segunda-feira, 18 de março de 2019

«As Paixões de Julia», de Somerset Maugham

Editora: ASA
Data de publicação: Janeiro 2019
N.º de páginas: 288
Depois de Servidão Humana, O Fio da Navalha e O Véu Pintado terem sido relançados pela ASA em Julho de 2016, é agora chegada a vez do romance que o autor britânico Somerset Maugham (1874-1965) publicou em 1937, Theatre de seu título original, ganhar uma nova edição. Carmen Serrano assina a tradução portuguesa desta história que já foi por três vezes adaptada para o cinema: Adorable Julia (1962), Teatris (1978) e Being Julia (2004).
Julia Lambert sempre sentira que estava destinada a pisar os palcos. Com 46 anos, e tido ganhado todos os prémios que haviam a ganhar, ela é reconhecida como a maior actriz de teatro de Inglaterra. Além de talentosa e rica, é uma mulher perspicaz e culta.
É através da sua voz narrativa que iremos conhecer os acontecimentos mais marcantes da sua vida até ao momento presente da história, enquanto ela revisita o álbum de fotografias.
Julia e Michael, o seu marido e manager, têm um filho, Roger, e um casamento que é respeitável, mas cuja chama da paixão já se apagara há muito. Quando num dia ela é abordada por Tom, um homem cinco anos mais velho que o seu filho, que a idolatra, Julia, a priori, se sente envaidecida, mas com o passar do tempo, e com a persistência do jovem cujo ego pede para ser alimentado, ela começa a se sentir atraída por ele.
Será neste cenário que Júlia terá, pela primeira vez, que desempenhar o papel de actriz a tempo inteiro. No teatro como na vida, chega sempre uma altura em que a máscara cai.
As Paixões de Julia é um livro que tem a capacidade de nos deixar a reflectir sobre a nossa própria vida, nos actos que são espontâneos e nos que são pura performance. Através de uma escrita elegante e bem urdida, juntando a inteligência e sensibilidade de Somerset Maugham (um médico que nunca chegou a exercer a profissão), é oferecido ao leitor nesta obra um olhar e estudo fascinante sobre a beleza, a infidelidade e o envelhecimento.


Excertos
«”As pessoas não querem razões para fazer o que gostariam de fazer”, reflectiu. “Querem desculpas.”» (p. 130)

«(…) a vida é tão curta e o amor tão transitório. A tragédia da vida é que, por vezes, conseguimos aquilo que queremos.» (p. 233)

«É a nossa fraqueza e não a nossa força que nos granjeia a afeição daqueles que nos amam.» (p. 261)

Está quase a chegar «Os Fins do Mundo»

A tradução portuguesa do livro de não-ficção The ends of the world, escrito pelo premiado jornalista científico americano Peter Brannen, está quase a chegar às livrarias. Quem o publica é a Editorial Bizâncio.

Sinopse
Os Fins do Mundo, eleito pela Forbes um dos melhores livros sobre meio ambiente, clima e conservação em 2017, é uma apaixonante viagem pelas cinco extinções em massa que a Terra conheceu no passado, o que se perdeu em cada uma delas e o que nos podem revelar sobre o nosso – não tão distante – futuro.
Muitos cientistas acreditam agora que as mudanças climáticas do século XXI poderão vir a ter consequências para o nosso planeta muito próximas dos devastadores efeitos destas cinco extinções em massa.
Preocupados com as implicações desta realidade, Peter Brannen e alguns dos mais destacados paleontologistas, exploram cada uma destas etapas de caos e destruição e usam as pistas que deixaram no registo fóssil, para nos revelarem tudo o que se perdeu e nos alertarem para a importância de preservar o planeta.
À medida que a nossa civilização continua a desafiar o clima, temos de perceber quais são os limites, antes que seja tarde de mais.

Índice
1. Origens
2. A extinção em massa do final do Ordovícico
3. A extinção em massa do Devónico Tardio
4. A extinção em massa do final do Pérmico
5. A extinção em massa do final do Triássico
6. A extinção em massa do final do Cretácico
7. A extinção em massa do final do Plistocénico
8. O futuro próximo
9. A derradeira extinção

Novos livros infantis: «As Três Pedras» e «O Período Azul do Melro»

As Três Pedras
de António Ramalho e Catarina Bico
Esta é a história de um menino que persegue o destino.
Uma procura incessante por algo de maravilhoso.
Pelo caminho, encontra muitas tentações, e quem sabe se lhes resistirá.
Ele aprende que o mundo só é bom com um sorriso no rosto.

O Período Azul do Melro
de Marion Deuchars
O Melro adora pintar na companhia do seu melhor amigo: o morcego.
Porém, certo dia, o morcego resolveu partir numa grande viagem e o Melro ficou triste. Tentou pintar, mas tudo o que pintava era azul e triste.
Os seus amigos tudo fizeram para o animar, mostrando-lhe quantas cores bonitas existem no mundo, mas o Melro continuava triste, muito triste…
Conseguirão os seus amigos fazê-lo descobrir de novo o prazer das cores?
E o morcego, regressará para voltar a pintar com o amigo Melro?

