sexta-feira, 7 de outubro de 2022

Romance de escritora americana aborda um misterioso acontecimento na vida de Agatha Christie


Nina de Gramont é professora de Escrita Criativa na Carolina do Norte. É autora de The Last September, Gossip of the Starlings e Of Cats and Men. O seu mais recente livro, O Caso Christie (The Christie Affair), «um romance encantador sobre amantes malditos, desgosto, vingança e assassínio» tornou-se um enorme sucesso internacional. A obra será publicada pela Bertrand Editora a 13 deste mês.

Texto de apresentação

Porque desapareceu durante 11 dias a mais célebre autora de policiais e mistério? O que leva uma mulher a um desespero que justifique destruir o casamento de outra mulher? E quão fervoroso pode ser o desejo de vingança? Prepare-se para uma brilhante recriação de um dos maiores mistérios do século XX…
Em 1925, Nan O’Dea infiltra-se no mundo exclusivo e rico da escritora Agatha Christie e do seu marido, Archie. Um mundo de festas de sociedade sofisticadas, fins de semana passados em mansões no campo e uma notoriedade literária cada vez maior. Torna-se, em todos os sentidos, parte integrante da vida deles - primeiro, do casal Christie; depois, apenas de Archie. Não tardará a que Nan se torne também amante dele, desesperada por se casarem, atraindo-o com os seus encantos para longe de Agatha. Mas o plano de Nan não teve início no dia em que conheceu o casal Christie, mas muito antes, décadas atrás, na Irlanda.
Nesse tempo, Nan e o homem dono do seu coração eram metades perfeitas um do outro, para sempre destinados a permanecer juntos - até que a Grande Guerra, uma pandemia e um chocante segredo os separou. Mais tarde, atos de uma crueldade indizível impediram o reencontro num amor que não se pode esquecer.
Quem sabe se a senhora Christie não tem algo que Nan deseja, além do marido? O que pode levar alguém a tornar-se um assassino? De que seria capaz uma pessoa por amor? Que tipo de crime pode ser imperdoável? O mistério brilhante e inesquecível de Nina de Gramont dá resposta a estas e a ainda mais perguntas.

Críticas
«Esta história é sobre assassínio e mentiras, sobre amor e novas descobertas. Adorei por completo, não consegui largar! Li o romance de uma penada.» Reese Witherspoon

«O Caso Christie é uma absoluta maravilha. Consegue ser tanto um mistério que ultrapassa as expetativas quanto uma história comovedora sobre um amor perdido e as várias formas de como a dor pode moldar o nosso carácter.» Kristin Hannah

«Uma história que de tão bela e tão imaginativa encaixa na perfeição lado a lado com um mistério que podia muito bem ter sido engendrado pela própria Agatha Christie. Uma leitura emocionante, mas também enternecedora.» Janice Hallett

Outros livros que podem interessar:
Talento Para Matar - O mistério de Agatha Christie, de Andrew Wilson
A Mulher no Expresso do Oriente, de Lindsay Ashford

quarta-feira, 5 de outubro de 2022

«A Rede Púrpura», o novo tríler obscuro de Carmen Mola

Carmen Mola é o pseudónimo sob o qual três autores — Antonio Mercero, Agustín Martínez e Jorge Díaz — decidiram assinar o seu primeiro romance escrito a três mãos, sem se darem a conhecer publicamente. A Noiva Cigana (Suma de Letras, 2021) inaugurou a série protagonizada pela inspectora Elena Blanco e tornou-se um fenómeno de vendas e da crítica, levando Carmen Mola a ser chamada «a Elena Ferrante espanhola» (El País).
Traduzida em mais de quinze países e com uma adaptação televisiva iminente, a série continua agora com A Rede Púrpura, a publicar na próxima semana.

Críticas de imprensa
«Estou viciada. Um romance policial na sua forma mais pura. A personagem principal, a inspetora Elena Blanco, desperta em nós sentimentos contraditórios [...] Intriga, morte, violência... tudo narrado de uma forma incrível. É um thriller de primeira!» Woman

«Mola, mais uma vez, escreve um romance que não se podemos parar de ler por muito tempo, agarra-nos desde o primeiro capítulo [...] Este segundo livro não desilude. Um thriller muito sombrio.» El 9 nou

sábado, 1 de outubro de 2022

«Agridoce - Como o pesar, a nostalgia e a saudade nos tornam completos», de Susan Cain

Editora: Temas e Debates
Data de publicação: 07/07/2022
N.º de páginas: 320

A perda faz parte da vida.
Numa cultura que valoriza a positividade em detrimento da verdade emocional, segundo o seu código social, tácito, é suposto dizermos que "está tudo bem", e disfarçar quaisquer sinais de tristeza ou fracasso. Somos ensinados desde muito cedo a fazer troça das nossas próprias lágrimas (“choramingas”, “os homens não choram”) e, depois, a admoestar os nossos pesares durante o resto das nossas vidas. Contudo, nenhuma pessoa está invulnerável à doença, às desilusões (familiares, amorosas, profissionais, etc.) e ao luto.
Uma investigação sobre repressão emocional, da psicóloga sul-africana Susan David (autora de Agilidade Emocional), mostra que, quando as emoções são afastadas ou ignoradas, tornam-se mais fortes. A realidade é que aqueles com são dotados de uma orientação agridoce têm que aprender a viver por inteiro numa sociedade que menospreza a tristeza e a nostalgia.

