-noite, ao avião para a Europa. Três pilotos, perdidos na noite, meditavam no seu voo, e, em direcção à cidade imensa, desceriam lentamente do seu céu de tempestade ou de paz, como estranhos camponeses descem das suas montanhas.
Rivière, responsável por toda a rede, passeava de um lado para o outro na pista de aterragem de Buenos Aires. Mantinha-se silencioso porque, até à chegada dos três aviões, aquele dia continuava, para ele, a ser terrível…

Outras publicações recentes da Clássica Editora:
Recordações da Casa dos Mortos, de Fiódor Dostoiévski
O Livro da Selva, de Rudyard Kipling
A Inquilina de Wildfell Hall, de Anne Brontë 

Gradiva publica «As Canções das Árvores», considerado um dos melhores livros científicos de 2017

David George Haskell é um biólogo americano nascido no Reino Unido. Depois do livro The Forest Unseen (2012), lançou The Songs of Trees (2017), que a Editora Gradiva apresenta agora aos leitores de Portugal. Este ensaio, As Canções das Árvores, foi considerado um dos melhores livros científicos de 2017 e um dos 10 melhores livros na área do ambiente. Esta edição conta com prefácio de António Bagão Félix, autor de Trinta árvores em discurso directo e Raízes de Vida, entre outros livros.

David Haskell recebeu já muitos elogios pela eloquência da sua escrita e pelo profundo envolvimento com o mundo natural.
Neste livro, centra agora o seu talento e capacidades de observação nas redes biológicas que unem todas as espécies, incluindo os seres humanos. Haskell visitou por diversas vezes uma dúzia de árvores, explorando ligações entre pessoas, micróbios, fungos e outras plantas e animais. Leva-nos a conhecer árvores em cidades (de Manhattan a Jerusalém), em florestas (amazónica, norte-americana, boreal) e em zonas que estão na linha da frente da mudança ambiental (erosão do litoral, encostas ardidas, zonas de guerra).
Em cada um destes lugares, o autor mostra como a história humana, a ecologia e o bem-estar estão intimamente interligados com a vida das árvores.
Outro livro que pode interessar: A Vida Secreta das Árvores.

Romances contemporâneos e Policiais "old school" entre as novidades da ASA

Uma História Fora de Tempo é o primeiro romance de Helen Fisher, autora que nasceu nos Estados Unidos e que vive actualmente no Reino Unido. Nesta história, a autora fala sobre a infância, a maternidade e o amor.

Todas as noites, ao aconchegar as filhas na cama, Faye pensa na mãe, que morreu quando ela tinha apenas oito anos. Faye pode dizer que tem quase tudo: um marido maravilhoso, duas filhas amorosas, bons amigos e um emprego que a realiza. No entanto, é mesmo só um quase, pois ela nunca ultrapassou verdadeiramente o inexplicável desaparecimento da mãe.
E um dia, uma fotografia da sua infância vai dar início a uma série de acontecimentos mirabolantes que a levam de volta ao passado.
Literalmente.
Pois Faye dá por si noutro sítio e noutro tempo. Subitamente, está na casa da sua infância e numa época em que a mãe ainda está viva. Faye tem agora a oportunidade de redescobrir a mulher que deixou um tão grande vazio na sua vida, e de tentar finalmente perceber o que se passou. Mas esta não é uma viagem como outra qualquer. Viajar no tempo tem consequências imprevisíveis. Com saudades do marido e das filhas mas a (re)viver um passado tão precioso, Faye terá de fazer uma escolha. Estará disposta a arriscar o seu regresso ao futuro para poder passar só mais um instante com a mãe?
A escolha que tem diante de si é terrível, se ao menos não tivesse de a fazer…


Segredos ao Entardecer reúne dois romances emblemáticos de Elizabeth Edmondson. São duas viagens à descoberta de paisagens e personagens prodigiosas, pela mão da autora de Uma Menina de Boas Famílias, A Arte de Amar, entre outros romances.

