sábado, 24 de outubro de 2020

Biografia e contos entre as novidades da Sistema Solar

Há novos livros com o selo Sistema Solar a caminho das livrarias: A Vida de Rembrandt, de Kees Van Dongen, e Contos Bravios, de Emília Pardo Bazan.

«Como Suetónio quando retratou os seus doze Césares, como os autores dos Evangelhos, detidos em episódios demonstrativos de um deus-profeta e muito menos no que foi o Cristo histórico, este é um «Rembrandt de Van Dongen» — retrato de um homem que pintou até à exaustão e com uma liberdade que apenas soube colar-lhe um rótulo — um pejorativo rótulo de extravagância — e nunca no seu tempo compreendido como anunciador do que viriam a ser consideradas importantes conquistas formais da pintura. Aníbal Fernandes


«A condessa de Pardo Bazán foi uma incansável contista, lembrada muitas vezes como o Guy de Maupassant espanhol — de quem colheu, por certo, uma proveitosa lição oficinal. Não pelo estilo, que é exemplo forte de uma vocação castiça, mas pela «velocidade» e pela arte de saber transformar singelas anedotas da vida real em factos literários. O número dos seus contos ainda hoje não é dado como certo, e a sua biógrafa Eva Acosta chega a supor que, reunidos os ainda dispersos por jornais sul-americanos, poderão chegar a seiscentos.» Aníbal Fernandes

Porto Editora traz de Inglaterra o romance de estreia de Rosie Price


A Porto Editora irá publicar na próxima semana Memória de uma Cor, o primeiro romance da inglesa Rosie Price. Com tradução portuguesa da autoria de Miguel Romeira, este é «um romance perspicaz e fascinante sobre poder, privilégio e consentimento, que explora os efeitos físicos e psicológicos do trauma, os sacrifícios exigidos no silêncio e a coragem necessária para falar abertamente sobre uma violação.»

Texto sinóptico
Primeira semana de universidade. Max Rippon irrompe pelo quarto de Kate Quaile e a vida dela nunca mais será a mesma. Nos quatro anos seguintes, os dois tornam-se amigos inseparáveis. A influência da rapariga é essencial para atenuar os modos estouvados e a atitude demasiado despreocupada dele, e Max ajuda Kate a vencer a sua timidez natural e o isolamento a que ela voluntariamente se submete. Porém, conhecê-lo é também entrar na esfera de influência dos Rippon, uma família onde a generosidade e o elitismo, o à-vontade social e os ressentimentos privados andam de mãos dadas. A existência de Kate ganha um brilho dourado até ao dia em que uma festa de aniversário se transforma num acontecimento chocante, destruindo-a.

quinta-feira, 22 de outubro de 2020

«A Filha do Grufalão» é um dos novos álbuns ilustrados infanto-juvenis

Isto não é uma Selva, de Rocio Bonilla e Susanna Isern
Tudo começou no dia em que a Paula decidiu dizer que não. Dizer que não era fantástico. A Paula podia fazer o que quisesse...
Mas então algo aconteceu... A sua casa transformou-se numa AUTÊNTICA selva com árvores, lianas, vegetação frondosa... e com todos os animais a pavonearem-se à sua volta.
Da mesma autora de De que Cor é um Beijinho.

Um Bolo para o Lanche, de Christian Voltz
Fazer Um bolo para o lanche não é assim tão fácil quanto parece, nem consultando os livros de cozinha tradicionais ou espreitando receitas online. E que o diga o Sr. Anatole, desesperado perante a chegada iminente da sua convidada, a menina Blanche.
O bolo que está a preparar não tem lá grande aspeto. Valem-lhe, porém, alguns amigos que simpaticamente vão aparecendo em seu auxílio com os sábios conselhos das suas mães. Mas… oh, não! Ou porque as dicas de cada um deles diferem muito da ideia que o Sr. Anatole tem sobre a forma de fazer um bolo, ou porque os ingredientes sugeridos são excêntricos e bizarros, o que deveria tornar-se num delicioso bolo para o lanche vai ficando cada vez mais longe de o ser!