No seu novo livro, a autora de Silêncio - O poder dos introvertidos num mundo que não para de falar, aborda a direção melancólica a que chama “agridoce”: uma tendência para estados de nostalgia, angústia e pesar. No cerne do livro está a ideia de transformar a dor em criatividade, transcendência e amor.
Relatando conversas que teve com investigadores das áreas da Psicologia, Neurociência, etc., com pessoas que passaram por estados profundos de nostalgia (como uma profícua violinista), descrevendo palestras a que foi (como oradora e como uma pessoa do público), idas a retiros, e desvendando um pouco sobre a sua vida pessoal (como um grande desentendimento que teve com a sua mãe quando era adolescente), Susan explica ao leitor a razão por que devemos aceitar as emoções negativas – em vez de a reprimirmos.
Uma das investigações que a autora aborda no livro, em que, entre outros, o neurocientista António Damásio esteve envolvido, conclui que «as melodias nostálgicas ajudam os nossos corpos a alcançar a homeostasia»; que «apenas a música triste provoca estados exaltados de comunhão e deslumbramento».

Cain explora também como podemos transformar as tristezas e as nostalgias que herdamos das gerações que viveram antes de nós: «não só a dor pode durar uma vida inteira, como pode durar muitas vidas.»
Por que razão a criatividade está associada à nostalgia e ao pesar? Como podemos viver e trabalhar com autenticidade numa cultura de positividade forçada? A resposta a estas e outras questões estão nas páginas de Agridoce, um trabalho de pesquisa exaustivo sobre um assunto fascinante mas pouco abordado. Salientar que este livro contém um questionário para o leitor saber qual o seu nível de “agridoçura”.

Excertos
«Se a tristeza não fosse vista pela sociedade como algo ligado à fraqueza, à vulnerabilidade, talvez pudéssemos vê-la – em vez de sorrisos forçados – como a ligação de que necessitamos para nos ligarmos uns aos outros.»

«O pesar e as lágrimas são um dos mais fortes mecanismos de ligação que temos.»

«O agridoce é também o reconhecimento de que a luz e a escuridão, o nascimento e a morte (…) andam sempre a par. (…) A tragédia da vida está inexoravelmente ligada ao seu esplendor».

«Fomos ensinados a pensar nas nossas feridas psíquicas e físicas como irregularidades nas nossas vidas, desvios de como as coisas deviam ter sido; por vezes, como fontes de estigma. (…) os estados mais elevados – de deslumbramento e alegria, assombro e amor, sentido e criatividade – emergem desta natureza agridoce da realidade. Experimentamo-os, não por a vida ser perfeita – mas por não ser.»

«Viver num estado agridoce, com uma intensa consciência da fragilidade da vida e da dor da separação, é uma força subestimada e uma inesperada via para a sabedoria, a alegria e, em especial, a comunhão.»

«Não devemos fingir que o desgosto desaparece. Por muito que a vossa cultura vos diga para sorrirem»

sexta-feira, 30 de setembro de 2022

O novo romance de Manuel Andrade


O novo romance de Manuel Andrade, intitulado O tempo entre os nossos dedos, chega às livrarias a 11 de Outubro. Escrito durante 10 anos, esta obra está já a ser considerada, por muitos, como a mais fecunda do escritor. Uma edição Idioteque.

Sinopse
Este é um romance arrebatador e absolutamente tocante que trata filosoficamente o tempo que nos escapa, esse que se vai num ápice e que já não podemos recuperar, o mesmo que nos leva de lambidos num arrasto.
Tendo por personagem central Afonso, esta obra é um indelével hino à vida e à pulcritude que podemos ir colhendo da existência, nas coisas mais ínfimas, como nos atos sempre tão efémeros.

Excerto
«Há que aproveitar o mais possível, tal qual fôssemos tansinhos que já nascemos diminuídos e a bater palmas no ar enquanto nos babamos e aguardamos pelo autocarro derradeiro, paridos para a degenerescência, é o que é, gente que já nasce finita e que, de finitude em finitude, baterá as botas ainda antes que o diabo pisque um olho, sem sequer chegar a saborear o pleno paladar de um dióspiro.»

Outros livros do autor
Três Bichos te Esperam, Quatro te Comerão (2014)
Lugar de Um Deus que me Livre (2015)
Elogio dos Amantes Derradeiros (2016) Recensão
Minuto do Palhaço Frente ao Espelho (2019)

Leïla Slimani está de regresso com «Vejam Como Dançamos»

A 10 de Outubro será lançado Vejam Como Dançamos, o segundo volume da trilogia "O País dos Outros" da escritora Leïla Slimani, uma das vozes mais importantes da literatura francesa.