Depois de O Melro Artista chega agora um livro sobre a importância da amizade, com as belíssimas ilustrações a que Marion Deuchars já nos habituou.

quinta-feira, 14 de março de 2019

Novo livro de João Tordo: «A Mulher que Correu Atrás do Vento»

No Dia do Pai, chega às livrarias o décimo segundo romance de João Tordo. A Mulher que Correu Atrás do Vento é «um livro a quatro vozes sobre o poder do amor e o vazio da perda».

Sinopse
1892, Baviera. Lisbeth Lorentz, uma professora de piano, apaixona-se por um aluno de treze anos que sofre de autismo. Ao descobrir que ele é um prodígio, instiga-o a compor um concerto durante as aulas e, um dia, sem explicação, fá-lo desaparecer.
1991, Lisboa. Beatriz, uma estudante universitária — que sonha com a mãe falecida —, envolve-se com o autor d’A História do Silêncio, um romance sobre Lisbeth Lorentz.
Ao mesmo tempo, enquanto voluntária num abrigo para mendigos, Beatriz conhece Lia, uma adolescente com um passado incógnito e um presente destruído.
1973, Londres. Graça Boyard, portuguesa, dá à luz a primeira e única filha. Fugida de Lisboa para escapar à tirania do pai e à mordaça da ditadura, regressa à capital após a Revolução, tornando-se uma actriz de renome — e abandonando a filha ainda criança.
2015, Lisboa. No consultório de uma terapeuta, Lia Boyard desfia a sua história, dos anos de mendicidade ao momento em que decide procurar a mãe. É aqui que começam a unir-se as pontas da história de quatro mulheres, que atravessam um século e diferentes geografias, unidas por uma força que transcende a própria vida.

quarta-feira, 13 de março de 2019

Guimarães Editores compila num só volume vários ensaios do filósofo alemão Gottlob Frege

Friedrich Ludwig Gottlob Frege (1848-1925) foi um matemático, lógico e filósofo alemão. Trabalhando na fronteira entre a filosofia e a matemática, Frege foi um os principais criadores da lógica matemática moderna. Deste autor, acaba de ser publicado em Portugal, com tradução de António Zilhão (Professor Associado com Agregação de Lógica e Filosofia no Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras de Lisboa), e com a chancela da Guimarães Editores, o livro Cinco Ensaios Lógico-Filosóficos.
Sinopse
Dos cinco ensaios apresentados neste livro, os três primeiros - Funktion und Begriff (Função e Conceito), de 1891, Über Sinn und Bedeutung (Sobre Sentido e Denotação), de 1892, e Über Begriff und Gegenstand (Sobre Conceito e Objeto), também de 1892 - foram publicados por Frege, quase de rajada, no período mais criativo da sua vida lógico-filosófica, isto é, o período que mediou entre a publicação daquelas que são habitualmente consideradas como as suas duas grandes obras de maturidade - Os Fundamentos da Aritmética (1884) e o primeiro volume das Grundgesetze der Arithmetik (Leis Fundamentais da Aritmética) (1893).
Os dois outros ensaios foram publicados em data posterior a 1893. Trata-se de um ensaio de 1895, Kritische Beleuchtung einiger Punkte in Ernst Schröders Vorlesungen über die Algebra der Logik (Elucidação Crítica de Alguns Pontos nas Lições sobre a Álgebra da Lógica de Ernst Schröder), e de um ensaio de 1904, Was ist eine Funktion? (O que é uma Função?).

Oficina do Livro com sugestões de leitura inspiradoras em Março

O que é que a vida profissional, o empreendedorismo e o Caminho de Santiago de Compostela têm em comum? O livro Bom Caminho!, que a Oficina do Livro lança no próximo dia 19, é uma grande história para aqueles que auspiciam melhorar a sua vida.
O autor espanhol, o empresário e especialista em PNL (Programação Neurolinguística) Josepe García Miguel, é um peregrino convicto desde há seis anos (todos os anos faz o Caminho de Compostela, uma experiência que lhe mudou a vida).
Outro livro inspirador, também com o selo da editora da LeYa, é Vida Acrescentada, a biografia de Nuno Santos, contada pela irmã, a psicóloga Raquel Santos. Desde ontem que está disponível em qualquer livraria portuguesa.
Aos 16 anos, diagnosticaram um cancro a Nuno Santos. Entre os tratamentos dolorosos, a cirurgia para remoção da anca, a colocação de uma prótese e a superação da doença. Após 4 anos, a prótese deslocou-se, voltaram os internamentos, mais intervenções cirúrgicas e uma perna sem mobilidade. Após muita ponderação, decidiu amputar a perna. Hoje vive sem dores e sem limitações. Afirma que já viveu mais nos últimos meses do que nos últimos dez anos.
Sinopse
Bom Caminho!
Marco García Frei não sabe o que significa essa saudação, nem como ela vai transformar a sua vida. Ele, um empreendedor nato, cheio de objetivos, problemas, dúvidas e, em muitos casos, resignação, é uma pessoa do século XXI como qualquer um de nós que, no fundo não está disposto a viver sem a esperança e a paixão que tinha imaginado. Acabando no Caminho de Santiago, ali, para seu assombro, começa a viver experiências que o farão converter-se numa pessoa com muito mais transparência, serenidade e esperança, num ambiente quase mágico cheio de surpresas.
Bom Caminho! é também um relato que ocupou o vazio que existia na narrativa em língua espanhola sobre a experiência transformadora que constitui a rota de Santiago. Consegue rapidamente que o leitor se identifique com o protagonista e se veja a participar nas mudanças de ele sofre. Aos que são peregrinos fará reviver muitos momentos transformadores, e aos que não o são dotará de excelentes ideias para uma vida melhor e vontade de tentar esta experiência única.
Sinopse
Quando perder se transforma em ganhar.
Ninguém jamais imagina que aos 16 anos alguém vai dizer-lhe que tem cancro. Nuno não era exceção, quando em 2008, depois de uma tarde de surf, caiu e sentiu uma forte dor na anca. Começou aí a história que a irmã Raquel narra neste livro. O diagnóstico era de um cancro ósseo com 3% a 5% de possibilidade de sobrevivência.
Foram centenas de exames, várias operações, tratamentos mais e menos evasivos, em que Nuno poucas vezes mostrou fragilidade, mas em que finalmente teve de revelar o cansaço e ir buscar forças a quem sempre o acompanhou neste caminho: a mãe e a irmã. E a tudo quanto o faz feliz. Unidos em cada etapa, sempre com a mesma dedicação, o mesmo amor e a certeza de que juntos venceriam o medo e que o final nunca seria trágico.
Vida Acrescentada é uma história de vida contada nas primeiras pessoas. Quem foi diagnosticado com a doença e quem o acompanhou na luta diária e ainda o acompanha na superação. Raquel e Nuno são dois irmãos que, entre sorrisos e a forma positiva e aberta de ver a vida, representam uma luz de esperança para todos os que passam por uma experiência assim ou semelhante. Um livro que será uma inspiração para os leitores.