A Casa do Lago
O ano de 1936 está a chegar ao fim. Nostálgica, a jovem Alix Richardson regressa à mansão da família, de onde havia fugido três anos antes numa tentativa desesperada para se libertar da tirania da avó. Alix não é a única. Um a um, todos os membros da família e alguns amigos estão de volta. A paz é frágil. No ar pairam velhos rancores, segredos, paixões… e demasiadas perguntas sobre o misterioso acidente que vitimou a mãe e a irmã de Alix. A jovem está finalmente preparada para descobrir a verdade, nem que para tal tenha de desenterrar os fantasmas do passado e mudar a vida de todos.

Uma Villa em Itália

Delia é uma cantora de ópera sem voz que não consegue esquecer o grande amor da sua vida. George é um cientista nuclear consumido pela culpa. Marjorie tenta desesperadamente vingar como escritora. Lucius debate-se com demónios que ameaçam a fachada perfeita que criou.
Estas quatro pessoas - que parecem não ter nada em comum - vêem os seus nomes mencionados no testamento de uma mulher desconhecida. Quem foi Beatrice Malaspina e porque exige que se juntem na sua villa em Itália? Enquanto esperam pelas respostas, a magia do lugar começa a exercer os seus efeitos sobre eles. Aos poucos, o grupo descobre que a mudança - e até mesmo a esperança - é possível. Mas a misteriosa Beatrice tem um segredo que os afectará a todos…

De Maurice Leblanc, escritor e jornalista francês cujas obras têm sido reeditadas no nosso país nos últimos tempos, chega-nos O Último Amor de Arsène Lupin, um romance póstumo, inédito em Portugal.

A belíssima Cora de Lerne é levada intempestivamente de um baile onde todos queriam dançar com ela para descobrir, ao chegar a casa, que o pai acabou com a própria vida, revelando-lhe numa carta que ela é herdeira de uma grande fortuna e prevenindo-a de que um dos quatro cavalheiros que andam sempre à sua roda não é senão… Arsène Lupin, conhecido por acumular riquezas à custa dos outros… Mas, na verdade, há mais quem cobice e persiga o dote principesco de Cora - e talvez o famoso ladrão de casaca já esteja suficientemente rico para pôr o ouro à frente do… amor.
É num cenário de intriga, pistas falsas, traições e paixão ardente que a história que fecha a saga de Arsène Lupin irá desenrolar-se. Todos os ingredientes dos romances anteriores do herói estão reunidos neste livro de despedida, cheio de reviravoltas inesperadas e até, quem sabe, com um final feliz.

A coleçcão 'Agatha Christie Juvenil' tem um novo título. A Suspeita (The Third Girl) foi originalmente publicado em 1966 (Agatha Christie tinha 76 anos) na Grã-Bretanha e adaptado para a televisão em 2008.

Três jovens mulheres partilham um apartamento em Londres. A primeira trabalha como secretária, a segunda é uma artista, e a terceira - que pediu ajuda a Poirot - desapareceu, convencida de que era uma assassina.
Embora não tenha sido encontrado nenhum corpo ou sequer indícios de crime, a jovem está atormentada. Poirot terá de fazer uso de toda a sua perspicácia para perceber se a rapariga desaparecida é inocente, culpada ou simplesmente louca...

quinta-feira, 15 de julho de 2021

De autores italianos, a Paulinas traz para os leitores mais jovens o livro «Não lhe Chamem Rapazito»


Chega a Portugal, num trabalho de tradução de José J. C. Serra, Não lhe Chamem Rapazito, obra infanto-juvenil da autoria dos italianos Marco Pappalardo (texto) e Roberto Lauciello (ilustrações). Uma edição da Paulinas.

Sinopse
O empenho, os sonhos, a coragem, a fé e o estilo de vida escolhido fazem, de Rosario Livatino, o jovem juiz siciliano assassinado pela máfia, tudo menos um «juiz rapazito», como foi apelidado. Estas páginas, alguns objetos pessoais, os locais de estudo e de trabalho, os símbolos da fé e da justiça e alguns testemunhos, falam dele e do que, para si, era a sua cidade. Colhe-se do testemunho de Rosario o ensinamento de que pode ter-se, cheio de esperança e de interesse pelo bem de todos, uma existência plena desde tenra idade! Este jovem juiz torna-se, hoje, modelo de uma vida simples, mas intensa, de uma dedicação ao trabalho vivida de forma coerente, de uma fé profunda e concreta e de um sentido sólido do dever e, especialmente, do dever cívico, mesmo na luta quotidiana contra os poderes do mundo da criminalidade.