«Um romance excecional e poderoso, de uma escritora justamente aclamada.» Salman Rushdie

1968, Marrocos: Mathilde, alsaciana, e Amine, oficial do Exército marroquino, são um casal com uma longa história atrás de si e um incerto futuro pela frente, à imagem do país onde vivem. Esta é a história de uma família hesitante entre a tradição e a modernidade, protagonizada por uma mulher enredada entre duas culturas, sufocada pelo conservadorismo do país onde escolheu viver e dividida entre a dedicação à família e o amor à liberdade. É também a história de um país que acabou de conquistar a independência e que procura o seu lugar, entre o espartilho religioso e o fascínio pelo Ocidente, entre a repressão e o hedonismo.
Leïla Slimani regressa à história da própria família para construir um romance cheio de personagens inesquecíveis e imagens fortes. Retratando um tempo e um lugar em que ressoam os ecos do Maio de 68 e as mulheres encetam o pedregoso caminho da emancipação, a escritora reafirma a sua impressionante destreza narrativa e o olhar clínico sobre a intimidade.

quinta-feira, 29 de setembro de 2022

«A Família Netanhyahu» é um dos livros a publicar pela LeYa em Outubro

Eis algumas das novidades editoriais do Grupo Leya para o mês de Outubro. Destaque para A Família Netanhyahu, Prémio Pulitzer 2022. Este romance de Joshua Cohen (à venda a 18 de Outubro) centra-se no pai do ex-primeiro-ministro israelita.

«Joshua Cohen prova não ser apenas o romancista judeu mais perspicaz e imaginativo da América, mas um dos seus melhores romancistas ponto final.» The Wall Street Journal

Novidades
Escolhi Viver, de Joana Cruz (Oficina do Livro)
A História da Rússia, de Orlando Figes (Dom Quixote)
O Abismo – A Crise dos Mísseis de Cuba 1962, de Max Hastings (Dom Quixote)
Xi – Uma História de Poder, de Kerry Brown (Casa das Letras)
Pedra Branca, de Ethel Feldman e Miguel Vale de Almeida (Ed. Caminho)
O Príncipe do Deserto, de Peter V. Brett (Asa)
A Devoção do Suspeito X, de Keigo Higashino (Asa)

quarta-feira, 28 de setembro de 2022

Novo romance de Abbie Greaves é lançado pela Planeta


Depois do romance de estreia O Silêncio entre Nós, Abbie Greaves regressa com mais uma história marcante, onde aborda questões muito importantes, como a saúde mental e as relações amorosas. Onde Irias Pelo Amor da Tua Vida? é um romance arrebatador e comovente, com todos os ingredientes para apaixonar os leitores.


«Pungente e comovente, esta marcante história de amor aborda questões muito importantes. Excecional.» Sun

terça-feira, 27 de setembro de 2022

Romance escrito por James Patterson Dolly Parton está entre as próximas novidades

Eis quatro romances que estão prestes a ser publicados, respectivamente, pela Presença, Bertrand, Alfaguara e Casa das Letras Editoras.

A Camareira, de Nita Prose
Sejam bem-vindos. Sou a vossa camareira. Entro nos vossos quartos e conheço os vossos segredos.
Molly, a camareira, está completamente sozinha no mundo. Sim, está habituada a ser invisível, e é isso mesmo que também é no Regency Grand Hotel, onde, todos os dias, dobra roupa, faz as camas dos quartos de lavado, põe miniaturas de champô e pequeninos sabonetes nas casas de banho, limpa o pó e os segredos que os hóspedes deixam para trás quando fazem check-out. Ela é apenas uma camareira - porque haveria alguém de reparar nela?
Mas isso está prestes a mudar radicalmente. Todos os holofotes se viram para Molly quando é ela quem descobre o famigerado Mr. Black morto e bem morto na cama da sua suíte. Este não é o tipo de confusão que Molly pode limpar rapidamente. Porém, à medida que a teia de mentiras, sussurros, pistas e enganos se vai espalhando pelos corredores do Regency Grand Hotel, ela descobre que tem, dentro de si, um dom para a investigação. Sim, é apenas uma camareira - mas o que conseguirá Molly ver que todos os outros ignoram.


Sobre Isto Ninguém Fala, de Patricia Lockwood
Vídeos ridículos, memes delirantes, notícias falsas, fact-checking, comentários furiosos, opiniões sensatas, fotografias de gente feliz, atualidade política, gatos. Quando cruzamos a primeira página deste romance, a protagonista ganhou notoriedade devido aos seus posts numa rede social e viaja pelo mundo ao encontro de fãs apaixonados. Espaço virtual como espaço vital, sente-se totalmente absorvida pela nova linguagem e etiqueta daquilo que designa como «o portal» e debate-se com a convicção inabalável de que os seus pensamentos são agora ditados por um coro de vozes infinito.
Contudo, ameaças existenciais começam a ganhar forma - as alterações climáticas, a precariedade económica, a ascensão política de um «ditador» por nomear ou uma epidemia de solidão -, e ela e os seus posts lançam-se num salto cada vez mais fundo no vazio do portal: uma avalancha de imagens e palavras que se acumulam num ecrã pós-sentido, pós-ironia, pós-verdade, pós-seja-o-que-for. De súbito, duas mensagens da mãe quebram o fluxo...


Ao Ritmo do Harlem, de Colson Whitehead
Ray Carney tem uma história semelhante à de várias outras do seu bairro. É vendedor de mobília, pai de família, homem pacato. Pouca gente sabe que ele descende de uma linhagem de rufiões e que, sob a aparência de normalidade, há várias pontas soltas no seu caminho.
Como o dinheiro nem sempre chega, Ray desenrasca-se com esquemas trapaceiros e biscates pouco recomendáveis, à boleia das atividades ilícitas do primo Freddie. Mas há um dia em que os planos dão para o torto e Ray cai numa teia de corrupção, crime e pornografia, a que não faltam polícias duvidosos e arruaceiros sem escrúpulos. Começa aqui a sua vida dupla e Ray vai percebendo melhor quem realmente puxa os cordelinhos por ali.