Luzes na Floresta, de David Litchfield
Um dia, quando a Helena ainda era criança, saiu de casa e foi para a floresta. Sentada na Grande Rocha, observava o céu estrelado e sonhava poder viajar no espaço e conhecer seres de outros planetas. Queria descobrir as maiores maravilhas junto das estrelas brilhantes que admirava da Terra.
Quando uma nave espacial aterra ali perto, ela nem quer acreditar. Mas é apenas depois de viajar pelo espaço que percebe que aquilo que procurava estava mais perto do que pensava.
Uma história feliz e nostálgica, com espírito caloroso e reconfortante, sobre laços familiares e a disponibilidade para acolhermos sempre novos amigos no coração.
Do mesmo autor de O Urso e o Piano, O Urso, o Piano, o Cão e o Violino e O Gigante Secreto do Avô.

 

A Filha do Grufalão, de Julia Donaldson e Axel Scheffler
Achando-se valente, a filha do Grufalão aventura-se no bosque escuro e frondoso para conhecer o Rato Grande e Mau, mas rapidamente se arrepende.
Dos mesmos autores de O Grufalão, uma obra recomendada pelo PNL e um dos livros mais procurados pelos pais e recomendado pelos professores.

 

O Lobo que Encontrou a Amizade, de Rachel Bright e Jim Field
O pequeno lobo não quer a ajuda de ninguém, ele é destemido e pensa que consegue fazer tudo sozinho. Mas quando se perde da matilha, descobre algo importante: às vezes, todos nós precisamos da ajuda de um amigo!
Uma história sobre a amizade e a entreajuda, dos criadores do sucesso O Leão Que Temos Cá Dentro.

 

Abre a porta, Toupeirinha!, de Orianne Lallemand e Claire Frossard
Toc, toc, toc! Quem está a bater à porta da Toupeirinha?
BRRRR! Está uma noite gelada lá fora! Estamos em pleno inverno, e a neve cai em grandes flocos. A Toupeirinha está muito quentinha na sua casa, quando de repente... Toc, toc, toc! Quem está a bater à porta? Uma rãzinha, um esquilinho, um texugo… Um a um, os animais da floresta vêm pedir-lhe que os acolha. De repente, bate-lhe à porta um lobo... esfomeado! Que fazer? Que solução vão encontrar a Toupeirinha e os seus novos amigos?

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Novidades Presença: «A Pequena Farmácia Literária» e «Os Pássaros Também Cantam no Inferno»

A Pequena Farmácia Literária
de Elena Molini

Por vezes, o comboio dos sonhos passa antes de conseguirmos chegar à estação. Temos, então, duas hipóteses: ficar a vê-lo partir para sempre ou percorrer a linha a pé e continuar a perseguir os nossos desejos.

Os Pássaros Também Cantam no Inferno
de Horace Greasley
Mesmo nos sítios mais terríveis do mundo, a esperança permanece nas trevas, esperando por uma oportunidade para levantar voo.

Livros de Juan Gabriel Vásquez e Charles Bukowski ganham novas edições


A Alfaguara volta a disponibilizar nos escaparates das livrarias dois títulos do seu catálogo: O Barulho das Coisas ao Cair, «um mistério sedutor entrelaçado com uma reflexão inquietante», do colombiano Juan Gabriel Vásquez, e de Charles Bukowski, aquele que é considerado por muitos como o seu melhor livro, A Sul de Nenhum Norte, «um retrato cru e fulgurante dos americanos que desistiram da sociedade e até de si mesmos.» Ambos os livros têm a tradução assinada por Vasco Gato.

terça-feira, 20 de outubro de 2020

Este ano, o Halloween dos mais pequenos é festejado na companhia dos livros de Kitty e Mortina

A pensar no Halloween, chega às livrarias um novo volume da coleção Kitty: Kitty e o Desfile das Lanternas. O livro é escrito por Paula Harrison e contém ilustrados em tons de laranja e preto por Jennie Løvlie, vencedora do Waterstones Children’s Book Prize.