Contraponto publica «Do XL ao S», livro de médica endocrinologista especializada no tratamento da obesidade

Da médica endocrinologista Joana Menezes Nunes, estará disponível a 22 de Julho Do XL ao S, um guia prático com base em informação cientificamente comprovada, que promete transformar por completo a alimentação e a saúde.
Os números são assustadores: no seu conjunto, mais de 50% dos portugueses têm excesso de peso ou obesidade. As dietas de emagrecimento e as dicas milagrosas para perder peso estão por todo o lado: livros, revistas, anúncios, Internet, redes sociais...
Como se poderá escolher aquela estratégia de perda de peso que funciona connosco? E de que modo se pode evitar recuperar todos os quilos que se perderam com dietas inadequadas e desequilibradas que muitas vezes até são prejudiciais à nossa saúde? E se a pessoa até está a fazer uma alimentação correta acompanhada de exercício físico e, mesmo assim, não consegue emagrecer?

terça-feira, 13 de julho de 2021

Chega aos leitores portugueses «Humanidade», um ensaio que foi um fenómeno de vendas no Reino Unido

Depois do bestseller internacional Utopia para Realistas – que nos forçou a questionarmo-nos sobre o que podemos fazer para construir um mundo melhor –, agora é a vez de a nossa conceção da natureza humana ser escrutinada pelo historiador, jornalista e escritor Rutger Bregman, no seu novo livro, Humanidade – Uma História de Esperança. Rutger Bregman é um dos jovens pensadores europeus de maior destaque.
Humanidade foi um dos livros do ano do Guardian e bestseller do New York Times e do Sunday Times. Sobre ele, Yuval Noah Harari, autor de Sapiens, disse: «Fez-me olhar para a Humanidade com outros olhos e levou-me a questionar muitas das crenças que tinha. Recomendo-o vivamente a todos e tenho a certeza de que dará azo a discussões férteis.»

Da Suécia chega a novela gráfica «O Fruto Proibido - Uma História Cultural da Vulva»

O que é que têm em comum Santo Agostinho, Jean-Paul Sartre, John Harvey Kellogg e Sigmund Freud? Para Liv Strömquist – ativista, podcaster e uma das mais respeitadas cartunistas da Suécia –, todos estes homens perderam demasiado tempo a pensar e a julgar a sexualdiade e o corpo feminino. Aliás, desde a origem dos tempos e em qualquer latitude que este tema tem ocupado com insistência a atenção de médicos, pensadores, sexólogos e religiosos. No livro que a Bertrand Editora publica esta 5.ª feira, O Fruto Proibido - Uma História Cultural da Vulva (tradução portuguesa de Ana Diniz), Liv Strömquist mostra como, ao longo dos séculos, as várias teorias e diagnósticos masculinos sobre a anatomia feminina tiveram consequências devastadoras na sexualidade, saúde e direitos das mulheres.

Sinopse
Desde os tempos de Adão e Eva que a vulva, a vagina, o clítoris, a menstruação e o orgasmo feminino têm vindo a ser punidos, exaltados, patologizados, politizados, controlados, delimitados. Liv Strömquist mostra-nos como diferentes culturas, ao longo da História, moldaram a saúde das mulheres, os seus direitos e as suas liberdades.
Na tradição de cartunistas como Art Spiegelman (Maus) e Marjane Satrapi (Persépolis), Strömquist usa a novela gráfica como meio artístico para expor verdades desconfortáveis e revelar o quão pouco o mundo muda.

segunda-feira, 12 de julho de 2021

Entre os lançamentos da 4 Estações Editora consta uma nova edição de «Terra dos Homens», de Exupéry

Entre as mais recentes publicações da 4 Estações Editora, encontram-se A Linguagem que o Corpo Fala, da terapeuta de medicina energética llen Meredith. Esta obra é prefaciada por uma das mais prestigiadas porta-vozes da medicina energética, Donna Eden.
De Antoine de Saint-Exupéry, chega às livrarias no próximo dia 20, um romance em que o autor de Piloto de Guerra e Cidadela relata as suas memórias de piloto aéreo entre 1926 e 1935. Terra dos Homens, um livro sobre a morte, a amizade, o heroísmo e a busca de significado, foi publicado pela primeira vez em França, em 1939, e nesse mesmo ano lançado nos Estados Unidos, tendo recebido o mais prestigiado prémio literário norte-americano da época (National Book Award).