Foge, Rose, Foge, de Dolly Parton e James Patterson

Rose é uma estrela em ascensão, e canta sobre a vida difícil que ficou para trás. Também está em fuga. Encontra um futuro, larga um passado. Foi para Nashville a fim de reclamar o seu destino. É também ali que a escuridão da qual fugiu pode encontrá-la. E destruí-la.

segunda-feira, 26 de setembro de 2022

A tão aguardada biografia do único Prémio Nobel da Literatura português

Acaba de dar entrada nas livrarias As 7 vidas de José Saramago, a aguardada biografia de José Saramago. Esta obra escrita por Miguel Real e Filomena Oliveira é publicada no ano em que se cumprem cem anos sobre o nascimento do Prémio Nobel da Literatura 1998.

Da infância na Azinhaga à consagração em Estocolmo, As 7 vidas de José Saramago ensaia o retrato da vida de um homem profundamente comprometido com o ofício da escrita...
Escrita com total acesso aos arquivos da Fundação Saramago e contendo testemunhos inéditos, esta é a biografia íntima de um homem universal, que se forjou no idealismo de um mundo mais justo e se comprometeu a mudá-lo através da Literatura.

domingo, 25 de setembro de 2022

Novas publicações a cargo das editoras Planeta e Presença


Hotel Portofino
é uma história arrebatadora de superação pessoal num período turbulento do século XX. Este romance de J. P. O’Connell, a editar pela Planeta, tem como pano de fundo um hotel onde a paixão, a diversão e a intriga estão à espera dos leitores.



Uma nova edição de Os Filhos de Anansi, da autoria de um dos mais reconhecidos autores de fantasia da atualidade, Neil Gaiman, chegará às livrarias em Outubro, pela Editorial Presença. Num prodigioso exercício de imaginação, esta é uma história audaz, movida pelo caos, a sorte, o azar e o engano, que ilumina, de forma estranha e magnífica, o lado mais divino da humanidade.

sábado, 24 de setembro de 2022

A aguardada primeira biografia de Lula da Silva


A primeira biografia de Lula Inácio da Silva, no momento em que se recandidata à presidência do Brasil, já está disponível em todas as livrarias.
A história improvável de um homem que se tornou, simultaneamente, símbolo e agente de mudança de um dos maiores países do mundo. A partir de dezenas de horas de depoimentos e com acesso direto e constante a Lula, Fernando Morais, exímio biógrafo, conduz o leitor de forma hábil pela história magnética e carismática de um homem que marcou um país. Lula - Biografia - Volume 1 contém revelações inéditas. Uma publicação da Editora Objectiva.

sexta-feira, 23 de setembro de 2022

«Curar a Dor de Costas», livro de médico americano, chega aos leitores portugueses


Curar a Dor de Costas é um bestseller do New York Times, com mais de 1 milhão de exemplares vendidos, do Dr. John E. Sarno, «o médico das costas mais famoso dos Estados Unidos», que tem ajudado milhares de pessoas a descobrir e estimular a conexão mente-corpo para curar dores de costas sem medicamentos, cirurgia ou fisioterapia. O livro já está à venda e é publicado pela Editora Arena.

«Mais de metade da população portuguesa sofre de dores nas costas. Trata-se mesmo da principal causa de sofrimento em Portugal. Quando se torna crónica, a dor nas costas tem um grande impacto na qualidade de vida.» Science plataform CBMR.

Sinopse
Tem dores recorrentes nas costas ou no pescoço? Estas lhe impedem de viver uma vida plena? Se sim, pode estar a sofrer de STM (síndrome de tensão mioneural). A boa notícia é que isso pode mudar!  Oferecendo uma solução surpreendente e não invasiva para o que é considerado uma epidemia de dor, a investigação do médico John E. Sarno sobre a síndrome de tensão mioneural revela que o stress, a ansiedade e outros fatores psicológicos, e não problemas estruturais, são a causa da dor crónica. A STM desenvolve-se como resultado de emoções reprimidas que provocam tensão no corpo e privam os músculos e nervos de oxigénio.
Com histórias de casos e os resultados de uma pesquisa aprofundada sobre a relação mente-corpo, o autor revela como pode reconhecer as causas emocionais da sua STM e explica como cortar as ligações entre dor mental e física... e começar hoje a recuperar a sua qualidade de vida, sem dores de costas.

quinta-feira, 22 de setembro de 2022

Já está disponível uma edição actualizada do «Código do Trabalho»

As Edições Sílabo publicaram a 19 de Setembro a 9.ª edição do Código do Trabalho.

Organização de Glória Rebelo.
Licenciada e mestre em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDUL) e, ainda, mestre em Sistemas Socio-organizacionais da Atividade Económica e doutora em Sociologia Económica e das Organizações, ambos pelo Instituto Superior de Economia e Gestão, Lisbon School of Economics & Management. Especialista nas áreas de Direito do Trabalho, Relações Laborais e Políticas Públicas, exerce a atividade regular de professora universitária e de investigadora. Além de autora de diversos livros, como Estudos de Direito do Trabalho (2019), é, também, autora de diversos artigos publicados em revistas científicas e técnicas e em jornais nacionais.

