quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Manias! (poema de Cesário Verde)

O mundo é velha cena ensanguentada,
Coberta de remendos, picaresca;
A vida é chula farsa assobiada,
Ou selvagem tragédia romanesca.

Eu sei um bom rapaz, — hoje uma ossada, –
Que amava certa dama pedantesca,
Perversíssima, esquálida e chagada,
Mas cheia de jactância quixotesca.

Aos domingos a deia já rugosa,
Concedia-lhe o braço, com preguiça,
E o dengue, em atitude receosa,

Na sujeição canina mais submissa,
Levava na tremente mão nervosa,
O livro com que a amante ia ouvir missa!



Cesário Verde


5 comentários:

André Nuno disse...

Excelente escolha.
Cesário é um embaixador daquela poesia romântica que nem sempre me agrada todavia esta que aqui publicas agrada-me.
Abraço.

Teté disse...

Gosto muito da poesia de Cesário Verde. E não é por ter sido meu "primo"... :)

Miguel Pestana disse...

Eu desconhecia este poema de Cesário, Nuno. Li-o uma única vez e fiquei logo a gostar.

hahaa..Teté.Eu até que nem me importava de ser descendente do Sr. Verde.

teresa dias disse...

Olá Miguel,
Pois eu não sou descendente do senhor mas gosto MUITO dos seus poemas.
Este foi uma óptima escolha.
Quero mais...

Genniffer Moreira disse...

Uma beleza de poema! :)

Boa sexta-feira caro Miguel.