terça-feira, 12 de março de 2019

Livro de haikus de poeta japonês nascido no séx. XVIII entre as próximas publicações do Grupo Porto Editora

O Arquipélago do Cão, de Philippe Claudel (Sextante)
Philippe Claudel, com mão de mestre, escreve uma história notável, uma negra parábola sobre o cinismo, a indiferença e a apatia moral que invade o nosso tempo, tendo como pano de fundo a tragédia das migrações mediterrâneas de hoje.

Os Animais, de Kobayashi Issa (Assírio & Alvim)
Kobayashi Issa integra um grupo restrito de poetas japoneses conhecidos como «Os Quatro Grandes da Poesia Haiku», do qual fazem parte Bashô, Buson e Shikki. Dos seus haikus, cerca de dois mil referem-se a animais. Nunca antes, no universo poético nipónico, tal fenómeno tinha acontecido. Issa será muito seguramente o escritor japonês que mais usou as espécies animais como protagonistas da escrita poética. E fê-lo com tanta maestria e encanto que hoje em dia não há, no Japão, adulto ou criança que não saiba de memória um punhado dos seus haikus.
Conhece aqui outras obras poéticas contendo haikus.

As Neves do Kilimanjaro e Outras Histórias, de Ernest Hemingway (Livros do Brasil)
Esta que é por muitos considerada a mais brilhante história escrita por Ernest Hemingway, publicada originalmente em 1936 na revista Esquire, empresta o título a este conjunto de oito contos. Oito contos centrais na obra de um dos grandes contadores de histórias das letras americanas. 
Pela Porto Editora: Os Meninos de Varsóvia, de Elizabeth Gifford

«Má», de Chloé Esposito

Editora: Bertrand
Data de publicação: 09/02/2019
N.º de páginas: 320
O segundo volume da trilogia Mad, Bad, and Dangerous to Know foi publicado em Julho de 2018 em Inglaterra. A tradução portuguesa, a cargo de Fernanda Oliveira, chegou há um mês às livrarias, e traz-nos de volta a arrebatadora, malévola e perversa Alvie Knightly.
A história começa exatamente onde o primeiro livro parou: Nino foge de Londres e leva consigo o Lamborghini e muito dinheiro, “prémios” que ganhou juntamente com Alvie após os desfalques que cometeram na Sicília. Ao acordar no Ritz, a britânica não quer acreditar que o namorado passou-lhe a perna. Esta femme-fatale (em ambos os sentidos do termo) está irritada e jura vingança.
Nos sete dias seguintes, as capitais europeias Londres, Bucareste e Roma são “abaladas” por um tsunâmi chamado ‘Alvie’, cujas "réplicas" atingirão padres, freiras, prostitutas…
Nesta nova aventura recheada de sexo, adrenalina e humor, esta anti-heroína a quem Chloé Esposito deu vida, vem apresentar aos leitores uma nova faceta sua: além de insana, sociopata e assassina, ela também é pirómana.
Quem leu Louca, sabe que a megalomaníaca narradora desta trilogia é o tipo de pessoa que adoramos ou odiamos, mas que em qualquer um dos casos, é uma personnage que não conseguimos esquecer tão cedo.
é um romance cujo enredo garante que nenhum leitor sensato leve a história a sério. Além de menos engraçado e envolvente, há episódios nesta nova história que parecem completamente surreais. Se no primeiro livro, Chloé Esposito conseguiu fazer-se notar pela novidade da sua escrita mordaz e inteligente, neste segundo título da trilogia o mesmo já não acontece. O enredo também sobrevive pelas sobras da primeira história, e nota-se que os acontecimentos são forçados, ou que tiveram pouco tempo para serem matutados pela escritora.