Este guia claro e prático ensina-lhe a compreender e a "falar" a energia para que possa participar da criação única de si mesmo realizada pelo seu corpo, mente e espírito. Contém exercícios de exploração fáceis de usar que lhe permitem aceder ao seu sistema de orientação interna e ativar a capacidade inata do seu corpo para prosperar.

Terra dos Homens
num estilo narrativo desenvolto oferece-nos passagens dramáticas, emocionantes e reais, assim como as impressões de Saint-Exupéry sobre o mundo e os homens, a amizade e a morte, o amor e as viagens aéreas, com o medo e o heroísmo, a imensa beleza do céu e o dramatismo das tempestades como pano de fundo. Um relato sereno de quatro dias quase sem água e comida, ele e o seu mecânico, os protagonistas deste episódio que tem como cenário o deserto do Saara.

Excerto
«Eu, no entanto, sei o que é a solidão. Três anos no deserto deram-me a conhecer bem o seu gosto. Não nos assusta esgotar a nossa juventude numa paisagem mineral, mas sim pensar que, longe de nós, o mundo inteiro envelhece.»

Outro livro de
Antoine de Saint-Exupéry que será publicado este mês: Voo na Noite.

sábado, 10 de julho de 2021

«O Paciente», de Jasper Dewitt

Editora: Topseller
Data de publicação: 19-04-2021
N.º de páginas: 215

Parker é um médico jovem e ambicioso com muitas qualificações. Quando é admitido para trabalhar num hospital psiquiátrico em Connecticut, ele fica a saber que um paciente misterioso encontra-se internado lá há muitos anos, desde os 6 anos de idade.
Nesse «lugar pequeno e sombrio», com falta de pessoal e recursos, este especialista em Psiquiatria é desde logo informado pelos colegas e superiores, que deve-se manter longe do quarto de Joe, o paciente enclausurado, que nunca nenhum psiquiatra conseguiu diagnosticar uma doença. Os enfermeiros e médicos que ele teve, ou desapareciam, morriam ou enlouqueciam…
Após as primeiras semanas de trabalho e de muitos burburinhos ouvir pelos corredores da instituição de saúde mental, Parker convence-se que a sua formação de elite na faculdade de medicina e a sua capacidade de empatia permitirão que ele alcance Joe onde outros nunca conseguiram: «assim que ouvi falar sobre ele, meti na cabeça que seria eu a curá-lo».
Assim que é oficialmente destacado como médico de Joe, pelo seu supervisor, Parker começa a perceber que muitos registos médicos desapareceram e que existem pessoas que não querem que o passado deste temido paciente seja descoberto. A única solução à vista é conseguir entrar na mente de Joe e decifrá-la. Mas, quanto mais informação este psiquiatra astuto colhe sobre o paciente, mais começa a duvidar sobre a sua própria sanidade; é que ele é um especialista em manipulação psicológica – gaslighting –, «conseguia identificar as inseguranças das outras pessoas».
Originalmente publicado a 7 de Julho do ano passado pela editora americana Houghton Mifflin Harcourt, com tradução portuguesa assinada por Marta Mendonça, O Paciente é um tríler psicológico sombrio, com um enredo bastante simples e com passagens plenas de tensão dramática, algumas contendo elementos de terror.
Embora Jasper Dewitt apresente neste livro, que ganhará uma versão cinematográfica, um final surpreendentemente inesperado, são vários os melhoramentos que a obra poderia ter tido. As pouco mais de 200 páginas são insuficientes para o leitor ficar bem esclarecido sobre a história e caracterização dos poucos personagens. Seria interessante que o autor desse vida a pelo menos mais uma mão cheia de personagens, por exemplo, outros pacientes da instituição que serve de pano de fundo da história.
Referir também que A Paciente foi mal comparado pela revista americana Publishers Weekly ao tríler psicológico A Paciente Silenciosa, do autor Alex Michaelides (podemos ler na capa). Não se pode comparar ou equiparar. São bem diferentes.

