sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

«A Metamorfose», de Franz Kafka

Editora: Ulisseia
Ano de Publicação: 2011
N.º de Páginas: 112

«Um dia de manhã, ao acordar dos seus sonhos inquietos, Gregor Samsa deu por si em cima da cama, transformado num insecto monstruoso.» Assim, de modo no mínimo peculiar, tem início a obra que Kafka escreveu em 1912 e dada à estampa três anos depois. A Metamorfose é, talvez, a mais conhecida, estudada e citada de todas as suas obras. O foco de atenção que esta novela obteve por parte dos leitores não revela necessariamente que esta seja a sua magnum opus (muitos apontam que a sua melhor obra seja O Processo). O escritor checo foi um homem que viveu em profunda misantropia, ao longo dos 41 anos em que viveu. Este jovem tímido fora oprimido pelo pai, Hermonn Kafka, e incapaz de lidar com a própria fragilidade, encontrou na escrita uma escapatória para transpor a sua dor, de filho não compreendido e rejeitado (Kafka confessou em Carta ao Pai que na literatura se consegue libertar da pesada tutela paterna.) Os estudiosos crêem que muitos dos protagonistas dos livros de Kafka sejam seus auto-retratos, e em A Metamorfose muitos dos temas abordados (a solidão, o conflito familiar, a angústia existencial, a desesperação) coincidem com o percurso de vida do autor nesses 29 anos (idade que Kafka tinha quando escreveu a obra).
Quando Gregor Samsa acorda nessa manhã de sonhos conturbados vê-se na veste de um insecto horripilante e asqueroso, cheio de perninhas. O caixeiro-viajante acorda tarde para o trabalho, com o qual garantia o sustento da família — o pai, a mãe e a irmã (que se entregavam descaradamente à ociosidade) — desde há muito, e sente-se condicionalmente incapacitado de se locomover. Para somar à desgraça, ele sente dificuldade em se acostumar com sua nova estrutura de corpo. Após a sua condição de insecto ser descoberta pela família a verdadeira surpresa não parte desta, mas do próprio, por ver-se desprezado e rejeitado pelos pais, tendo apenas comiseração por parte de Grete, a sua irmã de dezassete anos. Ela será quem tratará de pôr e retirar a sua comida do chão do seu quarto, diariamente, mesmo insegura e com medo. Gregor ganha «o hábito de rastejar em todas as direcções pelas paredes e pelo tecto» do seu quarto e passa a analisar a rotina familiar com a atenção que antes, estando fora de casa a maior parte do tempo, não lhe era possível. Mesmo tendo amealhado dinheiro ao longo da vida, os pais voltam a trabalhar e a irmã também arranja uma forma de ganhar dinheiro; afinal Gregor, o sustento da família, não pode trabalhar mais. A família aluga um quarto da casa a três hóspedes e fazem de conta que o seu quotidiano em nada foi abalado. A falta de diálogo humano na família, esse, continua o mesmo, constata Gregor, ao mesmo tempo que uma ferida lhe vai infectando na carne, deixando-o moribundo. Mesmo afastado do mundo real, por ser ele uma aberração humana, é-lhe mais fácil observar esse outro mundo do qual fizera parte, e assim dá-se conta que alguns dos comportamentos e sentimentos mais baixos da condição humana estão em vigência no seu habitat. Assim, Gregor reflete que há piores metamorfoses além da que é física, aquela que nasce um dia e que corrói por dentro e que atinge os outros por meio de palavras e acções.
Die Verwandlung (título original) é sobretudo uma história de alerta à sociedade e aos comportamentos humanos. A escrita de Kafka é marcada por um estilo simples e directo para transmitir o que povoa no interior da estranha mas bem elaborada galeria de personagens que o autor criou e que são espelhos do mundo não-ficcional. Narrativa breve (de 112 páginas) e de saliente qualidade literária, A Metamorfose é um daqueles livros que provam que um bom livro não tem de ter muito texto. É um clássico instigante que vale a pena ler, guardar e passar testemunho a gerações vindouras. Esta edição da Ulisseia é em capa dura, portanto, é a ideal para perpassar ao longo do tempo.
Já passou mais de um século desde que Kafka escreveu esta obra, mas a mensagem desta continua actual. Afinal, o ser humano continua a apontar o dedo ao que e a quem se difere do padrão estereotipado pela sociedade.
Desenho de Eduardo Antonio Lázaro (não incluído no livro)
Excerto:
«Podemos estar incapacitados de trabalhar num determinado momento, mas esse é o momento certo para nos lembrarmos do que fizemos antes e para pensar que mais tarde, uma vez removidos os obstáculos, vamos trabalhar de forma ainda mais empenhada e concentrada.» (p. 30)

25 comentários:

Violeta Moreira disse...

Um livro brilhante que se lê num abrir e fechar de olhos!

kassie disse...

Li este livro na adolescência e marcou-me profundamente. É um livro inesquecível e com uma mensagem poderosa.

roshy disse...

Um dos meus livros preferidos!! :D

helena frontini disse...

Li-o na adolescência! Tive a minha fase kafkaniana!

Rita disse...

Eu nunca li. Mas sei que é uma referência para muita gente. Talvez um dia.

Revista 21 disse...

É simplesmente um dos meus livros favoritos, um dos (muito) poucos que consigo adjectivar de "perfeitos". Acho que a maioria das pessoas é atraída pela estranheza de Kafka, mas para ser sincero, aquilo de que mais gosto nele é da forma como aborda a normalidade. Um dos maiores génios de sempre da literatura.

Neuza Correia disse...

Uma mensagem com várias interpretações, mas sem duvida, na uma história cativante, que faz pensar e sentir. Uma história bastante visual, muito estranho mas que todos devem ler.

Sandra Santos disse...

É um clássico que toda a gente deveria ler.

JUNI' S STILE disse...

Fiquei com vontade de reler !!

Inês Antunes de Caires disse...

Um livro marcante! Para reler brevemente!

Carla Ramos disse...

Grande clássico que toda a gente deveria ler!

macy disse...

Já li e reli. Muito bom mesmo!
Teresa Carvalho

Dark Omen disse...

Já li este livro a algo tempo, mas apesar de toda a "estranheza" do mesmo, gostei imenso.

Joana Esteves disse...

Ora aqui está um livro que quero muito ler. Vamos ver se será este ano... ;)

Luis Mendanha disse...

Apesar de já muito ouvir falar deste livro,ainda não tive a oportunidade de o ler ;)

Catarina disse...

Li á muito tempo, irei voltar a ler.

Catarina disse...

Li á muito tempo, irei voltar a ler.

Marisa Luna disse...

Ainda não li nenhum livro de Kafka, mas sempre estive curiosa.
Talvez seja em 2014...

Patrícia Xará disse...

Quero ler este livro. Mas não será nos próximos tempos.

Angelina Violante disse...

Olá,

Tenho este livro na estante, mas ainda não li,mas li um em que a metamorfose se dá ao contrário, uma barata que se transforma em homem,Kockroach A Metamorfose de Tyler Knox.

Maria Santos disse...

grande Kafka , tenho algumas obras dele :)

lady hélène disse...

Esta foi uma leitura que me marcou muito, pelo ostracismo a que Gregor foi votado, deixado assim a lidar com a sua nova realidade... Inesquecível!

Ines disse...

Livro extraordinário!! Adorei ler

Lúcia Brandão disse...

Um livro interessantíssimo e que vale muito a pena a sua leitura! :)

Maria Teresa disse...

Um livro que li há 37 anos e adorei.Está na altura de fazer 'revisão de matéria'