Porque é que desejo as coisas que me destroem?
Vou focar-me em matar. Vou fazer carreira disso.

«Aí Vem o Hércules!» e outros novos livros para os mais novos

Irmãos, de Rocio Bonilla
Um rapazinho faz uma lista das coisas de que gosta e não gosta na sua irmã... mas vira o livro ao contrário e descobre o que pensa dele a irmã!
Um fantástico livro-duplo para ler e reler, com as maravilhosas ilustrações de Rocio Bonilla.


Guia para Curiosos sobre o Espaço, de Heidi Fiedler e Brendan Kearney
Tens curiosidade sobre o mundo que te rodeia?
Queres conhecer os diferentes planetas do nosso sistema solar?
Gostavas de descobrir mais sobre a Via Láctea e outras galáxias vizinhas?
Então encontraste o livro perfeito para ti!


Aí Vem o Hércules!, de Stella Tarakson
Quando o Tim Baker parte a jarra favorita da mãe, não imagina que esse será o menor dos seus problemas. O herói grego que é libertado ameaça provocar estragos MUITO MAIORES. Nas flores, no tapete…
OH, NÃO! NA COZINHA, NÃO!br>
O Hércules está só a tentar ajudar, mas é um grande ASELHA! Está na altura de mandar este semideus de volta a casa, antes que o Tim passe à história.

O Mistério da Casa na Falésia, de Franklin W. Dixon
Os irmãos Hardy voltam a entrar em ação quando o senhor Hardy desaparece misteriosamente. O desaparecimento parece estar relacionado com um caso que o pai andava a investigar, e todas as pistas apontam para uma enigmática mansão junto ao mar. Conseguirão o Frank e o Joe resolver este quebra-cabeças e salvar o senhor Hardy?
Conhece aqui outra novidade infanto-juvenil.

segunda-feira, 11 de março de 2019

Novidade infantil: «Histórias para rapazes que sonham mudar o mundo»

Em Histórias para rapazes que sonham mudar o mundo, de G.L.Marvel, estão contadas 50 vidas inspiradoras de rapazes que, pela sua força de vontade e resiliência, se tornaram superheróis de carne e osso e mudaram para sempre o mundo em que viviam. Graças a eles, vivemos hoje num mundo melhor e mais cheio de esperança.
Alan Turing, Albert Einstein, Andre Agassi, Antoine de Saint-Exupéry, Charles Darwin, Dalái Lama, David Attenborough, Haile Gebrselassie, Harvey Milk, Iqbal Masih, Jacques-Yves Cousteau, João Garcia, Jamie Oliver, John Lennon, Julio Verne, Salvador Sobral, Leonardo da Vinci, Louis Braille, Aristides de Sousa Mendes, Sebastião Salgado, Stephen Hawking, Cristiano Ronaldo, Mahatma Gandhi, entre muitos outros.
Conhece aqui outros novos livros infanto-juvenis.

O tão aguardado novo tríler de C. J. Tudor

Depois do estrondoso sucesso que foi O Homem de Giz, a escritora C. J. Tudor está de regresso com um novo tríler. Levaram Annie Thorne estará à venda a partir da primeira semana de Abril.
Sinopse
Naquela altura…
Uma noite, Annie desapareceu. Sumiu da sua cama. Houve buscas, apelos. Todos pensaram o pior. E depois, miraculosamente, após quarenta e oito horas, ela voltou. Pensou-se que não queria ou não conseguia dizer o que lhe acontecera.
Mas alguma coisa aconteceu à minha irmã. Não sei explicar o quê. Só sei que quando voltou, já não era a mesma. Não era a minha Annie. Não queria admitir de forma alguma que às vezes tinha um medo de morte da minha irmãzinha…
Agora…
O e-mail chegou à minha caixa de correio há dois meses.
Quase o apaguei de imediato, mas fiz clique para abrir:
SEI O QUE ACONTECEU À SUA IRMÃ. ESTÁ A ACONTECER DE NOVO.
Quando a minha irmã tinha oito anos, desapareceu… mas depois voltou. O pior dia da sua vida não foi quando a irmã foi levada… foi o dia em que ela voltou.

Críticas
«Obscuro, perturbador e imprevisível, Levaram Annie Thorne é outro romance triunfante de C. J. Tudor. Com personagens convincentes e escrita espirituosa, agarra desde a primeira página.»
Jenny Quintana

«Alguns escritores têm talento, outros não, C. J. Tudor tem muito. Levaram Annie Thorne é espetacular em todos os aspetos.»
Lee Child

«Não Te F*das» é um fenómeno de vendas em todo o mundo e chega agora a Portugal

Unfu*k Yourself já foi traduzido em 24 países, do Brasil ao Vietname passando pela Mongólia. Agora chega a Portugal numa edição a cargo da Editora Lua de Papel. Não Te F*das foi o n.° 1 de vendas do New York Times e está nos tops de vendas da Amazon, The Globe and Mail e Publishers Weekly.