Excertos
«Faço estes registos porque, a partir deste momento, não sei se sou cúmplice de um segredo terrível ou se estarei louco.»

«… quando somos miúdos, ansiosos por sermos amados, acreditamos que tudo é culpa nossa se isso fizer com que os nossos pais voltem a amar-nos.»

quarta-feira, 7 de julho de 2021

No final deste mês será publicado o livro «Joana Vasconcelos ou o Reencantamento da Arte»

Do reputado filósofo e sociólogo francês Gilles Lipovetsky, membro do Conseil d’Analyse de la Société, órgão consultivo do primeiro-ministro francês, e autor de vasta obra sobre as transformações da sociedade contemporânea, é publicado no nosso país um novo livro: Joana Vasconcelos ou o Reencantamento da Arte.

«A grande diferença entre ela e outros artistas de arte contemporânea é a elegância do seu trabalho, que não é intransigente. Por exemplo, na forma como trata o tema da Mulher, nunca o faz de forma negativa. Faz uma crítica, mas sem instigar uma visão totalmente negativa da sociedade. Adoro essa atitude e uma certa reconciliação com a modernidade, com a tradição, com a beleza. Seria impossível não gostar do seu trabalho.»

Esta obra é assinada também por Jean Serroy, professor universitário e autor de várias obras sobre a literatura do século XVIII e sobre cinema. É também co-autor, com Lipovetsky, de O Ecrã-Global, Cultura do Medo e O Capitalismo Estético na Era da Globalização (Edições 70).

Do mesmo autor de «Rainha Vermelha» chega um novo livro

Depois do sucesso de Rainha Vermelha (2020), com mais de 800 mil exemplares vendidos em Espanha, o autor best-seller Juan Gómez-Jurado, jornalista e autor de vários romances traduzidos em mais de 40 países, regressa com mais um livro empolgante. Loba Negra tem edição da Planeta de Livros Portugal.

Sinopse

Continuar viva
Antonia Scott não tem medo de nada. Só de si mesma.

Nunca foi
Mas há alguém ainda mais perigoso do que ela. Alguém que até a pode vencer.

Tão díficil
A Loba Negra está cada vez mais próxima e Antonia, pela primeira vez, está assustada.

Elogios
«É literalmente impossível não ficar agarrado. Antonia Scott é a melhor coisa que já aconteceu ao thriller internacional nos últimos anos.»
ABC

Policial e Fantasia são os géneros literários de novos livros de ficção da Planeta

Um dos fenómenos literários mundiais chega a Portugal. O Clube do Crime das Quintas-Feiras é um livro inteligente, divertido e viciante, sobre quatro reformados pouco convencionais. Richard Osman, o autor, é um apresentador de televisão, comediante e produtor britânico.
Num pacato bairro de residências privadas para reformados, quatro amigos improváveis reúnem-se uma vez por semana para discutir crimes que ficaram por resolver.
Ron, um ex-sindicalista todo tatuado; a doce Joyce, uma viúva que não é tão ingénua quanto parece; Ibrahim, um ex-psiquiatra com uma incrível habilidade analítica; e a tremenda e enigmática Elizabeth, que lidera este grupo de investigadores amadores... ou nem por isso.
Quando um homicídio ocorre no pequeno bairro, e uma misteriosa fotografia é encontrada ao lado do cadáver, o clube vê-se envolvido no seu primeiro caso real.Embora sejam quase octogenários, os quatro amigos têm alguns truques na manga…
Será que este gangue pouco convencional, mas brilhante, irá conseguir apanhar o assassino antes que seja tarde demais? O melhor é nunca subestimar um grupo de velhotes.