Na escuridão da noite, o efeito das luzes decorativas e das lanternas iluminadas é tão bonito! Mas, por entre a multidão do desfile, há um ladrão misterioso que rouba tudo o que brilha...
Apanhar o malfeitor e devolver os objetos roubados antes que o festival termine não vai ser nada fácil. Conseguirá a Kitty vencer esta corrida contra o tempo?

 

A tempo do Halloween, chega também o terceiro livro de Mortina, a menina morta-viva.
Integrado na coleção que se tornou um sucesso internacional e com tradução para 23 idiomas, Mortina e o Namorado Fantasma se debruça sobre um tema importante e conhecido de todos. Na obra, é abordado o despertar daquela primeira amizade especial ao longo de uma história muito terna, com notas de terror e imenso sentido de humor.
Com magníficas ilustrações de página inteira e ilustrações divididas em sequências diferentes que escondem pequenos segredos, este livro de Barbara Montini garante uma leitura emocionante que levará as crianças a querer acompanhar esta investigação minuciosamente e a resolver todos os mistérios.

Quem será o misterioso rapaz-fantasma que anda a tentar entrar no Casarão Decadente há dias? A Mortina queria muito descobrir, mas ele não se lembra de nada... nem do seu próprio nome!
Se ninguém o ajudar, o pobre espetro acabará por desaparecer — e logo na altura em que a tia Falecida está a organizar uma tenebrosa festa de Feliz Ano Defunto, no casarão. Juntamente com o Tristonho, o seu fiel galgo albino, a Mortina procura pistas que lhe permitam descobrir de onde vem o seu novo e pálido amigo, lançando-se numa investigação hilariante que fará o teu coração bater acelerado...

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Psiquiatras portugueses assinam os livros «A Ciência do Sono» e «Dicionário de Psicopatologia»

Após editar em Setembro Casos Clínicos em Psiquiatria e Saúde Mental, as Edições Parsifal publicam esta semana A Ciência do Sono, uma obra que «vem preencher um espaço fundamental na literatura científica nacional relativa à ciência do sono», segundo João Bessa, Presidente da Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental, que assina o prefácio. Este livro tem coordenação dos psiquiatras Bárbara Almeida, Carolina Machado, Cristina Fragoeiro e Sofia Gomes.

Com o selo Texto Editores, no final do mês será lançado, da autoria dos psiquiatras Maria Luísa Figueira, Luís Madeira e Pedro Afonso, o livro Dicionário de Psicopatologia

O sono é um estado fisiológico essencial do ser humano, que ocupa um terço da sua vida. Apesar de ser objeto de fascínio e de estudo desde as civilizações mais antigas, o sono suscita ainda hoje muitas dúvidas aos especialistas e levanta questões que continuam por responder.
Esta obra pretende proporcionar aos leitores uma visão abrangente do sono, desde os processos neurobiológicos normais e as suas mudanças ao longo da vida (como na infância, adolescência, gravidez ou envelhecimento) até às alterações induzidas por doença mental e/ou física.
Assim, os inúmeros capítulos apresentam as alterações mais comuns do sono com as quais os clínicos se deparam no seu dia-a-dia, sendo também abordados métodos de diagnóstico e tratamento e o impacto que as alterações têm no bem-estar e na qualidade de vida dos pacientes.  

O Dicionário de Psicopatologia vem dar resposta ao interesse crescente em clarificar o que vivemos quando estamos em sofrimento. Pretende permitir, a cada um de nós, saber identificar melhor os seus sentimentos e exprimir-se em situações de sofrimento ou doença. Vai assim ao encontro da curiosidade de todos os que investem em caminhos de autorreflexão ou que vivem experiências novas, difíceis de pôr em palavras, e/ou perturbadoras.
Pelo seu rigor científico, serve também a especialistas (particularmente psiquiatras e internos de Psiquiatria) que pretendam nomear corretamente fenómenos que decorrem na doença mental. A importância deste dicionário, para a prática e investigação das ciências médicas, humanas e sociais, é enorme em dimensões epistémica, fenomenológica, ética e sociopolítica. Um instrumento valioso quer para os alunos e profissionais de saúde, quer para o público em geral.