Sinopse
Acorda: és um milagre do caraças.
O que te impede de dar o teu melhor? A maior parte das pessoas arranja desculpas como as relações com os outros, a falta de dinheiro, a m*rda de emprego que têm ou uma série desgraçada de circunstâncias aleatórias. Nenhuma dessas justificações interessa. Para nada.
Ao longo de décadas a trabalhar como coach de desenvolvimento pessoal, Gary John Bishop descobriu que só existe um entrave: tu próprio (e os 50 mil pensamentos que tens por dia, muitos dos quais auto-críticos e destrutivos). Portanto, se és do tipo que se ofende facilmente, é melhor não continuares a ler: este livro não é para ti.
Mas, se quiseres descobrir em ti próprio um inesgotável potencial, estás mesmo com muita sorte. Não Te F*das é o manual de instruções para os que se resignaram à sua vidinha, ou para aqueles que querem (muito) mais do que têm. Por outras palavras, é um verdadeiro manifesto para uma mudança real e significativa – e que te permitirá libertar toda a tua grandiosidade.

"Não esperes nem a vitória nem a derrota. Planeia para a vitória, aprende com a derrota."

Gary John Bishop nasceu em Glasgow (Escócia) onde não teve uma infância fácil. Talvez seja essa uma das razões pelas quais se tornou um coach cuja abordagem dispensa floreados: é absolutamente incisiva. Educado nas melhores escolas, especializou-se em ver nas pessoas o que realmente as consome por dentro – e a ensiná-las a atacar o mal pela raiz, com resultados altamente eficazes.
Conhece aqui outros livros com asteriscos no título.

domingo, 10 de março de 2019

Livros que vão chegar às livrarias em Março

Um romance histórico no 500.º aniversário da morte de Leonardo Da Vinci, reedição de um dos livros mais inspiradores de Mitch Albom e um ensaio sobre o ciúme de Augusto Cury: estas são algumas novidades literárias preparadas para saírem este mês.

Para quem não sabe que livro ler, destacamos 15 livros, de 15 editoras, que estão prestes a chegar aos escaparates livreiros.
‘A Vida Escondida Entre os Livros’ (Topseller) é um livro perfeito para bibliófilos e segundo o texto sinóptico, é “um romance que deixa à mostra a alma das livrarias e a paixão dos livreiros”.
O livro vencedor do Prémio Internacional Man Booker 2018, ‘Viagens’, da polaca Olga Tokarczuk, é a grande aposta da Cavalo de Ferro para este mês.
No dia 6, dois romances e um livro de não-ficção dão entrada nas livrarias. Da autora australiana Liane Moriarty, cujos livros podem ser encontrados em 55 países, chega a Portugal ‘Três Desejos’ (Editorial Presença). ‘A Biblioteca Secreta de Leonardo’ é um tríler que tem como protagonista Leonardo da Vinci, e é dado à estampa pela Marcador, no ano em que é assinalado cinco séculos desde que morreu. O fado é hoje visto por muitos como a “canção nacional”, mas nem sempre assim foi. Quem o diz é o autor de ‘As Guerras do Fado’ (Guerra e Paz), livro que conta a história do Fado desde o século XIX até à actualidade.
No sétimo dia de Março, a Editora Livros do Brasil publica um dos mais famosos clássicos policiais de língua francesa: ‘O Mistério do Quarto Amarelo’, de Gaston Leroux (autor do notável romance ‘O Fantasma da Ópera’).
“A pessoa que sente ciúme abandonou-se a si própria, e por isso procura no outro aquilo que não é capaz de dar a si mesma.” Esta é uma das reflexões que se pode ler no novo livro do psiquiatra brasileiro Augusto Cury.
Ainda durante a primeira quinzena de Março, ficarão disponíveis uma versão condensada de ‘Oliver Twist’ (Saída de Emergência), ‘A Proteção dos Menores na Igreja’ (Paulus Editora) — livro que recolhe as intervenções oficiais durante o Encontro sobre a protecção dos menores na Igreja, que recentemente teve lugar no Vaticano —, pela Editora Pergaminho é lançado ‘A Arte Sueca de Deixar a Vida em Ordem’, para os aprumados e fãs de Marie Kondo, e o segundo volume de uma das narrativas mais ambiciosas de Haruki Murakami, ‘A Morte do Comendador’ (Casa das Letras).
No Dia do Pai, pelas Edições Dom Quixote aterra nas livrarias ‘As Regras da Cortesia’, uma nostálgica revisitação da eufórica Nova Iorque dos anos 30; com o selo das Edições Asa chega aos leitores portugueses uma nova edição do romance inspirador e intemporal ‘As Cinco Pessoas que Encontramos no Céu’, do escritor americano Mitch Albom; e um novo romance de João Tordo fica à venda, numa edição a cargo da Companhia das Letras.
Para os mais leitores mais pequenos, a Kalandraka lança uma edição pop-up de ‘A Lagartinha Muito Comilona’, no ano em que se celebra o 50.º aniversário de publicação deste grande clássico contemporâneo para crianças do célebre autor e ilustrador Eric Carle.
(Texto publicado no Diário de Notícias da Madeira, em 10/03/2019)

sexta-feira, 8 de março de 2019

O livro (actualizado) com as alterações ao Regime do Arrendamento Urbano

Novo Regime do Arrendamento Urbano
de Isabel Rocha e Paulo Estima
As alterações ao Regime do Arrendamento Urbano, publicadas em fevereiro de 2019, têm como principal objetivo corrigir situações de desequilíbrio entre arrendatários e senhorios, reforçar a segurança e a estabilidade do arrendamento urbano e proteger arrendatários em situação de especial fragilidade. A nova legislação continua a trazer desafios e a levantar questões legais que afetam a relação entre inquilinos e senhorios.
Nesta nova edição, para além de reunirem as principais normas jurídicas do regime do arrendamento acompanhadas de um conjunto de notas claras e objetivas, os autores incluem uma seleção de jurisprudência sobre os temas que têm sido alvo de apreciação pelos nossos tribunais. Este livro é, por isso, uma ferramenta essencial para clarificar os aspetos legais mais complexos e esclarecer a interpretação e a aplicabilidade das normas.