Novos livros das Edições Mahatma

Oligoterapia – Diáteses de Ménétrier, de Celso Batello

O que é a oligoterapia?
Técnica baseada em reposição de minerais e vitaminas, promete equilibrar o organismo e reduzir medidas, estrias e celulite.
A Oligoterapia vem preencher uma lacuna imensa na terapêutica, já que é suscetível de corrigir as alterações funcionais do indivíduo, que formam um quadro nosológico peculiar onde a terapia clássica não encontra atuação e aplicação consistentes. Com efeito, muitas vezes não se consegue elaborar o diagnóstico clínico baseado num substrato anatómico ou mesmo anatomopatológico, facto que inviabiliza uma terapêutica correta e adequada.
A leitura desta obra pode esclarecer um pouco mais o tema das Diáteses de Menetrier, abrindo perspetivas para o uso inteligível dos oligoelementos na saúde humana e porque não na Medicina Veterinária e até, no mundo vegetal.


Meditação e Alegria Supra-Sensorial, de Lurdes Pinheiro

A arte de meditar, traz-nos de volta, todas as virtudes e poderes da alma. Através deste ato, é fácil começar a sentir leveza interior, que se reflete em pensamentos positivos, e numa atitude mental positiva perante a vida.
A autoconfiança também começa a ser visível internamente, manifestando-se sobretudo na segurança que temos ao pensar, falar e agir em sintonia. Esta segurança, traz consigo o amor-próprio, amor pelo Supremo e pela Humanidade. A experiência prática do Raja Yoga, diz-nos que, à medida que resgatamos as virtudes divinas que existem nas profundezas do ser, ao unirmos de uma forma real e prática os nossos pensamentos à Fonte de Luz Suprema, é como se muitas vezes houvesse um sorriso interior, como resultado da satisfação da alma. Podemos facilmente imaginar o amor a sorrir, com um brilho único que só ele tem. Aqueles que conhecem Deus, sabem que é impossível haver no mundo um sorriso tão bonito, porque é a expressão de todas as virtudes e poderes divinos, de uma só vez.

Livro de Monja Coen entre as novas publicações de não-ficção

O Luto por Um Animal de Estimação, de Millie Jacobs
Ama-te como Deus te Ama, de Jesús María Silva Castignani


Tu Atrais o que é Teu
, de James Allen
Emoções, de Osho

A Voz na Sua Cabeça, de Ethan Kross 
Vida e Morte
, de Monja Coen

quarta-feira, 21 de setembro de 2022

O novo romance de Ian McEwan é publicado a 27 deste mês

«O livro mais forte de um dos mais admirados escritores contemporâneos.» É assim que o jornal britânico The Guardian elogia Lições, o novo romance de Ian McEwan, que será lançado em Portugal - pela Gradiva - em simultâneo com a edição original inglesa.


Lições é a narrativa íntima épica da vida de um homem através de gerações e convulsões históricas: da Crise de Suez à crise dos mísseis de Cuba, da queda do Muro de Berlim à atual pandemia, Roland Baines cavalga a maré da história, mas mais frequentemente luta contra ela.
Quando o mundo ainda contabilizava os custos da Segunda Guerra Mundial e a Cortina de Ferro se fechou, a vida de Roland Baines, de onze anos, vê-se virada do avesso.
A três mil quilómetros do amor protetor da mãe, encerrado num internato, a sua vulnerabilidade atrai a professora de piano Miss Miriam Cornell, deixando marcas, bem como uma memória de amor que nunca se desvanecerá.
Agora, quando a sua mulher desaparece, deixando-o sozinho com o filho pequeno, Roland é forçado a confrontar-se com a realidade da sua inquieta existência.

terça-feira, 20 de setembro de 2022

Novidade das Edições Sílabo: «Psicoterapia – A Cura pelo Diálogo»


Psicoterapia – A Cura pelo Diálogo é o primeiro título de uma nova coleção das Edições Sílabo: PSIU! Uma coleção de pequenos ensaios que chama os leitores para os temas da psicologia. Com base científica atual, aposta na divulgação do saber psicológico para todos os públicos.

Sinopse
O que é a psicoterapia? Do que trata?
Quando se deve procurar a psicoterapia?
Que orientações teóricas guiam as intervenções psicoterapêuticas?
A que práticas recorre?
A psicoterapia é uma intervenção eficaz respeitadora da complexidade humana?
Como funciona?
Que investigações sustentam a psicoterapia como uma prática baseada em evidência?
Dirigido a um público vasto, este livro responde a estas e outras questões que caraterizam os conhecimentos e as práticas da psicoterapia moderna.

