sábado, 8 de outubro de 2016

«Deixe de Ser Simpático, Seja Verdadeiro», de Thomas d'Ansembourg

Editora: Pergaminho
Data de publicação: 07/10/2016
N.º de páginas: 264

Vivemos numa época em que comunicamos cada vez mais depressa e cada vez pior. As palavras, nas quais depositamos tanta confiança, não representam mais de dez por cento da nossa comunicação, dizem os especialistas. Muito da nossa linguagem corporal é inconsciente e no mundo actual, tão complexo e competitivo, a capacidade de comunicarmos com clareza, confiança e credibilidade é vital para o nosso sucesso pessoal e profissional. Se nunca prestamos atenção à maneira como transmitimos informação aos outros, se nunca nos foi dito que saber comunicar bem é essencial para vivermos e estarmos em sociedade, não é de estranhar que muitos de nós tenhamos dificuldade em saber comunicar com os outros no sentido de construir e estabelecer relacções de empatia.
O autor deste livro, Thomas d'Ansembourg, é psicoterapeutra e especialista na arte da Comunicação. A base que suporta toda a sua formação é a Comunicação Não violenta (CNV) método fundado pelo americano Marshall Rosenberg , que tem como principal objetivo resgatar o que há de mais genuíno nas pessoas: suas emoções e valores.
Os elementos deste processo de comunicar que privilegia a assertividade são: Observação (O), Sentimento (S), Necessidade (N), Pedido (P). Ao longo do livro, o autor relata vários testemunhos de pessoas que ao pôr em práctica os seus ensinamentos constataram que as suas mensagens eram melhor compreendidas pelos outros, e vice-versa.
O primeiro princípio da CNV, diz-nos o especialista, é substituir todo e qualquer juízo – i.e., toda e qualquer crítica – por uma observação objectiva. Frases que comecem por «eu» em vez de «tu» podem fazer toda a diferença quando quisermos revelar ao nosso ouvinte algum desagrado por x situação; se falarmos do que «nós» sentimos, ninguém pode discutir connosco. Esta é uma das chaves mestras da comunicação emocional, diz-nos o autor de Being Genuine, Être heureux ce n'est pas necessairement confortable e De Je au Nous.
A seguinte citação encontrada no epílogo de Deixe de Ser Simpático, Seja Verdadeiro, resume bem o quanto a CNV pode fazer por nós: «a violência não é a expressão da nossa natureza. Ela é a expressão da frustação da nossa natureza (...) A violência serve para exprimir as nossas necessidades quando estas não são reconhecidas ou satisfeitas.» (p. 241)
Na óptica do desenvolvimento pessoal, este livro, muito fácil de assimilar e recheado de conselhos práticos, ajuda-nos a saber comunicar com os outros, a enquadrar-se no nosso ambiente e, mais importante, a saber comunicar connosco próprios.
Deixe de Ser Simpático, Seja Verdadeiro constitui uma leitura enriquecedora para qualquer tipo de leitor, independente da sua idade, até porque quem não quer comunicar com sucesso?
Há a salientar que, visto que este livro foi originalmente publicado em 2001, o tema da comunicação (violenta) nas redes sociais não é referido. Sem dúvida que esse capítulo teria muito conteúdo por revelar.


Citações
«O julgamento aprisiona o outro. Ele afasta-nos do outro, da realidade e de nós (...) Quando julgo, não me interrogo sobre mim, nem sobre o outro, pelo contrário, separo-me do meu ser profundo e do ser profundo do outro (...) o julgamento paralisa, congela a realidade.» (p. 74)

«A empatia é a chave da qualidade da relação connosco próprios e com os outros. É ela que cura, alivia, vivifica.» (p. 147)

«Estar à escuta é ter confiança na capacidade de ser do outro, que lhe permitirá encontrar por si próprio as suas soluções.» (p. 177)

1 comentário:

Maria Helena Costa disse...

A má comunicação realmente pode levar a equívocos!