----------

Juliet Marillier está de volta! Esta escritora neozelandesa de fantasia, especialmente fantasia histórica, apresenta o segundo volume da saga Bardos Guerreiros. Em Dança com o Destino, a guerreira Liobhan regressa para pagar as suas dívidas e acertar todas as contas. Uma história emotiva e empolgante onde o sobrenatural e o universo da mitologia celta se cruzam.
Com a perda do irmão para o Outro Mundo, Liobhan está mais determinada do que nunca a ganhar um lugar como guerreira de elite. Regressa então à Ilha dos Cisnes para prosseguir com o seu treino. No entanto, o seu companheiro Dau perde a visão durante uma luta. Acusada pela família do amigo de ser a culpada pelo incidente, Liobhan aceita tornar-se serva da família de Dau durante um ano.
Liobhan depressa descobre que Oakhill é um lugar de segredos obscuros. O Povo Corvo ainda ameaça os dois mundos e Dau, lutando contra o demónio do desespero, não é um homem fácil de ajudar.
Liobhan e Dau envolvem-se numa aventura perigosa, ao tentarem desvendar todos os mistérios que assolam Oakhill. Os dois são obrigados a uma verdadeira dança com o destino para fugir a um poderoso inimigo que não vai parar até conseguir o que quer.
Mais do que nunca, vão precisar de todas as habilidades de um verdadeiro guerreiro da Ilha dos Cisnes, e até de um toque de sobrenatural, para sobreviverem... 

terça-feira, 6 de julho de 2021

A 12 de Julho é publicado «Clube do Prazer», um guia ilustrado de educação sexual


Clube do Prazer, da autora francesa Jüne Plã, é um livro para todas as pessoas: heterossexual, homossexual, bissexual, genderqueer, etc.
A obra,
escrita com um humor sarcástico e replecta de ilustrações elegantes, já vendeu mais de 250 mil exemplares em França.

Texto sinóptico
Sentes que a tua sexualidade te tem passado ao lado? Que o tempo passado com o teu parceiro se tornou previsível e entediante? Cansado da velha narrativa: preliminares, penetração, ejaculação? Ainda que te consideres especialista no assunto, este livro oferece-te novos métodos de dar prazer a ti próprio e aos outros de uma forma descomplexada, feliz e carinhosa.
Clube do Prazer disponibiliza uma cartografia das múltiplas zonas erógenas e um inventário de movimentos orgásticos. Através de desenhos explícitos, mas elegantes, podemos adquirir uma maior consciência da anatomia feminina e masculina e das suas infinitas possibilidades, respeitando todas as inclinações de género e todas as identidades sexuais.

Inclui: Duck face, glande contra glande, vibrador + haste = love, cunilíngua marinha, anus vestibulis, penheta, mamilolíngua, fogo de orifícios, e muito mais.

Excertos
«Ah! A vulva e o seu clitóris, os grandes esquecidos dos manuais escolares, da arte, das gravuras a caneta nas secretárias da escola… Falemos deles e devolvamos todo o orgulho aos/às seus/suas proprietários/as. Não, «vulva» e «vagina» não são sinónimos, valha‑me Deus! Tal como nem sempre se parecem com um alperce ou com o sexo de uma menininha. Que raio de obsessão é essa?
Uma tara de pedófilo? Temos o direito de nos depilar, mas fazer disso um modelo a seguir? Nem pensar!» (p. 32)

«Não, o pénis não é uma simples mangueira a que puxamos lustro. É muito mais complexo e subtil do que isso, e é bom lembrá‑lo de vez em quando. Se analisarmos bem, as zonas de prazer são (quase) exatamente as mesmas que nos/as proprietários/as de uma vulva! Nas dez zonas identificadas, podemos observar sensações que variam de ponto para ponto. Talvez tenhas mais ou menos zonas; só tu podes sabê‑lo.» (p. 176)

domingo, 4 de julho de 2021

Os livros que António Coimbra de Matos escreveu

António Coimbra de Matos
1929 - 2021

O psiquiatra, pedopsiquiatra e psicanalista português António Coimbra de Matos, morreu na passada quinta-feira, dia 1 de Julho, aos 92 anos. Foi uma figura incontornável na história da saúde mental em Portugal, com incidência no estudo da depressão. Foi fundador e presidente de várias sociedades científicas e professor no ISPA e na Faculdade de Psicologia de Lisboa. Em 2012, nos EUA, foi premiado como Distinto Professor de Psicanálise.
É autor de variados artigos e livros. Foi na Climepsi Editores que Coimbra de Matos viu publicado o seu último livro, Laço de Seda
, em 2019.