«Além de útil, este livro é oportuno já que permite que um público leigo, mas atento, perceba porque pode e deve recorrer a uma psicoterapia, que não é apenas uma conversa como muitas outras, mas uma efetiva cura pelo diálogo.» Isabel Leal, psicóloga e psicoterapeuta, autora, co-autora e organizadora de diversos livros, entre os quais Psicoterapias (Pactor, 2018)


O autor
David Dias Neto é Licenciado em Psicologia na Universidade de Lisboa, em 2002, tendo realizado estágio profissional e exercido subsequentemente no antigo Hospital Júlio de Matos. Neste contexto teve a oportunidade de trabalhar, entre outros, em internamento psiquiátrico, ambulatório e em núcleo de intervenção comunitária. No serviço de psicoterapia comportamental participou na Consulta de Stress Traumático e nos grupos de stress de guerra. Durante este período termina a formação em Psicoterapia na Associação Portuguesa de Terapias Comportamental e Cognitiva e o mestrado em Stress e Bem-Estar.
Em 2007 sai do Hospital para fazer doutoramento em Psicologia Clínica, que termina em 2011. Entre 2011 e 2016 fez parte da direção da Ordem dos Psicólogos Portugueses, sendo subsequentemente presidente do Conselho de Especialidade de Psicologia Clínica e da Saúde até 2020.
Atualmente é professor auxiliar no ISPA – Instituto Universitário – e investigador da unidade de investigação APPsyCI, onde leciona e investiga nas áreas da psicologia clínica e da saúde e psicoterapia. A par desta atividade, exerce ainda como psicoterapeuta e dá formação.

Outra novidade da Sílabo: Código do Trabalho (9.ª edição)

São novidades de Setembro da Editora Sistema Solar

Babilónia, de René Crevel
Ser ou não ser: 3 histórias, de Honoré de Balzac

segunda-feira, 19 de setembro de 2022

Dois novos títulos enriquecem a coleção 'Dois Mundos' da Editora Livros do Brasil


Escrito com uma clareza acutilante, O Acontecimento é um romance poderoso sobre sofrimento, justiça e a condição feminina. Escrito pela francesa Annie Ernaux (n. 1940) em 1999, foi adaptado ao cinema em 2021 por Audrey Diwan, num filme vencedor do Leão de Ouro em Veneza.

Texto de apresentação
Uma jovem de 23 anos, estudante universitária brilhante, descobre que está grávida. Tomada pela vergonha, consciente de que aquela gravidez representará um falhanço social para si e para a sua família, sabe que não poderá ter aquela criança. Mas, na França de 1963, o aborto é ilegal e não existe ninguém a quem possa acorrer. Quarenta anos mais tarde, as memórias daquele acontecimento continuam presentes, num trauma impossível de ultrapassar e cujas sombras se estendem para além da história individual.



Cristo Parou em Eboli é considerada a obra-prima de Carlo Levi (1902-1975), adaptada ao cinema e estudada nas escolas italianas. Jacinto Lucas Pires assina a nova tradução portuguesa deste livro do escritor italiano, que nas palavras de Jean-Paul Sartre: «Em Levi, tudo se harmoniza, tudo se encaixa.» Salientar que há mais de seis décadas Cristo Parou em Eboli estava indisponível na rede livreira portuguesa. 

Texto de apresentação

Pequeno conjunto de casinhas empilhadas sobre um precipício de argila branca, Gagliano surge aos olhos de Carlo Levi, naquela tarde de agosto de 1935, como uma terra às portas da civilização, da História, da humanidade. «Nós não somos cristãos», dizem os seus habitantes. «Cristo parou em Eboli.» Foi para esta localidade, na região empobrecida e isolada da Lucânia, no sul de Itália, que o médico, pintor e escritor se viu enviado para confinamento por oposição ao regime fascista de Benito Mussolini. Durante os cerca de dez meses que ali viveu, Levi refletiu sobre aquela paisagem, as suas gentes e a sua resignação à pobreza, à ruralidade, à perpetuação das crenças dos antepassados. Em 1945, publicou o testemunho desta experiência, uma narrativa envolvente na qual se mistura ficção, memória, registo sociológico, ensaio e literatura de viagem.

domingo, 18 de setembro de 2022

Paulus publica livro com correspondência da Irmã Wilson

Mary Jane Wilson foi uma religiosa inglesa, nascida na Índia, fundadora da ordem religiosa das Irmãs de Nossa Senhora das Vitórias. Entre os madeirenses ficou conhecida como a Boa Mãe. Em 2013, foi declarada Venerável pelo Papa Francisco.
A Paulus Editora publicou recentemente um volume com correspondência (inclui 128 cartas) e documentação da Irmã, que faleceu em Câmara de Lobos em 1916.


Irmã Maria de S. Francisco Wilson

A obra que temos, finalmente, entre mãos é a concretização de um velho sonho, nascido e acalentado nos finais do século XX e simultaneamente a resposta a uma necessidade talvez ainda mais antiga. Na década de 90, enquanto em Roma, no âmbito do Processo de Beatificação, se preparava a Positio sobre a vida, virtudes e fama de santidade da Irmã Maria de S. Francisco Wilson, sentiu‑se fortemente a necessidade de fazer uma publicação completa dos seus escritos, contribuindo não só para uma maior divulgação da sua vida e obra, mas também permitindo que a mesma fosse estudada com rigor e objetividade, a partir das próprias fontes. Do prefácio

sábado, 17 de setembro de 2022

Durante a 2.ª quinzena de Setembro serão publicados novos livros de Jo Nesbø e Camilla Läckberg

A Caixa é uma emocionante viagem à parte mais obscura da alma humana. Escrito a quatro mãos, pelos suecos Camilla Läckberg (autora de livros como Asas de Prata e A Gaiola de Ouro) e Henrik Fexeu (um mentalista reconhecido mundialmente e um dos mais respeitados especialistas em linguagem e comunicação corporal), este é o primeiro título de uma das trilogias mais fascinantes, envolventes e impactantes dos últimos tempos.