Em Novembro chega «O Instituto», de Stephen King, e de Nora Roberts «O Colecionador»

A 6 de Novembro são publicados novos romances dos escritores norte-americanos Stephen King e Nora Roberts, ambos septuagenários. O Instituto tem o selo da Bertrand Editora e O Colecionador é chancelado pela Chá das Cinco.
A meio da noite, na casa de uma rua tranquila de Minneapolis, intrusos matam silenciosamente os pais de Luke Ellis e levam-no numa carrinha preta. A operação demora menos de dois minutos. Luke vai acordar no Instituto, num quarto parecido com o dele mas sem janela. E há outras portas, que fecham outras crianças com talentos especiais telecineia e telepatia - e que ali chegaram da mesma maneira que Luke: Kalisha, Nick, George, Iris e Avery Dixon de dez anos. Todos eles estão na Metade da Frente. Luke fica a saber que há outros na Metade de Trás, de onde nunca se volta.
Na mais sinistra das instituições, a diretora, a senhora Sigsby, e a sua equipa dedicam-se impiedosamente a extrair dessas crianças a força de seus dons paranormais. Não há escrúpulos aqui. Se se colaborar, recebe-se fichas para as máquinas de venda automática. Se não, a punição é brutal. À medida que cada nova vítima desaparece para a parte de trás, Luke vai ficando cada vez mais desesperado para sair e pedir ajuda. Mas nunca ninguém conseguiu fugir do Instituto.


Uma mulher sem laços. Um homem que não acredita nas evidências. Uma rede de enganos que os pode destruir…
Lila Emerson é uma mulher desapegada. O seu trabalho a cuidar de casas na ausência dos proprietários permite-lhe ter liberdade para dar voz à escritora que há em si. Até ao dia em que, da janela do apartamento onde trabalha, testemunha um crime que vai alterar a sua vida para sempre. Ashton Archer não acredita que o seu irmão seja o responsável pelo crime e por isso pede a Lila, a única testemunha do crime, que o ajude a descobrir o que realmente aconteceu. Mas a intensa atração entre Ashton e Lila pode pô-los a ambos em perigo, num jogo mais letal do que eles alguma vez imaginaram.
De Manhattan às villas italianas, a investigação vai levá-los ao perigoso mundo do tráfico de antiguidades, onde o desejo de obter o objeto mais valioso se torna numa obsessão mortal.

sábado, 17 de outubro de 2020

Suzanne Collins regressa ao universo de «Os Jogos da Fome» («The Hunger Games»)

A Editorial presença vai publicar na próxima semana a tão aguardada prequela de Os Jogos da Fome. Este novo romance de Suzanne Collins intitula-se A Balada dos Pássaros e das Serpentes e tem tradução assinada por Jaime Araújo.

«Para os verdadeiros fãs de Os Jogos da Fome, Suzanne Collins brilha ainda mais ao tecer pormenores fascinantes que dão profundidade ao tenebroso mundo que a autora criou na série original e ao lugar de Coriolanus na história.»
Time Magazine

«Se leu Os Jogos da Fome de uma só vez, prepare-se novamente para uma longa jornada - porque A Balada dos Pássaros e das Serpentes é quase impossível de parar de ler... É extremamente empolgante, provocadora e pertinente.»
Amazon Book Review

Novos livros lusófonos: «Bela » e «Silvana»

Bela é o título mais recente da escritora Ana Cristina Silva. Segundo a Bertrand Editora, é «um romance psicológico envolvente, arrebatado e original que narra as paixões, os desencontros, os reveses e a força criativa de uma poeta cuja vida terminou cedo demais mas cuja obra perdura.»

