segunda-feira, 1 de setembro de 2014

«Também me Salvaste», de Susan Kushner Resnick

Editora: Sinais de Fogo
Data Publicação: Julho 2014
N.º de Páginas: 332

Um homem «excêntrico (…) arrebatador e afectuoso, irracional e perspicaz», é assim que a autora de Também me Salvaste (livro publicado pela primeira vez em 2012 com o título You Saved Me, Too) apresenta ao leitor um dos sobreviventes do Holocausto, Aron Lieb (1919-2011), de nacionalidade polaca.
Casada e com dois filhos, e com menos 44 anos que Aron, Susan K. R. conheceu-o na sala de espera de um centro comunitário judeu, em Nova Inglaterra, em 1996. Criaram desde logo uma empatia profunda e desse encontro inesperado entre duas pessoas tão diferentes, tanto em personalidade como em idade, e tão carentes de afecto, resultou uma relacção de amizade muito sui generis; incomum porque embora — como a autora informa — durante 14 anos — o tempo que durou essa amizade — tenha havido momentos entre eles de alegria, a maioria do tempo entre eles foi perpetuado com acontecimentos dolorosos que contaram sempre com o apoio irrepreensível de Susan. Tendo-se tornado na sua cuidadora pessoal, anos antes de ele ter ido para um lar, Aron depositou a sua confiança na amiga confidente e desabafou com ela as suas memórias mais impiedosas sobre os quatro anos que passara em vários campos de concentração, durante o período nazi. As feridas intrínsecas e indeléveis que nele estavam cicatrizadas desde 1941, através das conversas (e discussões) que mantiveram tornaram-se num bálsamo para a sua saúde mental, que nos últimos anos da sua vida agravara-se — Aron queixava-se de uma «dor no peito» constante, principalmente quando a sua mente recordava-se das atrocidades de que fora vítima; contudo essa dor era psicossomática, consequência da Síndrome de Stress Pós-traumático, de que padecia.
Como o título sugere, a autora revela ao longo da obra que Aron lhe deu o dom de ser capaz de ajudar o próximo, sem pedir nada em troca, além de ter-lhe exposto ao melhor e ao pior que a humanidade é capaz. Ele trouxe-lhe de volta também o seu pundonor e ajudou-a a recuperar o seu casamento com David. Numa passagem de Também me Salvaste ela confessa que Aron Lieb era a sua alma gémea.
Em suma, nesta obra revivemos o Holocausto, mas sem os detalhes mais sombrios da desumanização nazista. Este relato, dado a conhecer através de uma cronologia não retilínea, através de várias intercalações temporais — composição do livro que revela-se por vezes impertinente e confusa — levanta críticas sérias sobre cuidados de fim de vida dos sobreviventes do Holocausto, além de a autora fazer admoestações às instituições públicas e privadas da actualidade que apoiam os judeus idosos; nessas passagens o tom com que a autora escreve torna-se ríspido.
Também me Salvaste, o quarto livro de Susan K. Resnick, é uma história de amor inesperada, entre um casal de amigos, ambos judeus. É também o reflexo de que uma amizade não escolhe sexo nem idade e que é necessário para que uma amizade seja considerada verdadeira, que ela sobreviva a tempos difíceis. Quem salvou quem? «Dei-te uma boa morte, tu proporcionaste-me uma boa vida.»


17 comentários:

Momentos Mágicos disse...

Muito curiosa em ler este livro. Uma história bem interessante

Claudia disse...

Um livro sobre verdades...que deve ser muito interessante. Já está na lista de compras!

Sofia Oliveira disse...

Estou muito curiosa sobre este livro, acho que o vou comprar.

patricia dias disse...

Este tema fascina-me adorava ler este livro

gloria ferreira disse...

gostava imenso de ler este livro porque o tocante é muito importante.

xana disse...

Tudo o que for sobre a II Guerra Mundial é bom livro/cinema pra mim. É um tema que me horroriza como foi possível tal acontecer e me fascina com as histórias de pessoas que salvaram milhares de pessoas.

Jorge Martins disse...

Um tema sempre actual..uma realidade indesmentivel, a ler e a reler!!!

Gracinda Ramos disse...

Tenho bastante interesse pela temática do holocausto, quer em livros como em filmes, por isso este livro suscita-me um interesse em especial. Gostava de o ler.

Bárbara Castro disse...

Tenho para ler :) Livros que falam deste período despertam sempre o meu interesse, o facto de ser uma história verídica e de verdadeira amizade ainda mais!

Inês disse...

O Holocausto é daqueles temas em que tento ler e ver tudo sobre o assunto para melhor conhecer o sofrimento de quem o passou, e as atrocidades que o ser humano é capaz de fazer ao seu igual. Mal li a sinopse deste livro soube que o iria ler. Estou portanto com bastante curiosidade para o fazer.

Marco Silva disse...

A temática é interessante e parece-me um livro que gostaria de ler, também para comparar com outros que já tive oportunidade de ler.

Marco Silva disse...

Espero ler este livro pois a temática interessa-me e poderia comparar com outros que li anteriormente sobre o mesmo tema.

Jamaica disse...

Sem dúvida que estes temas despertam toda a minha atenção.

Anne Silva disse...

Só o título sugere uma leitura e pelo que foi mencionado aqui vale mesmo a pena.

Alex disse...

Pela sinopose aqui apresentada vale a pena comprar. Um bom livro para fazerem um passatempo

Isabel Nascimento disse...

Um livro a não perder...

Arnaldo Santos disse...

Um livro que TODOS os portugueses e cidadãos de TODO o mundo deveriam ler, pois o holocausto NAZI matou milhares de pessoas inocentes e que, infeliz, lamentável e actualmente, o NAZISMO está a ressurgir e as pessoas continuam a dormir! Qualquer dia, será tarde de mais para arrepiar o caminho e teremos nova DITADURA feroz!