Sinopse
Quando uma mulher é encontrada morta numa caixa de madeira, com o corpo perfurado por espadas, a polícia de Estocolmo fica perplexa: é difícil saber se é um truque de magia que acabou em tragédia ou um ritual macabro.
As investigações são confiadas a uma equipa especial: um grupo heterogéneo de agentes selecionados — e alérgicos a procedimentos institucionais —, entre os quais se destaca, pela sua competência como investigadora, Mina Dabiri. É a própria Mina que sugere envolver neste caso o famoso mentalista Vincent Walder, profundo conhecedor da linguagem corporal e do mundo do ilusionismo. Juntos, partem na caça ao assassino, mas a personalidade de ambos, marcada por pequenas e grandes obsessões e segredos indescritíveis, dificulta a investigação, também porque o seu próprio passado acaba por estar perturbadoramente ligado ao caso.
Com o aparecimento de mais um corpo, Mina e Vincent percebem que enfrentam um implacável assassino em série e dão início a uma emocionante corrida contra o tempo, para decifrarem os códigos numéricos e truques de ilusionismo de uma mente brilhante e perversa. Antes que a situação se agrave, a única arma de que dispõem para evitar que o assassino volte a matar é antecipar os seus movimentos: só compreendendo plenamente a sua loucura poderão acabar com ela.

 

O Homem do Ciúme é o novo tríler de Jo Nesbø, o mestre da literatura policial nórdica. Neste seu primeiro livro de tríleres mais curtos, o autor nascido em 1960 atrai habilmente o leitor enquanto folheia as emoções mais poderosas e fatais da humanidade.

Sinopse
Na Grécia, encontramos um detetive que se tornou perito em ciúme graças a algumas lições duramente aprendidas na sua vida privada. Longe, num outro país, um taxista encontra o brinco da sua mulher num carro pertencente ao patrão e parte à descoberta de como ele lá foi parar. No alto dos céus, uma mulher que contratou o seu assassínio está a bordo de um avião em direção a Londres. E quem é o homem que está sentado ao seu lado?

quinta-feira, 15 de setembro de 2022

«O Novo Território Selvagem», um retrato profundamente humano da maternidade

Em O Novo Território Selvagem, a autora americana Diane Cook apresenta uma visão distópica do mundo, explorando, por um lado, o desdém do ser humano pela natureza e, por outro, a imensidão do amor de uma mãe. Este romance de estreia foi finalista do Booker Prize de 2020. A tradução portuguesa esteve a acargo de Miguel Batista. Um livro publicado pela Bertrand Editora.

Alberto Miranda, especialista em famílias reais, publica biografia da Rainha Elizabeth II

Do mesmo autor de As Dez Monarquias da Europa (Ed. Casa das Letras, 2022), chega às livrarias a 27 deste mês Isabel II - Rainha e Mulher. Nesta obra biográfica, Alberto Miranda - jornalista e comentador, especializado em famílias reais - aborda a vida pública e o universo íntimo da Rainha que faleceu no passado dia 8.

Sinopse
Rainha à escala planetária, símbolo para toda a humanidade, conhecida nos quatro cantos do planeta, Isabel II é um verdadeiro ícone dos séculos XX e XXI.
A vida oficial da rainha é pública e amplamente mediatizada, mas a sua vida privada foi sempre um verdadeiro mistério. É o mergulho nesse mistério que este livro pretende e se propõe.
Como encarou o passar dos anos? Como preparou a sua sucessão? Qual o seu papel na união dos Windsor e nos elementos desestabilizadores da sua família?
Além das suas responsabilidades como soberana e chefe da Igreja Anglicana, quais os seus gostos, os seus hobbies, comidas, roupas e joias? Qual a relação com as suas casas privadas?
Estas e outras perguntas serão respondidas através da investigação cuidada de Alberto Miranda, suportada nos relatos de próximos e de especialistas que com ela privaram ou tiveram uma relação directa.
Neste livro, o primeiro escrito em português inteiramente dedicado à Rainha, os seus 96 anos de vida e 70 de reinado são analisados numa perspetiva temática, cuja narração, plena de detalhes e curiosidades, não obedece necessariamente à cronologia.

quarta-feira, 14 de setembro de 2022

Mais casos de psicopatas portugueses, para conhecer no novo livro de Joana Amaral Dias


A Oficina do Livro edita esta semana Psicopatas Portugueses, Livro Segundo, da psicóloga clínica e criminologista Joana Amaral Dias, depois de o primeiro volume, que se tornou num fenómeno de vendas em Portugal por ser o primeiro e único trabalho clínico que reunia os principais protagonistas da criminologia portuguesa.

Novidades poéticas da AKIARA: «Tempo de haikus» e «Uma quinta»

Duas novidades infanto-juvenis acabam de chegar às livrarias com o selo da AKIARA books. São livros de poesia inseridos numa coleção de aspecto artesanal impressa localmente e que respeita os critérios da ecoedição. Com encadernação com costura exposta, textos cuidados e ilustrações cheias de beleza e pormenores, estes livros despertam nas crianças a capacidade de se espantarem diante da natureza e prestarem atenção ao instante presente.