A Gradiva apresenta este mês aos leitores o livro que ganhou o Prémio Revelação Agustina Bessa-Luís 2019: Silvana. De acordo com o júri do Prémio, este é «um romance que articula, com desenvoltura, o jogo de prudências e astúcias das relações humanas». Segundo a autora Cristina Cosme: «A escrita é a estética da palavra ao serviço das ideias e do pensamento, é prazer e reflexão para quem escreve e também para quem lê, para os amantes da literatura que veem e vislumbram o que antes não viram ou não foi dito. Nunca saberemos o que virá depois desse prazer e desse pensar».

A 8 de dezembro de 1930, Florbela Espanca tirou a própria vida. Era o dia do seu aniversário. Fazia 36 anos.
A vida de Florbela é um retrato de um espírito criativo, insatisfeito, complexo, com laivos de luz e sombra no Portugal na viragem do século XX.
Nesta biografia ficcionada, Ana Cristina Silva faz mais do que contar-nos a história de Florbela, abre-nos a porta para os seus sentimentos, pensamentos e paixões.
Florbela foi uma mulher não convencional, que ousou viver plenamente, ainda que muitas vezes tenha sido infeliz. Encontrou na poesia, desde tenra idade, a natural expressão das suas paixões, das suas mágoas, de um erotismo sublime e sempre, sempre da procura do Grande Amor. Recusou viver pela moral dos outros e teve a coragem de abrir o seu próprio caminho.

 


Uma geração marcada por uma educação austera e paternalista vê-se impelida a gerir o obscurantismo do passado com uma nova visão do mundo e a nova liberdade oferecida. Afonso é um homem atormentado, exemplo da incapacidade de encontrar o equilíbrio entre os dois opostos. Silvana enfrenta um relacionamento cruciante fruto desse desajuste e regenera-se, delineando um plano dinâmico, com o qual terá reveses e glórias. A história sem sentido de Bruneida, personagem ambígua, mensageira de um destino incauto ou perverso, apenas a distrai e retarda o seu intento. O encontro com Bártolo remete-nos para o leitmotiv do seu futuro. Silvana é o fio condutor da narrativa que concentra a essência da sua temática - o desafio em transpor o que se proclama impossível. Um olhar sobre a natureza humana, os sobressaltos da vida, o sofrimento, a vontade de ser ator do seu próprio destino. E o amor, nas suas várias facetas. E o futuro, capaz de descolar-se do passado. Ou conceder-lhe uma nova leitura.

sexta-feira, 16 de outubro de 2020

«O Olhar Que Me Persegue», de Helene Flood

Editora: Dom Quixote
Data de publicação: Setembro 2020
N.º de páginas: 368

Além de Viajo Sozinha, de Samuel Bjork, a Dom Quixote publicou recentemente outro livro vindo directamente da Noruega. O Olhar Que Me Persegue, um tríler doméstico intimidante vendido para 26 países, marca a estreia da psicóloga Helene Flood (n. 1982) na ficção.

