quarta-feira, 23 de maio de 2012

O Fantasma de Canterville, de Oscar Wilde

Editora: Estrofes & Versos
Ano de Publicação: 2010
Nº de Páginas:70

Neste conto Oscar Wilde narra-nos a história de um atormentado fantasma que há mais de trezentos anos aterroriza sucessivas gerações da família Canterville, em sua mansão, numa Londres mil-oitocentista. Os últimos descendentes dos Canterville decidem pôr a casa à venda e assim, passarem o testemunho fantasmagórico a outros hóspedes.
Os Otis, uma família americana compra a mansão mesmo advertida das histórias de assombrações. Mr. e Mrs Otis são republicanos e educaram os quatro filhos baseando-se no dogma de um mundo materialista, maquinal e sem floreados líricos nem sentimentalistas. Portanto, o medo desenfreado que os antigos habitantes sentiam em relação ao fantasma («(…) um velho com um aspecto terrível. Os olhos de carvão em brasa, o cabelo grisalho; as roupas, de corte antigo, sujas e rasgadas (…)») para esta família é inexistente e isso comprova-se logo na primeira noite, em que o fantasma se revela aos Otis, mas nenhum membro da família se sente abalado pela sua aparição e até ridicularizam-no. O fantasma – que até aprecia a poesia - passa, então, a temer os vivos quando todas as suas tentativas de assustá-los passam incólumes.
Virgínia é a única dos filhos que deixa o seu sangue-frio de lado e aborda-o, tentando compreender o seu historial de vida e sentimentos. Sim, sentimentos.
A temática gótica do conto está dispersa quanto baste, tornando O Fantasma de Canterville uma leitura prazerosa, regada de ironia e sátira entre as sociedades americana versus britânica.
O Fantasma de Canterville é um exercício de erudição admirável alienado à sagacidade e inteligência característica e pecuiliar de Oscar Wilde.
Uma história de trama simples e muito curta que, infelizmente, termina em menos de uma hora.

4 comentários:

tonsdeazul disse...

Este conto de Oscar Wilde é muito divertido. ;) O autor é magnífico!
Já leste "O retrato de Dorian Gray"?

Miguel Pestana disse...

Com 10 x 15 cm este livro é parco em páginas e texto, mas enorme em talento de Wilde.

Recomendo.

"O Retrato de Dorian Gray" não li.

tonsdeazul disse...

Então quando tiveres oportunidade não deixes de ler, Miguel.
Foi um livro considerado polémico para a época, devido ao seu conteúdo considerado escandaloso, mas é uma obra fascinante. Wilde expõe com mestria a sociedade vitoriana e os seus conceitos de virtude. Mas o que considero realmente o culminar da obra é o confronto do personagem principal, Dorian Gray, com a beleza do retrato e a revelação de não poder permanecer eternamente jovem.
Boas leituras!

Miguel Pestana disse...

Não é ao acaso que é considerado a sua obra-prima, O retrato de Dorian Gray.

Ja tinha lido a sinopse do livro e também ja vi o trailer do filme baseado na obra.

Será para um futuro próximo a sua leitura, assim espero.

Obrigada na mesma pela sua opinião e sugestão Tons de Azul.