Obras publicadas:

Psicanálise e Psicoterapia Psicanalítica
 
 
Vária. Existo porque Fui Amado

 
Relação de Qualidade 
 
 
Adolescência
 
 
O Desespero
 
 
Saúde Mental
 
 
Mais Amor Menos Doença
 
 
A Depressão
 
 
Nova Relação
 
 
Laço de Seda
 

Outro livro sobre o autor, baseado num documentário:

Percursos com António Coimbra de Matos
de Ricardo Valadas Fernandes e Inês Moura Gonçalves

quinta-feira, 1 de julho de 2021

«O Neto do Condor», uma história infanto-juvenil que aborda o tema da imigração e a importância do acolhimento

O Neto do Condor é o título mais recente da AKIARA editora. É um relato terno e impactante que nos permite descobrir a vida frágil dos sem-abrigo e contemplar Barcelona com outros olhos. Esta narrativa, que tem como temas a imigração, o acolhimento, a vida na rua e os sonhos da infância, foi pensada para crianças a partir dos 9 anos.
O texto é do autor espanhol Jesús Ballaz. As ilustrações de Kim Amate, feitas com aguarela e lápis de cor, recriam a variedade dos ambientes e das emoções dos protagonistas.

Sinopse
Um menino de dez anos chega sozinho a Barcelona, onde trabalha a sua mãe. Mas houve uma confusão. Passam os dias e não a encontra. Desde logo compreende que não tem outra casa além de um banco numa praça.

A vida numa aldeia dos Andes e o ritmo de uma cidade europeia, as esperanças de uma criança e a dureza da rua, a amabilidade e a distância, o medo e a festa impregnam as páginas deste relato.
Uma homenagem às muitas histórias ocultas da imigração e um convite a refletir sobre o acolhimento.

quarta-feira, 30 de junho de 2021

A sequela do romance «Olive Kitteridge» é a grande aposta da Alfaguara para este Verão

Originalmente publicado no Outono de 2019, em Olive, Again, Elizabeth Strout dá continuidade à história de uma personagem inesquecível da literatura americana, que arrebatou a imaginação de milhões de leitores e mereceu um Prémio Pulitzer. Com tradução portuguesa de Tânia Ganho, A Segunda Vida de Olive Kitteridge foi eleito por muitas publicações - como a Time, a Vogue, o The Washington Post, a Vanity Fair e o The Guardian - como um dos melhores livros do ano.

Elogios

«Strout levou-me a adorar uma mulher que eu não conhecia, de quem nada sabia. É uma escritora magnífica.» Zadie Smith

«Uma contadora de histórias de supremo talento.» Hilary Mantel

«O mais precioso de Elizabeth Strout é a subtileza com que explora os lugares mais recônditos da condição humana.» Fernando Aramburu

«Há muito que admiro a obra de Elizabeth Strout, mas este livro transcende os anteriores e triunfa, pela forma como nos conforta com as suas histórias de dor, dignidade, inteligência e coragem.» The Washington Post

«Este romance regressa a Olive Kitteridge e à cidade de Crosby para fazer o que Strout melhor sabe fazer: encontrar sentido nos detalhes mais pequenos e mundanos da vida quotidiana.» Vox