Novo livro lançado pela Porto Editora dá a conhecer aos leitores a história de Santa Bakhita

Desde o dia de ontem está à venda o livro Santa Bakhita, um romance que narra a história real de Josefina Bakhita, uma mulher vítima da escravidão ao longo de toda a sua vida que em 2000 foi canonizada pelo Papa João Paulo II. A tradução portuguesa deste livro de Véronique Olmi, com o selo da Porto Editora, esteve a cargo de Artur Lopes Cardoso.

Texto de apresentação
Quando Bakhita foi raptada da sua aldeia natal, no Sudão, tinha apenas sete anos e estava longe de imaginar a extraordinária odisseia em que ia transformar-se a sua vida.
Feita escrava pelos raptores, vendida, trocada e oferecida várias vezes, conheceu a maldade humana em toda a sua dimensão e sentiu-a na pele ao ser vítima da crueldade dos seus senhores.
Anos mais tarde, um cônsul italiano comprou-a, e foi na Europa, depois de uma batalha judicial, que Bakhita voltou a conhecer a liberdade. Abraçou, então, a vida religiosa junto das Irmãs Canossianas, em Veneza, e atravessou o tumulto das duas guerras mundiais, consagrando a vida às crianças pobres e auxiliando os soldados feridos.
É essa história que Véronique Olmi conta de forma tocante neste seu romance, que em 2017 venceu o Prémio Fnac e foi finalista dos Prémios Femina e Goncourt – a história de uma criança feliz que veio a passar pelos maiores sofrimentos, mas que acabou canonizada por João Paulo II.

quinta-feira, 7 de março de 2019

Dois novos livros de desenvolvimento pessoal

Hoje, a Albatroz faz chegar às livrarias de todo o país O Código das Mentes Extraordinárias, de Vishen Lakhiani, um dos mais reconhecidos nomes na área do desenvolvimento pessoal. Fundador da Mindvalley, empresa especializada na criação de experiências de aprendizagem focadas no desenvolvimento pessoal, no mindfulness, no bem-estar e na produtividade, este engenheiro informático tem trabalhado para ajudar milhares de pessoas a repensar vidas em “piloto automático”, aprisionadas por regras nunca questionadas.

Uma das novidades para este mês da Marcador, que tem como premissa «Pense como um multimilionário: deixe para trás o emprego das 9 às 6», é o livro Os 10 Pilares da Riqueza, de Alex Becker, um multimilionário empreendedor das tecnologias que criou múltiplas empresas de software online.
Liberte-se das amarras que o impedem de atingir todo o seu potencial, de ter a vida que sempre quis.
Aprenda a pensar como as mentes mais extraordinárias do nosso tempo – a ser genuinamente irreverente. Questione o mundo que o rodeia e crie novas leis para poder viver segundo os seus próprios ideais de amor, educação, espiritualidade, trabalho e felicidade, sem se preocupar com o que os outros esperam de si.
O código das mentes extraordinárias vai ajudá-lo a criar uma nova e melhor versão de si próprio, a romper com as regras instituídas que o aprisionam e a encontrar os princípios de vida que verdadeiramente o preencham e façam feliz.
Seja ousado e defina as suas próprias regras. Viverá uma verdadeira transformação.


O mundo fê-lo acreditar que a liberdade financeira não é algo que possa criar intencionalmente na vida. Ensinaram-lhe a ver a riqueza como algo que acontece apenas a alguns sortudos que ganham a lotaria ou são abençoados com um talento inimaginável.
A verdade é que criar riqueza financeira não se resume a sorte ou talento. Resume-se simplesmente às suas crenças, compreensão e pontos de vista - os pilares que reforçam cada ação sua.
Alex Becker não só lhe indica os pilares mais importantes, como também lhe mostra como trazê-los para a sua vida hoje, a fim de começar a gerar liberdade financeira para toda a vida.

«O Rapaz do Gueto de Varsóvia» e «Os Meninos de Varsóvia», em breve à venda

Mais informações aqui
O Rapaz do Gueto de Varsóvia, livro baseado em factos, é um relato de guerra pelos olhos de uma criança e do seu carrasco. É também uma história emocionante sobre coragem e o poder do perdão. Esta obra da escritora alemã Eva Weaver chega a Portugal a 18 de Março e terá o selo da Topseller.
«Eu tinha 12 anos quando o casaco foi feito. Nathan, o nosso alfaiate e querido amigo, começou a costurá-lo para o meu avô na primeira semana de março de 1938. Esse foi o último ano de liberdade para Varsóvia e para todos nós.»