A história, que tanto vai agradar os fãs de Agatha Christie como os de Hitchcock, tem Oslo como pano de fundo. A narradora e protagonista chama-se Sara Lathus, uma mulher perto dos 30 anos, casada com Sigurd. Ambos trabalham por conta própria: ela dá consultas de Psicologia num anexo da moradia em que vivem e que estão e reabilitar; ele é sócio de um ateliê de arquitectura.
Numa sexta-feira aparentemente normal, Sigurd, que havera combinado passar o fim-de-semana com uns amigos na cabana da família, perto da área florestal de Krokskogen, não aparece no local. Os amigos informam a psicóloga, mas ela diz que o marido telefonou-lhe assim que chegou ao destino. No dia seguinte, o corpo de Sigurd é encontrado cadáver na floresta.
Nos dias seguintes, Sara, uma mulher com poucos amigos e com uma relação distante com a família, em especial com o seu pai, a quem nunca chegou a compreender as suas ideias controversas e fundamentalistas, encontra apoio na irmã, uma advogada que vai tentar protegê-la das investigações da polícia, que apontam Sara como uma suspeita do homicídio.
Ao passar a viver sozinha na casa, ela começa a ouvir ruídos e vozes: «Não se pode confiar no medo. O medo engana os sentidos, perturba o raciocínio.» Será que alguém quer tentar minar a sua credibilidade, a fazê-la parecer louca?
«Esta é a minha vida, a minha tragédia, e terei de viver com ela para o resto dos meus dias.»
O Olhar Que Me Persegue é um romance de suspense psicológico onde a sensação de desconforto se insinua pouco a pouco, consoante o desenrolar dos acontecimentos, que se adensam também.
Os capítulos não são curtos, o que não é muito comum neste género literário, mas como o ritmo é veloz, este método que a autora escolheu para este romance torna-se eficaz.
É um tríler psicológico bem escrito, que aborda temas como as relações conjugais, a solidão, a culpa, a vergonha, a mentira e os traumas. Salientar que Helene Flood é uma psicóloga doutorada em violência, revitimização e traumas, conhecimentos que provavelmente suportaram e deram mais complexidade a algumas passagens deste livro.
O Olhar Que Me Persegue já tem os seus direitos cinematográficos vendidos para a produtora Anonymous Content (True detective, Revenants).
O único ponto negativo a salientar no livro, tem que ver com a revisão pouco atenta - pelo menos cinco gralhas podemos encontrar ao longo do livro.

Novidade Chiado: «Navegações pelo Tempo», de Rúben Marques

O novo livro de poesia de Rúben Marques intitula-se Navegações pelo Tempo. Esta obra tem a chancela da Chiado Books, que em 2017 desde autor publicou também Um Pedaço de Viagem.  
Se te apaixonares por um poeta

Se te apaixonares por um poeta,
Lembra que as palavras podem apurar
Os pormenores até à crueza,
Ebulindo subitaneidades de subtileza
Capazes de embriagar
E enlear os estratos do sentimento.

Conseguirás seguir o avoamento
Daqueles que nos habitam,
Nos extremos de excesso e ausência
E sob limites de ganho e perda?
Porque só esses modos habilitam
O sustento da vivência
De uma alma insaciada.

Conseguirás partilhar
A tua pele numa perceção?
As tuas brechas irão delinear
Curvas no perfil do verso,
Porque cada imperfeição
É uma possibilidade ímpar
De esboçar um universo.

terça-feira, 13 de outubro de 2020

Novos livros baseados em histórias verídicas estão quase a chegar às livrarias

Encontrar o Amor em Auschwitz, de Francesca Paci
Vogais, à venda a 19 de Outubro

A história real, mas injustamente esquecida, de um prisioneiro polaco e de uma judia que se apaixonaram no campo de extermínio de Auschwitz. Tem por base os arquivos do Museu de Auschwitz, bem como documentos da época e relatos das já poucas testemunhas deste amor.

A Espia Inesperada, de Tracy Walder e Jessica Anya Blau
Edições Desassossego, à venda a 6 de Novembro
Um relato inspirador de uma mulher que teve de desafiar as suas expectativas para defender o seu país. A Espia Inesperada é a história fascinante da entrada de Walder na CIA e, mais tarde, no FBI. Em salas de alta segurança, ela analisou as movimentações de membros da al-Qaeda enquanto o presidente Bush observava por cima do seu ombro e o diretor da CIA lhe trazia donuts.

Uma Vida Adiada, de Dita Kraus
Edições Desassossego, à venda a 6 de Novembro

Um livro envolvente, em que memórias vívidas e detalhadas se entrelaçam com a narrativa de um dos períodos mais traumáticos da História.
Dita escreve com rigor sobre as difíceis condições dos campos, sobre o seu papel como guardiã da mais pequena biblioteca do mundo e sobre o papel fundamental que os livros tiveram como escape da realidade. E vai além do Holocausto, apresentando a vida que reconstruiu depois da guerra: o seu casamento com o sobrevivente Otto B. Kraus, a nova vida em Israel e a maternidade.
Esta é a verdadeira história da bibliotecária de Auschwitz contada pela sua protagonista.