«Strout criou uma daquelas personagens raríssimas, tão vivas e divertidas que parecem ter vida própria, independentemente da história em que se inserem.» The Guardian
Sinopse
Que é feito de Olive Kitteridge? Quando soubemos dela pela última vez, acabara de perder o companheiro de toda a vida e tentava encontrar um sentido para os seus dias.
O tempo passa, mas Olive não muda e decidiu que ainda não é tempo de desistir da vida. Rude, inconveniente e teimosa, na mesma medida em que é honesta e generosa, Olive Kitteridge continua a observar a pequena cidade de Crosby com a sua peculiar combinação de empatia e reserva, mesmo quando ajuda uma mulher a dar à luz num momento absurdamente inoportuno ou consola uma rapariga que tenta aceitar a morte do pai. Olive sabe que os outros podem ser um espelho de nós. E ganha finalmente coragem para olhar para dentro com a franqueza desarmante que dedica aos demais.
Porque já é tarde para corrigir os erros do passado e a vida não pode esperar, decide agarrar a oportunidade de recomeçar ao lado de Jack Kennison, professor universitário, reformado e viúvo como ela. Ambos suportam a solidão das noites demasiado longas e sentem a falta dos filhos que não souberam manter perto de si. Juntos, tentam agarrar o futuro que sabem ser demasiado breve.

Neste novo livro, a inesquecível Olive continua a surpreender-nos com as suas tiradas, a comover-nos com a sua humanidade e a inspirar-nos a aceitar o mistério e o tumulto da vida, vincando o seu lugar como uma personagem literária mais real que a própria vida.
Um romance magistral e comovente sobre a solidão, o amor, a perda e os recomeços, e sobre a esperança que resiste em tudo isto.

Outros livros

Na Alfaguara encontram-se publicados O meu nome é Lucy Barton, Tudo é possível e Olive Kitteridge, vencedor do Pulitzer Prize e adaptado a uma série de televisão (com a actriz Frances Louise McDormand no papel principal) vencedora de um Emmy. O próximo romance da autora, Oh William!, está previsto ser publicado nos EUA em Outubro próximo.

terça-feira, 29 de junho de 2021

Acaba de ser publicado um livro sobre a felicidade no local de trabalho

Ser Feliz no Trabalho é o título da mais recente aposta editorial da RH. Esta obra de Reinaldo Sousa Santos, é de leitura indispensável para estudantes e gestores de recursos humanos, líderes de equipas e para todos os que acreditam que o bem-estar no trabalho tem impacto positivo nas pessoas, nas organizações e na sociedade.

O livro
Um livro sobre tudo o que precisa de saber sobre a felicidade no trabalho. Conheça porque o tema da felicidade é central no discurso e planos de vida e de carreira das pessoas e como a promoção do bem-estar no trabalho se tornou um dever ético das organizações. A dimensão social da felicidade no trabalho tem merecido pouca atenção da investigação científica e da gestão de recursos humanos. O autor apresenta uma caracterização do triângulo do bem-estar social, composto por três vértices:
• oportunidades de relacionamento: reuniões de trabalho | encontros de convívio | pausas no trabalho | locais de trabalho | voz e comunicação interna
• apoio social: ambiente positivo | empatia | apoio emocional e instrumental | chefia – relação social | amizade
• valores sociais: respeito | confiança | equidade e não-discriminação | ajuda e gratidão | liderança responsável

Uma escrita fluida e criativa, que pode ser lida num fôlego do início ao fim ou saltitando entre capítulos de acordo com o interesse e a disposição do leitor. É um livro sobre a sua felicidade e a felicidade das pessoas que trabalham consigo. Inclua a leitura deste livro nas suas experiências de prazer e recolha informação relevante para dar sentido à sua vida e à sua carreira. Não deixe de embarcar nesta viagem. Vai valer a pena. Seja feliz, também no trabalho!

O autor
Reinaldo Sousa Santos é professor de gestão de recursos humanos em universidades e escolas de negócios (ISMAI, ISMT, Porto Business School, ANGES). Tem doutoramento em Ciências Empresariais pela Faculdade de Economia do Porto, com tese sobre o Bem-estar no Trabalho. É pós-graduado em gestão de recursos humanos e licenciado em sociologia das organizações. É orador frequente em debates e eventos sobre a felicidade no trabalho. Também é formador, auditor e consultor na área da gestão de recursos humanos. Durante 20 anos, foi Diretor de Recursos Humanos em diversas empresas do maior grupo português do setor ambiental. Liderou equipas e sistemas de gestão distinguidos com a inclusão no ranking das 100 Melhores Empresas para Trabalhar (Exame/Accenture).