Mais informações aqui
A 21 de Março, chega outro livro também com o holocausto como tema central. Os Meninos de Varsóvia é inspirado na história do Dr. Janusz Korczak, o bom doutor que acompanhou 200 crianças para o campo de concentração de Treblinka.
O gueto de Varsóvia foi habitado por meio milhão de pessoas. Menos de um por cento sobreviveu para contar a sua história. Este romance de Elisabeth Gifford é inspirado nos relatos reais de Misha e Sophia e na vida de um dos heróis silenciosos da Grande Guerra.

Editora Fábula lança biografias escritas especialmente para as crianças sobre personalidades como Leonardo da Vinci e Anne Frank

De artistas e cientistas, passando por personalidades revolucionárias, esta é uma nova colecção da Editora Fábula, de biografias escritas por Isabel Thomas para crianças, com um visual moderno e atrativo, replecta de ilustrações muito coloridas de Katja Spitzer.
Quem foram Fernão de Magalhães, Leonardo da Vinci, Anne Frank e Charles Darwin? Estas são as personalidades dos primeiros 4 volumes, que ficarão disponíveis na secção infanto-juvenil das livrarias já a partir de 18 de Março.

Navegador e explorador português, Fernão de Magalhães ficou famoso por ter comandado a primeira viagem de circum-navegação do globo. É lembrada como uma das mais difíceis e ousadas aventuras de sempre.
Inteligente, corajoso e determinado, este homem fez importantes descobertas marítimas e provou que a terra é redonda!

Leonardo da Vinci foi uma das mentes mais extraordinárias de sempre. Génio visionário, desenvolveu inúmeras obras de referência como cientista, arquiteto, pintor, engenheiro, matemático ou escultor. A sua curiosidade e a sua imaginação eram ilimitadas.
Foi o autor de Mona Lisa, uma obra que se tornou um ícone, e projetou máquinas que se tornaram essenciais na evolução da ciência e da indústria, tais como o velocípede e a hélice.

Anne Frank era uma rapariga irrequieta e feliz. Devido à perseguição feita aos judeus na Alemanha Nazi, Anne e a sua família emigraram para a Holanda.
Também aqui começaram a ser ameaçados e foram obrigados a esconderem-se num anexo durante dois anos. Neste período difícil, Anne, que sonhava ser escritora, escreveu um diário. Anne Frank é hoje lembrada como uma heroína.

Curioso, observador, metódico e reflexivo, Charles Darwin é um dos cientistas mais conhecidos de todos os tempos.
Não se deixou vencer pelo cansaço nem pelos fortes opositores e, após décadas de trabalho árduo, apresentou a Teoria da Evolução por Seleção Natural que revolucionou para sempre a ciência.

quarta-feira, 6 de março de 2019

Está a chegar uma edição limitada do tríler «O Homem de Giz»

Um dos tríleres mais falados de 2018, O Homem de Giz, será reeditado pela Editorial Planeta numa edição limitada com nota da autora e um fim alternativo.

«E assim, cá estamos. Nunca antes tinha escrito a introdução de um livro. Mas a verdade é que há dois anos nem pensava que alguma vez viria a publicar um livro. E muito menos uma edição especial. Estou encantada com a ideia. E extremamente grata.»
C. J. Tudor

Passatempo: «A Grandeza das Coisas sem Nome», de Enrique Arce

https://www.facebook.com/silenciosquefalam/photos/a.187362988008873/2114550508623435/?type=3&theater
Passatempo a decorrer na página deste blogue no Facebook, aqui.

sábado, 2 de março de 2019

Silêncio... que se vai lançar um livro sobre o Fado

As Guerras do Fado, livro de Alberto Franco, com a chancela da Guerra e Paz Editores, tem o apoio da Sociedade Portuguesa de Autores, e chega às livrarias no próximo dia 6 de Março.
O fado é hoje visto por muitos como a «canção nacional», mas nem sempre assim foi: «Os ataques ao fado começaram pouco depois do seu aparecimento. Alguns intelectuais oitocentistas associavam‑no ao crime. Achavam-no mórbido, lutuoso, indigno duma nação civilizada.»
Muito antes de se ter tornado Património Cultural Imaterial da Humanidade, o fado recolhia ódios e descrenças de todas as áreas da sociedade em Portugal. Até mesmo na medicina. Sabia que o médico Samuel Maia acusou-o, inclusive, de fazer mal ao fígado?
Nem Eça de Queiroz escondeu a sua rejeição à canção popular. Numa crónica publicada em 1867, o vulto da literatura portuguesa considerava que o fado, «uma canção nascida numa cidade como Lisboa, sorna e alérgica à reflexão, tinha de ser inferior ao que existia nas grandes cidades do mundo». Para Eça, o fado não passava de uma comédia encenada «no hospital e na enxovia». O escritor inspirou-se nessa imagem depreciativa para criar a personagem Artur Couceiro de O Crime do Padre Amaro.
Sinopse
Visto como um instrumento de controlo cultural da ditadura, o fado integrou o mito dos três efes: Fátima, futebol e fado. Porém, a verdade é que Salazar não gostava de fado. E o compositor Fernando Lopes-Graça, militante comunista, era da mesma opinião: o fado era uma «canção bastarda». Hoje é um género respeitado e aplaudido, reconhecido como Património Cultural Imaterial da Humanidade, mas muitos foram os ataques de que o fado foi alvo desde que surgiu. Eça de Queiroz considerou-o uma «comédia». O pedagogo António Arroio propôs a troca do fado pelo canto coral, e o médico Samuel Maia acusou-o de fazer mal ao fígado… Muita gente se indignou ao ouvir Amália cantar Camões, e, no pós-25 de Abril, o fado foi confundido com a ditadura que acabara de ser derrubada. Numa obra fundamental para a história do fado, Alberto Franco dá a conhecer os dias menos felizes da expressão fadista, desde o século XIX à actualidade, os seus adversários e os seus defensores.