Isto Nunca Aconteceu, de Lara Prescott
Saída de Emergência, à venda a 11 de Novembro

Uma obra‑prima banida. Duas espias. Um livro que transformou a História.
1956. Boris Pasternak está a escrever
Doutor Jivago, um livro controverso capaz de provocar dissensão na União Soviética. Com medo do seu poder subversivo, os soviéticos censuram‑no e proíbem a sua publicação. Mas isso não impede que no resto do mundo a obra se transforme num bestseller… e numa possível sentença de morte para o autor.
A CIA está atenta aos acontecimentos e planeia utilizar o livro para influenciar a Guerra Fria a seu favor. Contudo, os agentes destinados a esta missão não são os espiões tradicionais. Duas secretárias são encarregadas da missão das suas vidas: devolver clandestinamente Doutor Jivago à URSS e utilizá‑lo como arma de propaganda. No entanto, esta não será uma missão fácil.

Outros livros recentes sobre o Holocausto: O Fotógrafo de Auschwitz e O Sabotador de Auschwitz.

domingo, 11 de outubro de 2020

«O Lago das Sereias» marca a estreia da madeirense Délia Gomes na literatura


O Lago das Sereias
é o primeiro livro de Délia Gomes, assistente social há 26 anos na Casa de Saúde Câmara Pestana (Funchal). O romance, a ser publicado a 16 deste mês pela editora Cadmus, é baseado em casos reais e faz o leitor reflectir sobre questões do foro psiquiátrico.


Texto de apresentação
No pacato lugar do Curral das Freiras, Catarina é violada por um homem, que não consegue identificar. Com o marido emigrado há anos, sem dar qualquer notícia, é avassalada pelo pânico de uma gravidez, que esconde de todos. Nove meses depois, apresenta à família e aos vizinhos, a menina, que diz ter ido buscar a um orfanato, na cidade.

A criança cresce feliz e tranquila, desconhecendo a sua origem. Assim que surge uma oportunidade, Germana, aos 15 anos, sai de casa e vai trabalhar para a quinta do Dragoeiro, onde irá pela primeira vez ver o mar e conhecer um novo sentimento: o ardor da paixão...
Mas, a situação complica-se quando começa a ouvir vozes, que lhe ordenam, que deverá ir ao lago da quinta pescar sereias. Delírios e alucinações intensificam-se, até ser internada num hospital psiquiátrico.
É o ano de 1906, em que o manicómio é tudo, menos um lugar seguro. É fechada numa cela, suja e escura. O seu futuro é acorrentado. Como é possível ser abandonada por um amor, que julgava eterno e que não acreditou na sua pesca de sereias...?!
Para sobreviver, escreve o diário das suas angústias e agruras, sempre à procura da liberdade…

Novos livros das editoras infantis HarperKids e Bichinho de Conto

Após O Resgate do Orelhas Fofas, publicado em Fevereiro passado, chega a Portugal um novo álbum infantil da ilustradora britânica Emma Chichester Clark. Editado pela HarperKids, Os Ursos Não Leem! é a história de um urso muito peculiar...

Sinopse
Era uma vez um enorme e gigantesco urso-pardo que encontrou um livro debaixo duma árvore... e teve uma ideia brilhante:
"- Vou à cidade para procurar o dono deste livro e para lhe pedir que me ensine a ler". E rumou à cidade pela longa estrada, de livro debaixo do braço.
Mas quando lá chegou. toda a gente desatou a correr. Alguns até estavam aos gritos! ... 

O primeiro livro da designer e ilustradora inglesa Melissa Castrillón a chegar a Portugal traz os leitores à varanda através de uma narrativa de imagem cheia de cor, pormenor e esperança. Um livro que se pode respirar do princípio ao fim onde tudo se transforma e floresce. A Varanda tem o selo da Bichinho de Conto, uma chancela da Saída de Emergência que tem estado adormecida nos últimos meses.

Sinopse
Uma menina, uma casa nova, uma varanda, uma pequenina semente que floresce, uma amizade... Quando o teu coração é generoso, o mundo é um lugar cheio de possibilidades.