Tempo de haikus
Texto de J. N. Santaeulàlia
Ilustrações de Luciano Lozano


Um haiku é um poema muito breve com apenas
três versos curtos, originário do Japão.
Um haiku ajuda-nos a sentir plenamente o instante
e a descobrir a beleza dos pormenores.
Convidamos-vos a fazer uma imersão na natureza,
uma viagem pelas quatro estações.


Uma quinta
Texto de Alex Nogués
Ilustrações de Alba Azaola
Uma quinta.
Galinhas, aranhas,
mochos, pegas, gansos…
E duas cadelas.
E sete primos
que constroem dias e ninhos.
Que incubam ovos.
Que brincam, experimentam,
observam, descobrem,
despertam para o mundo,
abrem-se ao espanto.

segunda-feira, 12 de setembro de 2022

De Itália e da Dinamarca chegam as obras «Como um Suspiro» e «A Trilogia de Copenhaga»

São duas grandes apostas do Grupo LeYa para a rentrée literária.

Como um Suspiro é um romance tocante e sinuoso sobre memória e arrependimento, passado entre Roma e Istambul. Da autoria de Ferzan Ozpetek, escritora que segundo o Corriere dela Serra «tem o toque mágico à la Agatha Christie.»


Considerada «uma obra-prima» pelo The Guardian, A Trilogia de Copenhaga reúne num único volume Infância, Juventude e Relações Tóxicas, os três livros fundamentais de Tove Ditlevsen, aclamada como uma das vozes mais importantes e singulares da literatura dinamarquesa do século XX. Uma obra corajosa e honesta que representa um exercício pioneiro no campo da escrita confessional, explorando temas como a família, o sexo, a maternidade, a toxicodependência e as dificuldades da mulher para ser artista.

Conhece aqui e aqui outras novidades da LeYa.

Miss Marple está de regresso, na voz de 12 escritoras de suspense da actualidade

É uma notícia que vai agradar os fãs da personagem Miss Marple - criada por Agatha Christie -, a detective amadora e solteirona que vive na pacata vila de St. Mary Mead. Novos Mistérios de Miss Marple é uma coleção de doze novos mistérios de Miss Marple, escritos por talentosas novas vozes da ficção moderna de mistério e crime. Entre elas constam Ruth Ware (autora de A Mulher do Camarote 10), Lucy Foley (autora de A Última Festa) e Leigh Bardugo (autora de Cerco e Tempestade).
Novos Mistérios de Miss Marple, a publicar pelas Edições Asa no próximo dia 13 (o mesmo dia em que será lançada simultaneamente nos EUA e no Reino Unido), este é um belíssimo tributo à memória da inigualável Rainha do Crime.

Sinopse
A velhinha mais encantadora e perspicaz de todos os tempos está de volta.
Quase cem anos depois de ganhar vida pela mão de Agatha Christie, Miss Jane Marple regressa, tão surpreendente (e divertida!) como dantes, recriada por doze escritoras de renome. São doze histórias em que Miss Marple se depara com enigmas e intrigas dignas da sua mente astuta e do seu poder de observação ímpar.
Alguns mistérios são arrojados, enquanto outros são mais tradicionais, mas todos têm algo em comum: o amor pela personagem de Jane Marple. Seja na pacatez de uma aldeia inglesa, na exuberância de uma festa em Nova Iorque, ou mesmo num imprevisível cruzeiro rumo a Hong Kong, a essência do adorável detetive mantém-se (bem como o seu característico brilhozinho no olhar).

domingo, 11 de setembro de 2022

«O Nosso Irmão», um romance tocante da escritora francesa Clara Dupont-Monod

Um romance tocante e delicado. O Nosso Irmão é uma novidades preparadas pela Editorial Presença para a rentrée literária - chega às livrarias a 21 deste mês. Clara Dupont-Monod, a autora, é uma jornalista francesa premiada com o Prix Femina em 2021. É da sua autoria o romance A Loucura do Rei Marco (Difel, 2002).

Elogios da imprensa
«Intenso e tão vivo, este é um romance delicado - e o mais tocante da rentrée literária.» Le Parisien

«Um romance de uma vitalidade selvagem, onde os lugares, as personagens e a linguagem são protagonistas, escrito por quem transformou a perda, primeiro, em lugar de paz, e, depois, num tesouro.» Elle
Sinopse
Havia uma família - pai, mãe e irmãos. Depois, nesse microclima único e irrepetível - como são todas as famílias -, nasceu um menino. Uma criança de olhos bem negros, que se perdem no vazio; uma criança sempre deitada, com bochechas rosadas e pernas translúcidas, nas quais se veem pequenas veias azuis; um bebé com um o de voz puro e feliz, pés arqueados e palato elevado - um bebé eterno, uma criança inadaptada que traça uma linha invisível entre a família e o resto do mundo.
Esta é a história de uma família: da que existia antes; da que se confronta com um bebé que descobrem diferente; da família que parece ir desabar e depois se transforma e reconstrói, lenta, dolorosa e amorosamente em redor de uma criança; da família que se adapta ao que cada um sente, na pele, no corpo, na alma; e da família que ca, depois daquele menino, que criou um laço inquebrantável, entre irmãos, para sempre.
Esta é a história desse menino pelos olhos dos três irmãos: do mais velho, que o adora e protege; da irmã do meio, que se revolta e quer proteger a família; e do mais novo, que reconcilia as três vozes e une as histórias de O Nosso Irmão.