sexta-feira, 1 de março de 2019

Um dos livros mais inspiradores de Mitch Albom volta às livrarias

Depois de Por Um Dia Mais (Estrela Polar, 2007) e Uma Chamada do Céu (Asa, 2015), a LeYa vai fazer chegar aos leitores portugueses uma nova edição de As Cinco Pessoas que Encontramos no Céu, do escritor, argumentista, dramaturgo e jornalista americano Mitch Albom. Este romance inspirador e intemporal sobre a nossa existência na Terra e para além dela, é inspirado numa figura real. The Five People You Meet in Heaven (título original) foi publicado em 2003, traduzido para mais de 30 idiomas, e é tido como um dos grandes sucessos do autor.
Texto sinóptico
Eddie tem 83 anos e é um homem amargo, solitário e cheio de arrependimentos. Até ao dia em que salva a vida de uma menina e, em consequência disso, morre.
Quando desperta, Eddie encontra-se no Céu. Porém, o que vê à sua volta não é o jardim do Éden mas sim um pequeno grupo. São cinco pessoas com quem se cruzou anteriormente na Terra e que, de maneiras diferentes, contribuíram para alterar o seu destino. Uma a uma, elas vão agora fazer revelações e deslindar enigmas. Pouco a pouco, Eddie vai descobrir o propósito da sua existência terrena e conhecer, por fim, a solução para a eterna questão: Qual é o sentido da vida?
Pois o Céu, na verdade, não é um lugar, é uma resposta. E o fim pode ser apenas o princípio...

«Uma história cheia de sabedoria acerca do valor da vida humana.»
Los Angeles Times

«Uma obra sincera que tem o poder de comover e reconfortar os leitores.»
New York Times

Deste autor nascido em 1958, está publicado também em Portugal As Terças com Morrie, O Guardião do Tempo e Um Pouco de Fé, todos com o selo da Sinais de Fogo.

Romances com o selo da LeYa que chegam às livrarias na última semana deste mês

Magníficos Estranhos, de Elizabeth Klehfoth
Num magnífico dia de verão, Grace Fairchild, a belíssima mulher do magnata do Mercado imobiliário, Alistair Calloway, desaparece da casa de campo da família sem deixar rasto, deixando para trás a filha de sete anos, Charlie, e uma série de perguntas sem resposta. Anos mais tarde, Charlie continua a lutar com a obscura herança do nome da sua família e o mistério em torno do desaparecimento da mãe. Decidida a, finalmente, pôr o passado por trás das costas, Charlie mergulha na vida escolar de Knollwood, a prestigiada escola de Nova Inglaterra que frequenta, e rapidamente se integra entre a elite da escola. Charlie foi igualmente «escolhida» pelo A, a sociedade secreta de elite da escola, conhecida por aterrorizar a faculdade, a administração e os seus inimigos. Pars se tornar membro da mesma, Charlie terá de participar no Jogo, uma caça ao tesouro de alto risco, durante um semestre inteiro, que comprometerá as suas amizades, a sua reputação e até o seu lugar em Knollwood. À medida que os acontecimentos do passado e do presente convergem, Charlie começa a temer que poderá não sobreviver à terrível verdade sobre a sua família e colocar a sua vida em risco.

“Um envolvente mistério... A história de uma longa vingança jogada entre gerações.”
Kirkus Reviews

As Regras da Cortesia, de Amor Towles
Na última noite de 1937, Katey desliza deslumbrante por entre nuvens de fumo num clube de jazz em Greenwich Village. Tem três dólares na carteira e está empenhada em fazê-los render até ao amanhecer. Não será preciso. Porque na mesa ao lado senta-se Tinker, um jovem banqueiro, aconchegado num extraordinário sobretudo de caxemira. E aquele encontro, naquela noite, define a vida de Katey. A remediada filha de emigrantes russos, que sobrevive a custo em Brooklyn, dirá ali adeus ao passado; e dará início a uma imparável escalada social.
As Regras da Cortesia é uma nostálgica revisitação da eufórica Nova Iorque dos anos 30 – uma cidade a recuperar da grande depressão com banhos de champanhe, festas e cocktails. Narrada em flashback por uma protagonista que recorda, décadas mais tarde, aquele amor da juventude.
Primeira obra de Amor Towles (escreveria a seguir Um Gentleman em Moscovo), revela um autor nascido já em plena maturidade estilística. Encontramos aqui a mesma escrita rendilhada e elegante – e a mesma ternura na evocação de uma época de ouro, e de uma cidade e de uma mulher que se reinventam num tempo de promessas.